Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

"Momentos de Poesia": Fev. 2019 - Um Hino à Cultura!

"Momentos de Poesia" inicia as suas jornadas poéticas e culturais neste 2019, na Cidade de Régio.

Prossegue a sua Caminhada, "Dando Voz" a Poetas, Poetisas, Artistas, em suma, partilhando, divulgando, promovendo e criando Cultura, na bela Cidade de Portalegre.

Parabéns e Votos de que tudo corra pelo melhor!

Momentos de Poesia. Cortesia Organização. Fev 2019.jpg

Lamento não poder estar presente, mas apresentaremos, nesse dia, o livro "De altemira fiz um ramo" em Almada, na SCALA - Sociedade Cultural de Artes e Letras  de Almada.

Até uma próxima oportunidade!

 

Praxes: a parvoíce continua!

E lá volto eu a este assunto!

 

Original DAPL. 2016. jpg

 

Desde que utilizo esta ferramenta do blogue esta temática das praxes vem quase sempre à baila nesta altura. Pelo lado negativo!

Não me apetece nada voltar a este assunto. Mas vai ter que ser!

Quando vejo na Cidade de Régio aqueles bandos de carneiros mal mortos, a serem arrastados por aqueles mantos corvídeos, carregados de pinos, a blasfemarem umas quantas obscenidades e a executarem uns quantos disparates na rua… apetece-me sempre interpelar.

E já o tenho feito, ainda este ano o fiz no Campo de Sant’ Ana!

E quando é que as Autoridades resolvem intervir, como deve ser por esse país fora?!

Que as cenas repetem-se invariavelmente por todo o lado…

Vinte e Cinco de Abril e Poesia!

Liberdade! Liberdade de Expressão! Liberdade de Reunião!

 

Ultimamente, tenho escrito pouco e publicado ainda menos.

Outros projetos. Outras atividades…

 

No blogue, todavia, a Poesia tem estado bem presente. Neste ano de 2018, dos posts publicados, a maioria foram dedicados, direta ou indiretamente, a esta Arte.

 

Neste Dia tão especial, hoje - 25 de Abril, voltamos à Poesia.

Nesta data, que entre outros Valores, vincou o da Liberdade e, neste, frisou a Liberdade de Expressão, que maneira mais nobre de a evocar, senão através da Poesia?!

Não diretamente, mas através da divulgação de acontecimentos poéticos, dignificantes da Poesia, para este próximo fim-de-semana. (Outro valor associado a Abril – a Liberdade de Reunião!)

 

*******

 

Em Portalegre, Cidade… “Momentos de Poesia” continua a sua “Odisseia” na divulgação e promoção da Poesia! Desta vez, homenageando uma Poetisa: Maria José Miranda.

Cartaz de Organização "Momentos de Poesia". 2018. jpg

 

Uma maneira extraordinariamente relevante: lembrar outros Poetas, outras Poetisas. E esta tem sido uma das facetas mais meritórias de “Momentos…” Dar a conhecer a Poesia e os seus Autores!

 

*******

 

Também em Almada, na SCALA, igualmente sábado, 28, pelas 17 horas haverá uma sessão de “Poesia à Solta”, como é habitual no último sábado de cada mês.

Antecedida, às 16 horas, de inauguração de exposição de fotografia de Clara Mestre, também uma excelente Poetisa. E “Dizedora” de Poesia! E Cantora!

 

*******

Casa Cerca 2017. original DAPL.jpg

 

E na CASA DA CERCA, também em Almada, e também a 28, pelas 15 horas, haverá visita guiada à exposição, da consagrada Poetisa Ana Haterly, “O Prodígio da Experiência”, orientada pelo Curador: Fernando Aguiar.

(Poesia, no contexto da designada “Poesia Visual”!)

 

*******

 

Ah! E no dia 29, 15 horas, domingo, na sua Sede, aos Olivais, Lisboa, a APP – Associação Portuguesa de Poetas, promove igualmente a sua habitual Tertúlia APP, de final do mês.

