Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Ora, bora lá a tomar a vacina!

Volto a escrever sobre a Covid – 19! E sobre o gráfico referido no postal anterior.

Ou como, através da Covid, se começa em Portugal, se chega à América e percorre o Mundo quase todo! Novas e mandados!

Catatua. Setúbal. Arte Urbana. EN10. Foto original. 2021.06.22.jpg

De certo modo, surpreende-me que, desde inícios de Julho, (6/7 de Julho), se verifique um crescimento tendencialmente acentuado do número de novos casos.

Surpreende-me, relativamente, pelo facto de uma parte muito significativa da população estar vacinada. Com as doses devidas, para supostamente estar imunizada.

Essa surpresa será ainda maior quando durante este espaço de tempo, de pouco mais de um mês – início de Julho a meados de Agosto, terem sido reportados casos de surtos em lares.

Então, nas instituições de apoio à terceira idade não estavam todos vacinados, idosos/utentes e funcionários?

Logo, supostamente, não seriam lugares aonde surgiriam novos casos de Covid! Pois estariam imunizados. (Já havia bastado os que houvera na 2ª fase da pandemia!)

Raposa. Sagacidade. Arte Urbana. Setúbal. Foto Original. 2021.06.21.jpg

É claro que todos sabemos, ou pelo menos deveremos ter disso consciência, de que nenhuma vacina é 100% eficaz. Nenhuma tem essa capacidade total de fornecer imunização aos seus “portadores”, de “certificado de imunidade”. Atrevo-me a afirmar que qualquer ser pensante, com “dois dedos de testa”, deverá estar ciente desse facto.

Mas com isto, quero inferir que as vacinas são ineficazes e que as não devemos tomar?!

Não! De modo algum! Cá para os meus lados, e os mais chegados, estamos todos vacinados! (Até rima!)

E, não! Não faço parte de movimentos anti vacinas. De modo algum. Confio no sistema. Consciente que em todo este processo há muita aprendizagem a fazer e muita tem sido feita, ao longo deste pouco mais de ano e meio em que dura esta pandemia. Aprendizagem feita em Portugal e no Mundo. Ninguém terá certezas absolutas, nem sequer como efetivamente começou esta situação.

 

Também não concordo com os ataques que têm sido feitos a muitas das pessoas que têm dado a cara em todo este processo. Embora também saiba que os políticos e seja qual for a respetiva cor, quando estão no poder, (ou no poleiro?), as coisas são vistas de uma maneira, se não estão, são vistas de outro modo.

Mas não seremos assim, um pouco, todos nós?!

E anda, por aí, muito santa e boa gente a apregoar, loas, novas e mandados. Ademais este ano, que é de eleições autárquicas!

 

Labor Humano. Foto Original. Setúbal. EN10. 2021.06.21.jpg

Com toda esta conversa o que também quero questionar é se nós e os nossos comportamentos também temos ou não influência no aumento ou diminuição de novos casos?!

Estou convencido que sim. Mas também já não vivo tão “isolado” como estive em situações de confinamento.

Mas não concordo com as manifestações e ajuntamentos exagerados que se fazem por aí. Até o “primo” Obama resolveu festejar os anos com uma festa de arromba. Bem sei que isso é lá para os “Esteites”. Será que ele anda a preparar a futura candidatura da “prima” Michele?! Digo eu, sei lá!

 

E que interessa tudo isto comparativamente com o que se passa no Afeganistão?! E na Síria?! E no Iémen?! E na Faixa de Gaza?! E no Haiti?! E na África?! Em Moçambique?!

Bem, corremos o Mundo quase todo e muito fica por dizer!

*******

Fotos? Originais.

Excertos de um painel de “Arte Urbana”, de excelência, sito num muro velho em Setúbal, na entrada Oeste da Cidade, lado Sul da EN10.

Me desculpe o Autor, cujo nome desconheço, de tão bonito quadro urbano, que muitíssimo valoriza o espaço em que se insere.

O meu muitíssimo Obrigado.

*******

1ª – Catatua? Novas e Mandados. Peroração!

2ª – Raposa: sagacidade de que precisamos.

3ª – Labor Humano. Sem o nosso trabalho e nossa vontade nada se constrói.

 

Sabe que planta é / são esta(s)? – XV

Ainda no Jardim da Gulbenkian

(Piquenique 1 de Agosto 2021 - III)

Roca da Velha. Foto original. 2021.08.01.jpg

O Jardim – Parque da Gulbenkian é um oásis em Lisboa.

