Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Da janela, o Hospital vejo…

Foto original. A Cidade. Os Sobreiros. 2019. 01.jpg*

 

Verso(s) dedicado(s) a quem para nós trabalha!

 

Da janela, o Hospital eu vejo

Aves voando livres, meu desejo!

 

***

 

Alheios à intempérie, à sua beira

Gatos enroscados, à soalheira

Dormitam, esperando mantimento.

 

Milheirinha calcorreia na sobreira

Pequena, irrequieta, tão ligeira

Catando inseto, seu alimento.

 

Cada um buscando por seu sustento

Gente que trabalha, são nosso alento

A eles, eu dedico este meu verso.

 

Natureza bem dentro da Cidade

Nos ensina humilde honestidade

Cada qual labutando sua lida.

 

Verso a verso, poema controverso

Grato a quem trabalha. Na verdade

Sacrificando sua própria Vida!

***   ****

(Notas Finais:

Volto à Poesia!

A fotografia. Pois bem... não é do Hospital. O poema reporta para cenas que visualizo diariamente, há semanas. A foto é da Cidade e do passadiço. Como nos apetece sair e passear pelo passadiço e pela Cidade! Hei - de publicar um postal com imagens da Cidade para compensar a reclusão. Até breve!)

Venceremos!

 

Foto Original. Cidade 2019. 07.jpg

 

Venceremos!

 

Voando rasante, à minha janela

Andorinha me acena Liberdade

Pena tenho eu não ser como ela

Poder voar livre sobre a Cidade!

 

Olaias abraçando Primavera

Alheadas à nossa tempestade

Matizadas de rosa aloé vera

Nos levam da cruel realidade.

 

Bem presente na tenda de campanha

Em frente, no largo, ao Hospital

Metáfora de luta tal, tamanha

No Mundo e em nosso Portugal.

 

Combate sem tréguas, até desigual

Venceremos, Poetas, a Gadanha!

 

Papoila Primavera 2019. 05.jpg

(Notas Finais:

 Poema inspirado, ainda, nestes tempos que nos percorrem.

Imagens da Cidade, captadas no ano passado, na vinda do “Boi D’Água”. Local icónico, uma aldeia na Cidade. Uma paisagem serrana em plena Planície.

E também fotos tiradas no mesmo local, em datas diferentes, de uma papoila garrida, verdadeira Primavera e de uma planta muito peculiar, folhas de forma lanceolada, guerreira, portanto, mas cujo nome desconheço.)

Foto original Boi D'Água 201907.jpg

 

Tens c´roa de rei...

Triunfará o Amor!

 

Chegaste e quase nem te vimos chegar

Provindo mais o sol, do Oriente

Chegaste lesto, sem bem nos preparar

Ficaste entre nós assim de repente.

 

Empunhando gadanha entraste a matar

Ceifaste vida a eito…Tanta gente!

Cruel, impiedoso, tens de parar.

Vale heroísmo de quem te faz frente.

 

Tens c´roa de rei, em reino de terror

Puseste o Mundo todo às avessas

Não assumindo, nos invade o temor.

 

No dia-a-dia pararam as pressas

Mas lembro-te, para que não t´esqueças

Que, bem no fim, triunfará o Amor!

 

(Notas Finais:

Como referi em post anterior, sempre a inspiração chegou, a tempo de escrever um poema. De certo modo também para participar na Tertúlia online da APP - Associação Portuguesa de Poetas.

O tema é sobre o assunto que atualmente nos atormenta. Todavia reportando para uma certa esperança, que, no final, vencerá o Amor. Até porque, amanhã, começa a Primavera e é o "Dia da Árvore". Apesar dos dias sombrios que vivemos, melhores dias virão.

Ainda quero publicar uns posts divulgando trabalhos que tenho estado a elaborar, aproveitando estes dias de reclusão.

Me aguarde, SFF.)

Covid  – 19 e Poesia!

Covid 19 e Poesia?!

 

Surpreende - se, Caro/a Leitor/a?!

 

Pois… Poesia, mas nenhum poema que eu tenha escrito sobre o tema. Ainda que goste de escrever sobre temáticas de cariz social, muitos textos poéticos, mais ou menos originais, melhor ou pior escritos, têm sido publicados neste blogue sobre assuntos dessa natureza.

Desde “Amor do facebook”, até “Selfie” ou “Sexta - feira negra”, muitos têm sido os “postais” que tenho publicado, divulgando poesias dessas áreas.

 

Todavia este tema, assunto, que agora assoberba os meios de comunicação, pela sua importância e gravidade, não me suscita a criatividade poética.