Será proferida uma pequena palestra por Mabel Cavalcanti, sobre o tema “Literatura de Cordel – uma viagem poética pela cultura popular do Brasil”. Acompanhamento ao violão, por Carminha Pontes.

 

*******

 

E veja, e reflita, e avalie, você, Caro/a Leitor/a, se a POESIA, permite ou não lembrar e comemorar esta Data, e se é ou não, de igual modo, beneficiária da Liberdade que a ocorrência desse Dia nos permitiu?!

 

*******

(Imagem cartaz: Organização de "Momentos de Poesia".

Fotografia "Casa da Cerca": Original DAPL - 2017.)

Dia Mundial da Poesia – 2018

Viva a Poesia!

 

Rosas. Original DAPL. 2016.jpg

 

Hoje, dia 21 de Março, comemora-se, entre outras efemérides, o “Dia Mundial da Poesia”!

 

Várias organizações lembram, neste dia, muito especialmente a Poesia.

 

O Círculo Nacional D’Arte e Poesia – CNAP já festejou, ontem, a Poesia, como habitualmente, no Centro de Dia de São Sebastião da Pedreira. Compareceram António Silva, Carlos Pinto Ribeiro, Carlos Santos Silva, Elsa de Noronha, Francisco Carita Mata, José Branquinho, Maria Fernanda de Carvalho, Maria Olívia Diniz Sampaio, Rolando Amado, Teresa Filipe.

Disseram Poesia de sua autoria ou de outros Poetas e Poetisas. Cantaram também. Quem tem esse dote e competência. Cada um, ao seu jeito e modo, homenageou a Poesia e engrandeceu, antecipadamente, esse Dia. Escutaram, com estima e veneração, a dita pelos outros.

 

Também outras Entidades lembram festivamente esse Dia.

 

A APP – Associação Portuguesa de Poetas, celebra a Poesia, seguindo um programa deveras original, conforme cartaz que se segue.

 

APP Dia Mundial Poesia.png

 

José Branquinho promove a sua habitual Tertúlia na sala VIP, do Estádio José Alvalade, a partir das quinze horas. Celebrando a Poesia, o Canto e o seu ideal sportinguista, todavia aberto a todas as “confissões” clubísticas.

 

Sobre “Momentos de Poesia” e as suas comemorações já aqui abordámos vários posts no blogue.

 

Pois…

Só lhe resta comemorar, você também, a POESIA!

Procure um evento que lhe fique mais perto.

 

Não deixe de lembrar a Poesia.

 

Ao menos, se puder, faça um verso! Ou ofereça uma rosa!

Obrigado pela fotografia, original DAPL.

Será Portalegre uma Cidade de Poesia?

Portalegre, Cidade...

 

Portalegre, porto ou porta / Na encosta, ridente alegria…”, escrevi, há alguns anos, sobre a Cidade de Régio.

Epifania  Primavera 2015. Original DAPL. jpg

 (Epifania da Primavera. Foto original DAPL 2015.)

 

E, nem de propósito, “Momentos de Poesia”, evento já com foros de Cidadania, da responsabilidade de Drª Deolinda Milhano, subordina-se no próximo Dia 21 de Março, a uma visita guiada e poética sobre as “Portas da Cidade”.

Sendo Portalegre um burgo de raiz medieval, ainda mantém parte da sua estrutura muralhada e algumas das portas que lhe davam acesso, estruturadas sob a forma de arcos de volta inteira, com maiores ou menores alterações epocais.

 

E tentando responder à questão formulada inicialmente, para se aperceber melhor dessa possibilidade, nada como palmilhar as ruas do povoado.

Miradouro Portalegre 2017. jpg

Mas eu atrevia-me a sugerir, algo mais inusual… Um passeio, a pé, subindo pela “Estrada da Serra”, até ao miradouro. (Estrutura, a que me atrevi de batizar de “Passadiço.) Pouco a pouco, contemplando a urbe, o seu enquadramento paisagístico, o seu casco construtivo, não tenho dúvidas que se perceciona uma visão muito mais poetizada da sua mole urbana, num soberbo cenário, englobando serra e campina alentejana…Perdendo-se nas lonjuras, quase se confundindo céu e terra. E sempre a perspetiva e recorte da Cidade e de alguns dos seus monumentos mais icónicos.