Surpreendente a floresta criada no meio da Cidade. (A Praça de Espanha também está bastante diferente, mas ainda não deu para uma apreciação global e avaliativa. Mas, na questão de circulação automóvel, pareceu-me melhor. Mas ainda terei que ajuizar com mais atenção.)

Voltemos à Gulbenkian e apreciação do coberto vegetal do Jardim. Alguns aspetos de pormenor e outros de por maior. De algumas plantas conheço nome vulgar, de outras não. Nomes científicos, mais corretos, em latim, não conheço. Lamento!

A foto de capa: Roca da Velha

Imagem de por maior: Canavial, de Canas da Índia

Canavial Gulbenkian. Foto original. 2021.08.01.jpg

Lantana

Lantana Gulbenkian. Foto Original. 2021.08.01.jpg

Roseira florida.

Rosa na Gulbenkian. Foto Original. 2021.08.01.jpg

Rosas muito bonitas existem no Roseiral da Gulbenkian. Mas perdem muito do fulgor dos roseirais, porque o arvoredo que limita o espaço a sul – sudoeste cresceu imenso e priva-as de luz solar. Digo eu… Jardim ou parque sem roseiral, não é jardim nem parque, em Portugal!

Azevinho

Azevinho. Gulbenkian. Foto Original. 2021.08.01.jpg

Acanto

Acanto. Foto Original. 2021.08.01.jpg

As imagens seguintes são de plantas cujo nome desconheço.

Jardim Gulbenkian. Foto original. 2021.08.01.jpg

Sabe os respetivos nomes?!

Jardim Gulbenkian. Foto original. 2021.08.01.jpg

Se souber, agradecemos que os nomeie, Se Faz Favor!

Jardim Gulbenkian. Foto original. 2021.08.01.jpg

Obrigado. Muita Saúde. Bons Passeios e Passeatas. E Piqueniques!

 

“Urbanidades”?!?!

Questões Pertinentes: Perguntas Impertinentes?!

Poejo na rua. Foto original. 2021.05.22. jpg

“Urbanidades: … cortesia, boa educação, civilidade…” In. Dicionário de Língua Portuguesa – Porto Editora – 6ª Edição.

(Começo por frisar que o termo “Urbanidades” é perigosamente falacioso. Então quem é do Campo, duma Aldeia, não é bem-educado?! Aqui lavro o meu protesto. Poderá reparar, SFF, se neste blogue se escrevem palavrões!)

Olhos de Mocho. Foto Original. 2021.05.17.jpg

Covid 19

Não gostaria de estar novamente a escrever sobre o tema. Mas impõe-se. A situação está a agravar-se. O pessoal anda novamente tudo no regabofe, festas, festinhas e festarolas... Os casos aumentam. Progride o índice de transmissibilidade. O facto de estarmos vacinados não indica que estamos 100% imunizados. Devemos continuar a ter cuidados. Quem não está vacinado, ainda mais. Muito mais!

As nossas “Governanças”?! Deixam muito a desejar em todo este processo. Tanto andam para a frente, como às arrecuas.

Malmequeres. Foto Original. 2021.05.16.jpg

Futebóis e Euro: 2020?! 2021!

Os futebóis?! Tanta “futebolice” haveria também de dar alguns “frutos” nestes campos das infeções. Tanta gente a circular por aí, por esse Portugal e Europa, só podia dar esta frutaria podre.

E a atitude das nossas “Governanças” relativamente à seleção?! Tanto salamaleque para quê?! Perderam?! Porque jogaram bem, com garra?! Acha?!

Se não visse nem acreditava: Ronaldo a dar pontapés na braçadeira de capitão! Ninguém lhe chama à atenção?! Dona Dolores, faça favor de puxar as orelhas ao seu “menino”. Se faz favor!

Papoilas. Foto Original. 2021.05.22.jpg

O atropelamento na A6

Senhor ou Senhor(es) Governante(s)

Fazei o “obséquio” de assumir as vossas obrigações. De esclarecer o assunto devidamente. Assumam as responsabilidades que vos cabem. (Sem favor. É um dever!)

*******       *******       *******

E essa figura sinistra, vestida de preto, urubu da cultura, vai ser julgada?! E presa?! Pecará por tardia tal detenção.

E os que o avalizaram nos milhões?!