Então a que propósito a Poesia se interliga com o célebre dito “bicho”, que nos atormenta e inquieta, nos condiciona, a todos nós, em todo o mundo?

 

Bem… Várias das Associações ligadas à Poesia, a que estou associado, decidiram, e muitíssimo bem, suspender as diversas atividades programadas para Março, aplicando as medidas de contenção face à propagação do vírus. Decidiram bem, tive oportunidade de manifestar a minha concordância através do mail, tanto para a APP, como para a SCALA.

 

Não quer dizer que as reuniões, encontros poéticos, tertúlias, tenham assim números assombrosos de gente, é verdade, e é pena, mas não sendo muitos, que geralmente não somos, de facto, somos muitíssimo importantes, como, aliás, todo e qualquer Ser Humano, apesar de haver por aí grandes camafeus…

 

Mas, reconheça, Caro/a Leitor/a que não é toda a gente que tem o dom da Poesia…

E o que seria do Mundo e de Portugal sem os Poetas, as Poetisas e a Poesia?!

 

Está, deste modo, explicada a interligação Covid 19 – Poesia. E logo neste mês tão emblemático, dedicado à Primavera e à Poesia.

 

Ainda farei a conexão deste dito cujo, cujo nome se omite para afugentar maus presságios, com outros contextos.

 

E quanto à criatividade poética sobre o mesmo, nada me garante que ela não possa acontecer, pois que não mando no meu pensamento criativo, por vezes surgem-me poemas, poesias, versos, prosas poéticas, quando menos espero. Ser Poeta é um Destino, é uma Condição, em que não me determino. Acontece Poesia… muitas vezes, independentemente da minha vontade.

 

E por hoje, e por agora, termino este meu postal!

 

Saudações Poéticas!

Festa das Artes da SCALA – Almada 2020

Sociedade Cultural de Artes e Letras de Almada

26ª EXPOSIÇÃO ANUAL

OFICINA de CULTURA

8 a 23 de FEVEREIRO

 

 

8 (Sábado) 16h. - Inauguração da Exposição da “FESTA das ARTES da SCALA”.

 

Atuação do Grupo de CANTARES Populares do Castelo de Sesimbra.

 

9 (Domingo) 16h. – Atuação do Grupo de CONCERTINAS da USALMA.

 

16 (Domingo) 16h. – Atuação do Grupo PAX NOVEL, com António Fonseca, Gabriel Sanches, Fábio Francisco e Miguel Berkemeir.

 

22 (Sábado) 16h.- Grupo de FADO da Universidade Sénior D. Sancho I.

 

23 (Domingo) 16h. - ENCERRAMENTO da “Festa das Artes da SCALA”.

 

Atuação do Grupo de SEVILHANAS do BEIRA MAR de Almada.

 

“POESIA à SOLTA” com Poetas da SCALA.

 

*******

A SCALA – Sociedade Cultural de Artes e Letras de Almada - organiza, de 8 a 23 de Fevereiro, a sua 26ª Exposição Anual, na Oficina de Cultura, em parceria com a Câmara Municipal.

 

Nesta Exposição, envolvendo trabalhos nos domínios de Artes Decorativas, Escultura, Fotografia e Pintura, participam diretamente trinta e oito pessoas com obras suas.

Selfie. 2019. jpg

 

Penso que esta Exposição é uma atividade que deve continuar a ser desenvolvida pelas várias entidades participantes, havendo como é evidente a adesão de tantos Artistas, intitulemos deste modo todos os intervenientes.

 

No decurso da Exposição, decorrem atuações de outros Artistas, em vários domínios ligados à Música, ao Canto, à Dança, ao Fado.

Ah! E também Poetas, em “Poesia à Solta”!

 

Sem esquecer todos os Organizadores e Colaboradores, todos os que de forma mais ou menos direta colocam em ação, constroem, esta Exposição, bem como todas as atividades e funcionalidades integradas na designada “Festa das Artes da SCALA”.

 

Ícaro 1986.jpg

 

Os meus Parabéns a todos, sem exceção! E o meu Muito Obrigado também! Pois, deste modo, tenho a possibilidade de participar, modestamente, com dois trabalhos, que documentam fotograficamente este “postal” eletrónico.

Visite a Exposição e as outras Atividades. Ficará certamente rendido/a, pois pelo que pude vislumbrar, há obras por demais interessantes! Para além das atuações… e da Poesia!

 

S C A L A – Almada – Atividades 1º Trimestre - 2020

Sociedade Cultural de Artes e Letras de Almada – 2020

Atividades Culturais

JANEIRO FEVEREIRO MARÇO

 

Sessões de Poesia, Apresentação de Livros, Exposições, Música, Palestras e Tertúlias.