2017 Portalegre. Original DAPL. jpg

Mas ainda retornando à Poesia. É sintomático que, na Cidade, logo duas Escolas tenham escolhido como patronos, dois Poetas: Cristóvão Falcão e José Régio. É indubitavelmente uma prova da estima da Cidade pelos seus Poetas, não querendo esta afirmação dizer que eles são, em contexto natural, devidamente apreciados e lembrados pela sua Poesia. Que não são!

E na Cidade há grupos de resistentes que não esquecem a Poesia. Há “Momentos de Poesia”, evento pioneiro, a que já tive o grato prazer de assistir a algumas tertúlias, com enorme satisfação e constatado o trabalho altamente meritório que tem sido desenvolvido.

E existe e desenvolve também atividade poética um outro grupo designado “Amigos da Poesia”!

Haverá assim tantas Cidades no País, na dimensão e com as características de Portalegre, em que a Poesia seja celebrada regularmente em eventos poéticos?!

Não sei, não!

Ah! E voltando ao périplo pelas “Portas da Cidade”, lembrar que irão ser calcorreadas as vetustas ruas, iniciando-se a ronda pela Porta da Devesa, Portas do Crato, ainda existentes; pelas de Elvas e Évora, de que só já resta a memória. Pela de Alegrete, terminando na Porta do Postigo, atualmente desestruturada do seu local primitivo e encastrada na antiga muralha, alguns metros mais a sul.

 

Irei voltar a “Momentos de Poesia”, após a concretização do evento!

 

E, nem a propósito: porque não institucionalizar “Portalegre como Cidade de Poesia”?! (Fica a sugestão.) E ainda e já agora… calcorreando a Cidade.

Metem dó, tantos prédios, pelo casco antigo, ameaçando ruína. (Algo tristemente comum a muitas aldeias, vilas e cidades deste nosso Portugal!)

Paralelamente construiu-se, na Rua 1º de Maio, um “business center”, só o nome (!), entaipando-nos da Cidade, a vista espantosa da Serra da Penha; e a partir do IP2, a visão das muralhas. (E tão perto, quase se esboroando, o prédio da antiga loja do Srº Hermínio, prestes a implodir!)

E!... Que tanques, aqueles da Corredoura?! Saudosa, a lembrança do antigo lago e do cisne!

Carvalho Portalegre 2017.jpg

E, para quando replantar de árvores autóctones, carvalhais, aquele espaço?! E umas manchas de amendoeiras, como embelezariam aquelas encostas desprovidas de coberto arbóreo!

 

(Nota final: As fotos são originais DAPL - 2015 e 2017.)

delitodeopiniao.blogs.sapo.

Momentos de Poesia - Portalegre - Portas da Cidade

Cartaz Modelo 2 Momentos de Poesia Março 2018.jpg

No seu constante persistir em "Dar Voz aos Poetas", "Momentos de Poesia" estrutura-se numa relevante iniciativa, no próximo "Dia da Poesia" - 21 de Março.

Uma viagem pelas Portas da Cidade de Portalegre, irmanando História e Poesia! Feliz e interessante ideia, formulando votos de ótima concretização.

Que esteja uma tarde bonita e cheia de sol, não como a de hoje, fustigada pelo vento e pela chuva. Bem sei que esta faz imensa falta!

Parabéns aos organizadores e participantes.

Portalegre tem um “Passadiço”?

Passadiço?!

 

Talvez se admire da pergunta e talvez pense que não fará muito sentido.

 

Provavelmente “Passadiço”, como outros que há pelo País ou como os do “Paiva”… Bem! Talvez não tenha.

Se acrescentarmos o costume crónico de desvalorizarmos o que temos… Bem!... Então não temos mesmo!