Estamos, nós, pobres Portugueses, a pagar mensalmente comissões à Caixa, aos Bancos…

Comissões?! Outro nome lhes chamo eu!

*******       *******       *******       *******

A entrega de dados pessoais de manifestantes às embaixadas?! É algo que não se faz.

 

Foto Original. 2021.05.17.jpg

E dos fogos, a respetiva prevenção?! Também se esquece?! Bem, lá para os meus lados, na Serra, neste outono, inverno, primavera, têm trabalhado no assunto. Parabéns.

*******

Fotos?! Todas originais. Se as utilizar, cite a fonte, SFF.

Todas de plantas silvestres. Propositadamente, dos campos da minha Aldeia!

 

Euro 2020 ou Euro 2021?!

Futebol, futebóis…e outros arrebóis

Se calhar, uma série de disparates desconexos!

 

Malmequeres. Foto original. 2021.05.jpg

 

Começo por referir que pouco percebo de futebol.

Gosto de ver alguns jogos.

Gosto que Portugal ganhe e que jogue bem.

Também gosto do Benfica.

Gosto que as equipas portuguesas ganhem às estrangeiras.

Embora, atualmente, cada equipa portuguesa seja tão ou mais estrangeira que as ditas como tal. Enquanto nas da estranja podem jogar mais portugueses que nas nacionais. Enfim… Questões da globalização e do mercado dos futebóis.

Que o diga Ronaldo, Rei Naldo dos futebóis, na estranja, que só jogou em equipa portuguesa, no início de carreira. Mas que é imprescindível e motor de combustão na nossa seleção.

E, sim, sou fã de Ronaldo, e desejo que ele bata os recordes que puder, neste Euro. (2020? Ou 2021?)

E, até agora, ainda não vi nenhum dos jogos.

Comecei por embirrar com o aproveitamento de "politiquices" das nossas “governanças”. A deslocarem-se para aqui e para ali, para verem os jogos…ao vivo e a cores. A cores?!

Numa fase em que a Vida de tanta e tão boa gente, está no preto e no branco. E, sim, não apenas por causa da Covid, mas também por isso.

Por isso mesmo se exigiria um pouco mais de recato.

E, amanhã, também não sei se irei ver o jogo com a Bélgica.

Que não quero presenciar o mesmo que ocorreu com o Uruguai, em 2018, no Mundial na Rússia. Vai fazer três anos (30/06).

Bye, Bye, Uruguai”, poesia que escrevi, inspirado no universo futebolístico.

 

E, a propósito de Poesia, a SCALA, hoje, vai organizar a Tertúlia “Poesia à Solta”. Desejo tudo do melhor aos Tertulianos e Scalanos. Muita Saúde. Que a Poesia é sempre engrandecida!

 

Voltando aos futebóis… Euro 2020 ou 2021?!

Também não conto ir a Sevilha. Nem percebo, no contexto em que vivemos, que haja gente importante e bem pensante (!), que pense nisso.

Ir a Sevilha?!

Se for… não se esqueça, de levar castanholas. E trazer caramelos… (Isso era antigamente, e era de Badajoz!)

Também não entendo este modelo em diversos países. (Herança de Platini?! Ora bem…) Deambular de seleções, ademais com a Covid, outras jogando em casa… E público nos estádios… Bem sei que futebol sem público, nem é bem futebol! Mas, e a Covid?!

E também discordo que o “Reino Unido” nestas coisas de desporto esteja dividido. Unido para umas coisas, desunido para outras. Eu percebo. São resquícios ainda do “imperialismo britânico”.

E fico por aqui. Euro 2020 ou 2021?!

E que Portugal ganhe, claro.

(Foto: um campo pleno de bem-me-queres! Que a seleção nos proporcione um dia assim belo, como este campo de malmequeres. Ou bem-me-queres?!)

 

Cidade de Régio: Vistas de agrado e desagrado!

Da Serra, encosta a norte da Cidade, até ao Hospital, pela Avenida Pio XII.

Portalegre vista da Serra. Foto original. 2021. 05. jpg

O que acha desta imagem?

Uma vista da Cidade, a partir de encosta da Serra. O núcleo antigo, pontilhado pela Sé e pelo Castelo. Ao fundo, a campina alentejana. No enquadramento da foto, os sobreiros, árvores autóctones e os pinheirais, há séculos adaptados às nossas geografias. O céu pontilhado de nuvens. Na encosta descendente para a urbe, a vegetação herbácea, típica das nossas paisagens alentejanas. Em primeiríssimo plano, as boninas / “boninhas”, vulgo malmequeres, amarelos e brancos, a flor azul do soajo, falsas aveias e milhentas ervas que compõem os prados nesta época primaveril, inícios de Maio, à data da foto.