 

Foto Original. Amendoeira. jpg

 

JANEIRO

4 - Inauguração da EXPOSIÇÃO de FOTOGRAFIA de Modesto Viegas. Na galeria e sede da SCALA, sábado às 16 horas; exposição patente ao público até 17 de janeiro.

11 - Sessão de FADO com os elementos do Grupo de Fado da Universidade Sénior D. Sancho I. Na sede da SCALA, às 16 horas.

18 - Inauguração da EXPOSIÇÃO de PINTURA de Arminda Vieira. Na galeria, às 16 horas; exposição patente ao público até dia 31.

Música de Gabriel Sanches, às 17 horas.

25 - POESIA À SOLTA, na sede, às 16 horas com a música de Gabriel Sanches a solo ou em acompanhamento.

 

FEVEREIRO

1 - Inauguração da EXPOSIÇÃO DE PINTURA do Grupo Artis, às 16 horas, na sede e galeria da SCALA. Patente ao público até 14 de fevereiro.

 

8 - Inauguração da FESTA das ARTES da SCALA, às 16 horas na Oficina de Cultura da Câmara Municipal de Almada, com a participação do Grupo de CANTARES Populares do Castelo de Sesimbra.

9 - Grupo de CONCERTINAS da USALMA, às 16 horas, na Oficina de Cultura, da CMA.

 

15 - Inauguração da EXPOSIÇÃO de FOTOGRAFIA de Aníbal Sequeira, às 16 horas na Galeria da SCALA. Patente ao público até ao dia 28 de fevereiro.

 

16 - Grupo PAX NOVEL, com António Fonseca, Gabriel Sanches, Fábio Francisco e Miguel Berkemeir, às 16 horas, na Oficina de Cultura.

22 - Grupo de FADO da Universidade Sénior D. Sancho I, às 16 horas, na Oficina de Cultura.

23 - FESTA de ENCERRAMENTO da Festa das Artes da SCALA.

Grupo de SEVILHANAS do BEIRA MAR de Almada, às 16 horas.

POESIA à SOLTA com os poetas da SCALA.

29 - Inauguração da EXPOSIÇÃO de FOTOGRAFIA de Clara Mestre, às 16 horas na Galeria da SCALA. Patente ao público até 13 de março.

Atuação do Grupo PAX NOVEL, com António Fonseca, Gabriel Sanches e Miguel Berkmeier, às 17 horas, na Galeria e sede da SCALA.

 

MARÇO

7 - Apresentação do DOCUMENTÁRIO MULTIMÉDIA, com Luis Bayó Veiga e Modesto Viegas, às 16 horas, na sede da SCALA.

 

8 - Aniversário da SCALA - Almoço do 26.º ANIVERSÁRIO da SCALA.

Restaurante Nezy, Rua Capitão Leitão, 78, Almada, às 12,30 horas. Marcação através de 965 350 257.

 

14 - Inauguração da EXPOSIÇÃO “DESENHO a CARVÃO” de Sá Cortes, às 16 horas na Galeria da SCALA. Patente ao público até 27 de março.

21 - LANÇAMENTO do LIVRO “Estes é que são os contos, estes contos é que são” de Rosa Gonçalves, às 16 horas na Sede da SCALA.

Após o lançamento do livro, vamos festejar o DIA MUNDIAL da POESIA, com os poetas da SCALA e amigos da poesia.

28 - Inauguração da EXPOSIÇÃO de PINTURA, de Milena, às 16 horas, na Galeria da SCALA. Patente ao público até 10 de abril.

 

Tertúlia Poesia do CNAP - Lisboa – Café Império

Círculo Nacional D'Arte e Poesia

Tertúlia Poética

 

Volto a alguns dos temas das crónicas anteriores: Poesia, Tertúlias, Lisboa…

Foto original. 2019.jpg

 

O CNAP – Círculo Nacional D’Arte e Poesia realizou dia 14, a sua habitual Tertúlia: segunda terça - feira de cada mês.

Agora no emblemático, icónico, Café Império – Alameda Afonso Henriques / Avenida Almirante Reis - Lisboa. Acho que mantém a estrutura fundamental que conhecia das décadas setenta / oitenta, adaptado às funcionalidades atuais e ao modelo de utilização em que se insere. Muitas fotografias de artistas conhecidos. Junto à mesa em que dissertamos Poesia, reconheci as ”Primas” Madalena e Io. (“Primas”, advém do facto de sermos todos parentes, sejam quais forem as teorias que perfilhemos.)