 

Mas se tiver oportunidade de dar um passeio a pé, em qualquer estação do ano, pela Estrada da Serra, a iniciar no cruzamento para o Atalaião, ou até antes, junto aos muros da GNR e prosseguir até ao Miradouro

 

Não terá certamente as vistas do “Paiva”, mas… se for apreciador da Natureza, de passear ao Ar Livre, das belas vistas da Cidade de Régio…, acredite que não perderá o seu tempo e fará exercício físico, sem ser fechado em ginásio e de ar condicionado!

 

Se tiver uma boa máquina fotográfica e não apenas um normal telemóvel, nosso caso, então tirará, não direi… boas, mas excelentes, excelentíssimas, fotografias.

 

As aqui documentadas ilustram um passeio realizado no final de Dezembro de 2017. Bem no Inverno! Mas os nossos Invernos são quase Verões de outras latitudes…

 

Aventure-se!

 

Ulmeiro. Original DAPL. 2017.jpg

Ulmeiro, junto ao muro da GNR, uma boa base para começar.

 

Cidade I Original DAPL. 2017.jpg

Uma bela vista da Cidade Regiana. Em primeiro plano, a mata da Serra, em segundo plano, parte da cidade moderna, em terceiro, o casco antigo, percebendo-se o perfil da Sé e do Castelo. No lado direito, a falda sudeste da Serra da Penha… ao longe, a peneplanície alentejana…

Um céu de nuvens, ameaçando chuva!

 

Cidade II Original DAPL2017.jpg

Uma segunda vista global da Cidade, com maior destaque para a paisagem campestre.

Percebe-se um Carvalho Negral, umas Laranjeiras, Oliveiras, Pinheiros Mansos… e arbustos vários.

O habitual perfil da Cidade, em que além do casario e dos ícones arquitetónicos já mencionados, também se percebem as chaminés da Robinson e o Atalaião.

 

Estrada Serra. Original DAPL.2017.jpg

A Estrada, na subida, com a “passadeira” ou “passadiço”, ou “passeio”, em declive suave, perfeitamente acessível a qualquer pessoa, em condições normais de saúde.

Vê-se a célebre “Casa Amarela”, intrigante pela arquitetura e pela cor.

 

Vegetação. Casa Amarela. 2017.jpg

Vista da vegetação da Serra, a “Casa Amarela”, mesclada no manto arbóreo, e um aspeto do murete, que integra ao longo do percurso pequenos “bancos”, incorporados na parede, para quem precise de descansar.

 

Cidade. Vistas III. Original DAPL. 2017.jpg

Nova vista global da Cidade, tendo em primeiro plano o manto vegetal da Serra, arbóreo e arbustivo, aqui indistinto na sua composição individualizada.

Da mole moderna da Urbe, distingue-se perfeitamente, à direita, o edifício do “Navio”.

A estrutura urbana como que se confunde e incorpora, ao longe, com a peneplanície e o céu!

 

Miradouro. Original DAPL. 2017.jpg

O Miradouro! Umas Olaias, em pleno Inverno, carregadas com os frutos já secos; uma Acácia Espinhosa e em plano de fundo, a Serra da Penha, no seu lado nascente.

 

Cedros. Original DAPl. 2017.jpg

Uma bela imagem de Cedros. Um estruturando-se como árvore e outros formando sebe protetora.

 

Catalpa. Original DAPl. 2017.jpg

Uma Catalpa, desprovida de folhas, copa invernal, mas com as célebres ‘vagens’, agora secas, que pessoa muito minha amiga diz que esta é a “Árvore dos Feijões”! (No "Vale" temos três árvores desta espécie, originária dos EUA.) 

 

Vegetação e Rocha. Original DAPL. 2017.jpg

Nesta imagem, em primeiro plano, uma rocha, não sei se granito, se xisto, coberta de musgo; em segundo plano, oliveiras e heras e a Cidade, sempre em fundo e o destaque da Serra da Penha, em toda a sua majestade!

Na parte urbana, percebe-se perfeitamente o Prédio da Fontedeira.