Um festival de cor, aguardando inspirado pintor!

E, por pintura, aprecie a foto seguinte.

Campo de boninas. Foto original. 2021. 05. jpg

Ainda as célebres boninas amarelas, compondo uma verdadeira tela impressionista. Na mesma vertente da Serra, mas no lado noroeste. Uma explosão dourada, descendo na direção do Boi D’Água.

Este é um dos aspetos que apreciamos na Cidade e que é um privilégio, que nem todas as localidades possuem. Percorrer a Serra, enquanto é Primavera, que vindo o Verão, o calor não convida tanto a passeios.

Enquanto é tempo, relaxa-se, faz-se exercício, observam-se paisagens lindas, a Natureza e a Cidade irmanadas. Manda-se o confinamento “às malvas”. (Que também se observam estas plantas, frise-se!)

Realizado o passeio pela Serra, descendo à Cidade, pela Avenida Pio XII, deparam-se-nos as imagens seguintes. Contrastantes com as anteriores.

Foto Original. 2021. 05. jpg

Tanto lixo!

Foto original. 2021. 05. jpg

Justificável?!

De modo algum!

Foto Original. 2021. 05. jpg

E se lhe disser que, no espaço para além do gradeamento, se situa o Hospital?!

Ainda mais chocado/a ficará, certamente.

E, se frisar que, nessa Avenida, nesse mesmo lado do passeio, existem dois conjuntos de contentores para lixos recicláveis e para lixo comum?!

Parece impossível, não acha?!

E quem serão os/as autores/as?! Talvez “artistas”, julgando-se supostamente produtores de alguma obra de “trash art”! Digo eu, sei lá!

Serão certamente transeuntes que por ali passam, provavelmente muitos dirigindo-se ou vindo dos serviços hospitalares, que por aí se acede ou provem das urgências. Pessoal indo ou vindo do centro comercial. Outros que me escapam, certamente.

Mas que não é bem feito, não é.

Mas esta situação é específica da Cidade?

De modo algum! É, infelizmente, por demais recorrente por este nosso País e pelo Mundo afora.

Cidade vista da Serra. Foto original. 2021. 05. jpg

Às vezes sinto que há quem não mereça a beleza de País que temos. Nem a riqueza do nosso querido Planeta Azul!

 

Festival Euro Visão 2021

Uma Visão oblíqua e “atrasada” sobre o assunto!

Rosa para França. Foto original. 2021. 05. .jpg

No passado sábado, 22 de Maio, realizou-se a 65ª edição deste festival.

Alguns aspetos me chamaram mais a atenção. Uns mais pelo lado positivo, outros pelo lado negativo.

 

Em primeiro lugar, realço a heterogeneidade da matriz eurovisiva. A base são países europeus, mas alarga-se a outros continentes, até à Austrália.

Essa variedade expressa-se nos artistas representantes dos mais diversos países, com pessoas de múltiplas condições étnicas e culturais, traduzindo essa idiossincrasia do mundo moderno, multicultural, multiétnico, por demais expresso na Europa, para o bem e para o mal, pólo de atração de gente de todo o Mundo.

 

Tanta gente, naquele contexto espacial e temporal, e sem máscaras, pelo menos a maior parte do tempo em que visualizámos. Toda a gente fora testada? Todos deram negativo? Já estavam todas e todos vacinados?

 

Este festival, já há vários anos, ultrapassa em muito e em variados aspetos a competição de canções. É cada vez mais todo um conjunto de execuções artísticas variadas, dança, bailado, mímica, artes performativas diversas, uma barulheira infernal tantas vezes, em que cada artista procura gritar mais que o anterior. Maioria das vezes, as canções perdem-se no meio de todo esse chamariz e engodo de execuções e apelos e atropelos das músicas e letras e respetivas melodias. (Para além de todos os negócios que o sustentam que, per si e à priori, não advirá daí mal ao mundo, diga-se.)

 

A modalidade de votação com base em júris nacionais e do público, via telefone, provoca alterações nas classificações, como se viu nesta vez. Em 2017, quando Portugal ganhou, houve até quase uma unanimidade nas duas modalidades. Saudades: “Amar pelos dois”!