 

Compareceram à Tertúlia nem muitos nem poucos, os bastantes: D. Maria Olívia, Alma – Mater do Círculo; Rolando, desta vez sem “Chansons”, talvez inibido pelas “Primas”; António Diniz Sampaio, que há muito não aparecia; Luís Ferreira, desta vez, e bem, acompanhado pelo “Poeta Cabacinha”, em livro; Carlos Pinto Ribeiro, que nos trouxe lembranças do irmão, Fernando Pinto Ribeiro, através da amável oferta de um exemplar da revista “Contravento – Letras e Artes” – Nº 2 – Dezembro de 1968. Impagável! Uma plêiade de Artistas de alto gabarito, hoje, consagradíssimos, muitos já no Além! Destaco apenas e por curiosidade, António de Sousa, com um poema manuscrito “Sal e Pimenta”, de Março 1966!

 

Como habitualmente, Carlos consagra-se à “Missão” de divulgar a Obra do irmão, Fernando. Para quando a edição do livro?! Gosto!

 

O “Poeta Cabacinha”, que tive o grato prazer de ouvir “Dizer Poesia”, como só ele sabe (!), num dos encontros de Cante e Poesia, organizado pelo Grupo de Cante do Feijó, no Auditório Fernando Lopes Graça – Fórum Romeu Correia, em Almada, num Outubro transato, foi o tema de conversas e de Leituras de Poesia, tanto pelo Luís, como pelo Rolando. Gostei!

D. Maria Olívia e António leram Poesia, a partir do Boletim Cultural Nº 137 – Ano XXX – Dez. 2019, do CNAP. Tema Natal: “Recordar é viver…”, “Quando eu era pequenino…”, “Natal nasceu Jesus” “O Primeiro Natal”, “Vem aí o Natal…”. Rolando: “Ano Bom – a Fé sempre renovada”. Gostei!

Também António Aleixo marcou presença. E também Amália! Também deles falámos, a propósito da importância e valor da “Poesia Popular”. E outros Poetas e Poetisas e Artistas, para além dos que compõem a plêiade de todos os que figuram nas paredes do Café, das esculturas e Autores do monumento que é todo o edifício, antigamente Café e Cinema Império, de tantas estreias cinematográficas, desde a sua inauguração (1955)! Por isso não estivemos apenas seis, mas muitos sessentas! Gostei!

 

E eu não disse?!

Natal no contentor”, “O Menino / O Futuro morre na praia”; “Aquem – Tejo”: sextilha e quadras sobre o Alentejo e ainda: “Qualquer coisa…” e “Num mundo em que tudo se compra e se vende…”  E, adeus, até uma próxima Tertúlia. Gostaram?!

Sexta - Feira negra, sexta

Fotografia Original 2016. jpg

 

("Black Friday")

 

Sexta - feira negra, sexta

Anda todo o mundo besta

Atrás de cabaz, de cesta

De compras ao desbarato.

 

Quantas vezes são gato

Por lebre, que até o rato

Do capital fez um trato

C’o diabo do consumo.

 

Gasto e mais gasto sem rumo

Tanta roupa em desarrumo

Tudo isto, em resumo

É mais comprar só por comprar!

 

Que compre, compre sem cessar

Porque o mundo vai acabar

É levar cesto abarrotar!

 

Black Friday, em cada ano

Outro import americano

É sempre mais um engano.

 

É bom lembrar que o planeta

(Bem pode dizer que é treta!)

Tem recursos limitados!

 

Se vamos gastar, gastando

Como gastar nós gastamos

É certo que nos tramamos

A consumir, consumando

Nossa geração e vindoura

Nada de bom nos agoura!

 

Hoje e amanhã tramados!!!

 

 

Novembro / Dezembro 2019

(Na sequência da “Black Friday” da última 6ª feira 29/11/2019.)

Volto a Poesia, de cariz social. Hei-de continuar com temas de outros Autores. Inclusive tradicionais!

(Fotografia Original.)

“A Chaga do Lado!”

Natal no contentor!

 

Nascido em contentor, em noite fria

Parábola hospitalar deste País

Achado por sem abrigo, quem diria

Que eu tivesse mãe, sem ter, que não me quis!

 

Querer, queria, mas sem vida não podia

Ter-me, e tendo, de criar-me de raiz.

Valeu-me choro ser fala, nesse dia

Qua nascesse outra vez, ser talvez feliz!

 

Feliz ou não, futuro não sei. Sou petiz!

Nem visita real, per si, vaticina.

