Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

O Presépio de Dona Maria Constança – Aldeia da Mata

Evocar o Natal de antigamente numa casa ancestral!

Presépio. Foto original. 16.12.22.

Quando, em “Apeadeiro”, publiquei postal com um carrinho de mão carregado de musgos, logo alvitrei sobre a eventualidade de presépio.

Ele aí está! A foto não favorece especialmente o original, por defeito do fotógrafo. Mas o presépio vale por si mesmo e pelo trabalho e sentido narrativo e estético de suas Autoras: a Prima Maria Constança e a “neta adotiva”, Catarina.

A iconografia tradicional evocativa da quadra natalícia.

A tríade fundamental: Maria, José e o Menino. A cabana, desabrigada, como sugere a lenda. Nela, numas palhinhas deitado, Jesus, menino! José não se vê muito bem na foto, defeito de perspetiva fotográfica. Realçado o Pastor. Merece, que estamos em Terra e em Casa em que sempre houve criação de ovelhas.

Não me pareceu ver a vaquinha e o burrinho! Mas lá está um carrinho de bois. Nem a propósito, que na Casa ancestral sempre houve lavouras, há cabanais dessas épocas e neles ainda um carro de bovinos.

Na continuação da narrativa, lá vêm os três Reis Magos, provindo do seu castelo.

Espalhadas pelos campos, as ovelhas, que não pode haver pastor sem rebanho. O pasto? Os musgos de sempre. Os pequenos fetos sugerindo o arvoredo. Alguns elementos vegetais: os vasculhos ou gilbardeira, um ramo de espinheiro frutificado, embelezando a cabana.

Mais alguns itens peculiares: a ponte, o riacho, alguns animais, umas casinhas, uma choça(?) Se há pastor, terá de haver o abrigo habitual e contemporâneo do Nascimento. Há mais de dois mil anos não esquecer!

Mas tempos são tempos! E nestes tempos de evocação, não faltam as luzinhas tremeluzindo e estremecendo a paisagem natalina, as bolinhas coloridas, e… a Árvore de Natal!  Enfeitada, multicolorida, iluminada!

Natal é Natal! Parabéns aos Autores do Presépio. Que o António José também o construiu!

Feliz Natal para si, Caro/a Leitor/a que nos acompanhou até aqui.

Feliz Domingo! Feliz Dezembro!

 

NATAL: leitura de SALMOS

Arranjo de Natal. APBP, Artistas Pintores com a Boca e o Pé

 E, porque é Natal, apesar de ser Natal todos os dias, mas nem todos possam ter um Natal como merecido...

 

A leitura de SALMOS

 

Salmo 23

"O SENHOR é o meu pastor: nada me faltará... (...)

Digitalização Estrela Natal. APBP, Artistas Pintores com a Boca e o Pé

 

Salmo 27

" O SENHOR é a minha luz e a minha salvação...

" O SENHOR é a força da minha vida... (...)

 

Sol de Inverno. APBP, Artistas Pintores com a Boca e o Pé

 

Salmo 100 - Salmo de Louvor

 

"CELEBRAI com júbilo ao SENHOR, todos os moradores da terra...

Roda de Natal, APBP, Artistas Pintores com a Boca

 

(... ... ...)

 

"Porque o SENHOR é bom, e eterna a sua misericórdia; e a sua verdade estende-se de geração em geração."

Pastor a Tempo Parcial

“Eu nunca guardei rebanhos

Mas é como se os guardasse.”

Alberto Caeiro

  

 Pastor a Tempo Parcial

 

Rebanho... Foto de F.M.C.L. (início anos 80)

 

Ovelhas, andei a guardá-las

Como se as não guardasse

No meio delas, a olhá-las

Não tardava me ausentasse.

 

Com elas falava, só falando

Gritava-lhes, estando calado

Ouvia-as, não as escutando

Festas fazia com o cajado.

 

Acariciava-as, magoando

Mandava o cão que não ia

Ou ia não o mandando

E, ao chamá-lo, fugia.

 

Ao vedar-lhes o trigal

Era certo que lá estavam.

Onde quer que fosse mal

Insistindo elas teimavam.

 

Se do fruto as separava um muro

Quantas vezes o galgavam.

E por um figo maduro

Corriam mal o cheiravam.

 

Era louca a correria

Ao cobiçado troféu.

Todo o rebanho fugia

E atrás dele ia eu.

 

Pequenos e fracos ficavam

Coxeando mais atrás

Pouco a pouco se atrasavam

Andando o que eram capaz.

  

Pela água ia tudo

Se fartando de beber.

Comendo figo ou embudo

Acabavam por morrer.

 

Morriam ovelhas, tal e qual

A Mestre de Filosofia

Que embude a cicuta é igual

Só que, à data, eu não sabia.

 

As ovelhas são assim

Sempre em rebanho.

Muitos homens, outrossim

São iguais, de igual tamanho.

 

À cabeçada, por vezes,

Lutavam duas ou mais.

E entre os cornos soezes

Sangue escorria demais.

 

Nove, dez horas, aquece

O sol quente de verão

Cada chocalho estremece

Na corna amarrada ao chão.

 

Em fila indiana indo

Sempre no mesmo carreiro,

Ao acarro vão seguindo

Na mesma azinheira ou sobreiro.

 

Primavera, erva e cheiros tantos

Dá gosto vê-las espalhadas

Aquecendo lanudos mantos

Pastando nas abrigadas.

 

De brancas ondas um mar

Na verdejante relva dispersas

Nas lombas, filhos a dormitar

Manchas brancas mais diversas.

 

Espelham reflexos de luz

Num verde "Mar da Palha"

Na erva que tanto as seduz

Tirá-las daí…Deus nos valha!

  

Era então que o sol

O fascínio da luz e da cor

Sinfonia de rãs, grilos e rouxinol

Das mil e uma ervas o odor…

 

Me afastavam do rebanho

Sem sair do meio dele.

O caminho era tamanho…

Partia, deixando a pele.

 

O apitar do comboio, ao longe

Era um convite à viagem.

Naquele deserto de monge

Seguia a minha miragem.

 

Uma águia esvoaçando

Meu passaporte assinava.

Era então, quando

Eu, com ela, voava.

 

Este poema, de inícios dos anos oitenta, é versão rimada de outro escrito em finais de setenta.

Mais sobre mim

foto do autor

Posts mais Comentados

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D