 

A “canção” que ganhou?! Da canção propriamente dita não faço ideia. Toda aquela apresentação artística, uma mistura de iggy pop, david bowie, mick jagger, punk e hard rock e eu sei lá mais o quê de miscelânea representativa andrógina, deixou-me desinteressado da dita cuja.

Preferia que tivesse ganho a francesa, apesar da rapariga também se ter fartado de gritar “Voilá… voilá e mais voilá”!

Enfim… Gritarias e execuções televisivas só para apelar ao televoto compulsivo. Pois… mas não votei!

 

E a cantiga portuguesa deste ano?! A classificação mais justa era a que lhe foi atribuída pelos júris nacionais: sétimo lugar. Ficou em décimo segundo, após o televoto.

 

Peculiar, no mínimo, que países como Reino Unido, Alemanha, Espanha e Holanda tenham ficado nos últimos lugares, Reino Unido com zero votos! (Outros tempos...)

 

Notas Finais: estas competições entre países, noutros contextos também, o desporto por ex., apesar de alguns aspetos negativos que também têm, são milhões de vezes preferidas face às guerras e conflitos que os países travam entre si. Apelo à PAZ!

Digo eu, que não mando nada no assunto.

 

E só realça estes aspetos, dir-me-á, Caro/a Leitor/a.

Certamente há mais situações a destacar. Queira ter a amabilidade de as referir, Se Faz Favor! Obrigado!

 

(A foto: Uma rosa para França!)

E, por sugestão de "Silêncios", uma rosa também para a Suíça. Espero que gostem. 

Rosa para Suíça. Foto original. 2021. 05. jpg

Se Faz Favor, veja se consegue identificar algumas das plantas que enquadram a rosa e a roseira. Obrigado!

 

 

“Europa Social”, no Porto…

...Imigrantes explorados em Odemira!

Desabafos de Maio 2021

Rosas da minha Avó. Foto Original. 2021. 05. jpg

 

Logo agora que foi aprovada a designada “Europa Social”, no Porto e em início de Maio, mês de “Dia do Trabalhador”…

Pois, nem de propósito, a situação de escravidão, em que vivem trabalhadores das atividades nas estufas das agriculturas intensivas, ganhou foros de manchete nos meios de comunicação.

Era algo que se sabia, não é situação nova, não é específica do Alentejo, noutras regiões de Portugal existem casos semelhantes; em Espanha, França, Itália também proliferam casos idênticos. Por esse mundo afora…

Alguns desses trabalhadores migrantes, nas mãos de máfias organizadas, até serão levados de umas regiões para outras.

Nada justifica estas posições, a não ser a ganância de alguns, em detrimento de quem pouco ou nada tem.

A génese destes problemas até estará nos países de origem destes e doutros migrantes, dos que atravessam oceanos em fuga. Portugal já foi porto de origem de situações semelhantes, hoje é porto de destino.

Em todas elas a tónica dominante é a exploração desenfreada de pessoas, em modo de escravidão, sem o mínimo de condições que respeitem a dignidade humana.

O cinismo com que este assunto foi abordado em diversos contextos, a forma como foi tentado de resolver apressadamente, também não terá sido de louvar.

Todas as Pessoas têm direito a serem respeitadas, a sua condição de seres humanos valorizada, a uma remuneração digna, a condições de vida satisfatórias, para si e seus familiares.

Que resolvam a situação de modo que estes trabalhadores, vindos dos mais diversos locais do mundo, sejam considerados e valorizados pelo seu trabalho.

Que são eles que executam tarefas que portugueses não querem fazer.

Que permitem aos supermercados terem muitos dos produtos hortícolas que consumimos, nós e muita da Europa, “Social” ou não.

Que as Entidades, públicas e privadas, que tutelam os vários enquadramentos em que se processa o trabalho destes migrantes, sejam responsáveis. Que atuem! Que ajam!

(Toda a gente sabia, mas fingiam que não.)

Não fora a Covid e a “utilização” de um resort turístico, que tanta celeuma levantou, ademais já várias vezes falido, não sei onde vão buscar o dinheiro e ainda mais o que lhe fazem, não fora tudo isso e continuavam a assobiar e olhar para o lado.

Tratem de reconhecer a dignidade devida aos trabalhadores! Destes e dos milhares de portugueses também em trabalhos precários.