 

Cada qual que nasce, nasce sua sina

Neste mundo atroz tudo se desatina

Na rede social todo o mundo opina.

 

Mas houve já Natal, sim! Sou eu quem to diz!

 

No post anteriormente publicado, 7 de Novembro, escrevi sobre a “Chaga do Mundo”, reportando no final também para a “Chaga do lado”, isto é, para as desgraças que ocorrem, bem ao nosso lado, que praticamente ignoramos, ou fingimos ignorar. Quem me diria que estava já a acontecer o tão badalado assunto do abandono de criança em contentor de lixo?!

Pois é precisamente sobre esse tema que me debruço neste post, através do poema “Natal em contentor!”.

Poema escrito a nove de Novembro, (09/11/19), inspirado nessa ocorrência.

Nessa tarde, ocorreu “Momentos de Poesia”, no Hotel José Régio, em Portalegre. Aí, li pela primeira vez este poema, no decurso da tertúlia celebrativa do décimo terceiro aniversário do referido evento cultural, que tenho vindo a divulgar regularmente no blogue. Entretanto já o decorei!

Também disse o poema “O Menino / o Futuro morre na praia!”

Dois dos meus poemas de Natal!

(Habitualmente sobre Natal, os meus poemas realçam o lado trágico da Vida, do Nascimento…)

 

O título do post remete-nos precisa e propositadamente para José Régio.

Nem a propósito, no dia seguinte, dez de Novembro, (10/11/19), havia “Visita guiada na Casa – Museu José Régio”, integrada num evento associado à Enologia. Visita super interessante, guiada por Drª Olga. Obrigada e parabéns à Casa e à Cidade, que comemoram dignamente o cinquentenário do falecimento do Poeta. (É esta a faceta que mais admiro!)

Aí, li o poema “Cristo”. Hei - de publicá-lo no blogue e falar da Casa e da visita.

Frise-se, que a Cidade e a Casa lembram Régio sob as suas múltiplas e variadas facetas, enquanto Cidadão e Artista. Parabéns!

“Estranha Forma de Vida” – Amália

(Amália - 1920 – 1999)

 

Na Visão Biografia - Out. Nov. Dez. nº3 – 2019, através de Bolsa de Investigação Jornalística Gulbenkian, apresenta-se: “AMÁLIA – A História Secreta:

Como a “Rainha do Fado” conviveu com a Ditadura, escapou à PIDE, conspirou com comunistas, ajudou presos políticos e financiou a resistência ao Estado Novo.”

 

Surpreende-se pelo título e subtítulo desta análise biográfica?!

 

Mais surpreendido/a ficará quando se embrenhar na leitura desta visão sobre a vida da maior Cantante do Fado. Uma análise focando vários aspetos da vida da Diva do Fado, essencialmente centrada nos subtítulos citados, que nos traz uma perspetiva desconhecida para a maioria de nós, certamente. Também aspetos de alguns Personagens a ela ligados, com papel relevante. Outros ficaram por realçar, digo eu.

Comprei ontem a revista e compulsivamente li os artigos todos. Não resisti a parar ou adiar as leituras.

Um trabalho exemplar de Miguel Carvalho – “Grande Repórter”!

 

(Todavia acho que algumas fotos coletivas deveriam ter as pessoas nomeadas. Deduzo que para quem conhece bem o meio, muitas dessas pessoas serão identificáveis, mas para a maioria dos possíveis leitores, leigos como eu, são relativamente desconhecidas. A da pag. 38 intrigou-me sobremaneira!)

 

E como neste blogue, a Poesia está sempre presente, segue-se a letra do fado que intitula o post, da autoria da própria Amália. (Não sei se a letra estará totalmente correta, pois encontrei versões ligeiramente diversas na net.)

Na reportagem conta-se a curiosa história deste fado e de outros não menos interessantes. Afinal Amália cantou alguns dos nossos maiores Poetas!

 

“Estranha Forma de Vida”

 

“Foi por vontade de Deus

Que eu vivo nesta ansiedade

Que todos os ais são meus

Que é toda minha a saudade

Foi por vontade de Deus

 

Que estranha forma de vida

Tem este meu coração

Vive de vida perdida

Quem lhe daria o condão?

Que estranha forma de vida

 

Coração independente

Coração que não comando

Vive perdido entre a gente

Teimosamente sangrando

Coração independente

 

Eu não te acompanho mais

Pára, deixa de bater

Se não sabes onde vais

Porque teimas em correr

Eu não te acompanho mais

 

Se não sabes onde vais

Porque teimas em correr

Eu não te acompanho mais.”

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D