 

Carvalho Negral. Original DAPL. 2017.jpg

Uma bela imagem de um ramo de um Carvalho Negral, ainda com as folhas outonais e as peculiares bugalhas.

A estrada e a passadeira, para peões atravessarem com segurança.

 

Candeias. Original DAPL. 2017.jpg

Uma imagem lindíssima de uma planta autóctone, a que vulgarmente chamamos ‘candeias’, com uma flor, que julgo ser um tipo de orquídea silvestre!

Conseguem ver-se também restos de ramos de silvas secas, que andaram em limpezas no terreno, e uma folha de planta já morta.

 

Socalcos. Original DAPL. 2017.jpg

Terreno serrano, estruturado em pequenas leivas em socalcos, resquícios de tempos em que estas encostas, mais ricas em água, eram cultivadas com pequenos hortejos, de que se observam restos e memórias em vários locais circundantes da Cidade.

Este espaço abandonado, ter-se-á enchido de mato, que se observa ter sido desbastado recentemente.

 

Local Descanso. Original DAPL. 2017.jpg

Espaço para descanso, em bancos de madeira, à sombra protetora de um Sobreiro e aconchego de um ícone de religiosidade popular.

 

Curvas. Original DAPL. 2017.jpg

Visão da Estrada, sempre em curvas e contracurvas. Neste local, implantado na parede do lado esquerdo de quem desce, está um pequeno painel com uns versos, de poesia de Cristóvão Falcão, mas com dificuldade de serem lidos, dado não haver passeio nesse lado da Estrada, o que torna pouco acessível dele nos aproximarmos. (Talvez assim também estão mais protegidos, os versos! Mas que é da Poesia que não é lida?!)

 

Painel. Original DAPL. 2017.jpg 

Imagem de painel informativo dos locais visíveis na Cidade, a partir do local em que se está.

(Nesta imagem, e propositadamente, apresentamos apenas parte do painel, para que Você Faça o Favor de se deslocar e observar in loco!)

Um ramo de loureiro e uns líquenes caídos de um sobreiro, compõem a imagem.

 

Fonte dos Amores. 2017.jpg

Espaço fronteiro à “Fonte dos Amores”.

Local emblemático da Estrada da Serra!

 

Ulmeiro e banco. Original DAPL. 2017.jpg

E terminamos como começámos.

Imagem do Ulmeiro inicial, ainda com as vestes outonais, a começar envergando a ‘fatiota’ invernal.

E um banco, para descansar!

 

*******       *******       *******

 

Gostou da Viagem?!

Então, Faça o favor de se aventurar, logo que tenha oportunidade.

Em qualquer estação do ano.

Que o nosso clima possibilita sempre passeios pelo campo, dependendo do Tempo (Hora) e do Tempo (Meteorológico). E do Tempo (Disponível)!

Faltam imagens emblemáticas?!

Pois faltam.

... Aguardam pela sua máquina digital e olhar fotográfico!

E, Obrigado pela visita!

(Se alguma Árvore não estiver devidamente 'batizada', agradeço que nos informe, se faz favor.)

 *******       *******       ********

E... "O Seu a Seu Dono".

As Fotografias são todas Originais de D.A.P. L. - Dez. 2017.

 

*******

Nota Final:

Por vezes há situações deveras interessantes.

Este post anda a ser delineado há algum tempo. Ontem, o texto foi redigido para ser publicado hoje.

Por acaso, hoje tinha previsto participar, como aconteceu, numa Tertúlia de Poesia, designada “Poesia à Solta”, na Sede da SCALA – Sociedade Cultural de Artes e Letras de Almada – Rua Conde Ferreira.

Ouviram-se excelentes declamadores, dizedores de Poesia, apresentando os seus próprios trabalhos ou de outros Poetas. Cantores e acompanhamento musical. Foi uma tarde memorável e enriquecedora.

E qual não é o meu espanto quando um dos excelentes declamadores presentes, Luís Alves, nos brindou a todos com a Toada de Portalegre!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D