 

(Adenda: Os restos do foguetão chinês caíram lá para o Índico, não vieram cá para os lados de Portugal, e ainda bem. Já basta o Corona!)

Rosa da Avó Rosa. Foto original. 2021. 05. jpg

E as fotos originais? Maio, é mês das rosas! E fica o mote para próximo postal, que agora tenho um grande acervo de rosas.

 

 

 

Crónica Pós Pascal – Passeio: “Cabeço das Antenas”

Passeio Campestre - 2ª Feira de Páscoa - 5 de Abril

Boi D’Água – Miradouro – Cabeço do Mouro – Antenas – Boi D’Água!

Miradouro. Foto original. 2021. 01. jpg

Faz hoje oito dias foi 2ª Feira de Páscoa!

Ainda se lembra?! Tanta ocorrência nestes oito dias, que nem damos pelo tempo a passar.

E o que aconteceu de especial nesse dia 5 de Abril?

Pois, entre outros factos, iniciou-se a 2ª fase deste desconfinamento. Já nem damos por isso…

Mas acontecendo várias aberturas ao confinamento, a que estávamos sujeitos, uma que parece ser do agrado de muito boa e santa gente: A reabertura das esplanadas! E foi, e é, vê-las. Quem pode e gosta, não perde nem tempo nem espaço. O pessoal andava ansioso por se amesendar. Sequioso de umas cervejolas, sedento de saborear um cafezinho, uma bica ou um cimbalino, que é tudo o mesmo, dependendo do lugar. Desejoso de umas conversas com amigalhaços, de trocar dedos de prosa com conhecidos e familiares, afastados há tempos. Bem, elas aí estão. Abertas! Mas, acautelemo-nos, que o Corona anda por aí.

 

Nesse dia, melhor, no início da tarde, resolvemos fazer um passeio, uma caminhada que tinha de ser feita antes do Verão. (Explicarei porquê.) E, neste início de Primavera, o tempo estava mesmo bom!

 Sinal de Percurso. Foto original. 2021. 01. jpg

Seguindo na direção do Boi D’Água, percorrendo parte do trilho pedestre da “Fonte dos Amores” e do “Salão Frio”, subimos diretos ao Miradouro, por um “caminho de cabras”, usado também pelo pessoal dos BTT, que poderão, eventualmente, ser um perigo nestas situações.

Atingido facilmente o Miradouro, aonde pontificavam vários "mirantes", serão assim nomeados os sujeitos que, nos miradouros, miram a paisagem?! Os sobreiros estavam limpos, alguns cortados, não sei sob que critério…

Seguimos pela Estrada da Serra, diretos à Quinta da Saúde, ao Centro Vicentino da Serra. Aí chegados, cortámos na direção do Cabeço do Mouro, deixando, mais uma vez, o trilho pedestre assinalado.

 

Pois… tem toda a razão, Caro/a Leitor/a, ainda não disse em que localidade se processou esta caminhada.

Sim… é na Cidade de Régio, como facilmente pensou. Em Portalegre, Cidade…

 

O Cabeço do Mouro é uma pequena povoação, bem localizada na Serra, com vista privilegiada para a Cidade, para Marvão, para São Mamede, num espaço territorial planáltico, de boas terras e suponho de melhores águas.

 

Daí, chegámos ao “Cabeço das antenas”, que dominam todo o espaço territorial, vários quilómetros em redor. O nosso objetivo. E o consequente: descer essa encosta da Serra, relativamente íngreme, mais uma vez por caminhos de cabras e de BTTs, e chegar ao Boi D’Água, de onde havíamos iniciado. Fizemos não uma tapada, como diria meu saudoso Pai, mas um tapadão!

O caminho serpenteia em esses, pela encosta. Os terrenos, uns matagais. Árvores autóctones: sobreiros, azinheiras; arbustos com porte arbóreo, caso dos medronheiros; imensas giestas amarelas, floridíssimas, de cheiro acre característico; estevinhas brancas, estevas ou xaras; eu sei lá de vegetação herbácea, que a maioria não sei nome. Imensos, até por demais, pinheiros: bravos e mansos. A precisarem de um desbaste, corte radical, que, tantos milhares como são e no local onde estão, se tornam num perigo para todas as localidades, povoados e habitações próximas.

E esta é a principal razão, porque não queria efetuar esse passeio no Verão! Porque é um perigo!

A quem de direito: Urge mandá-los cortar, desbastar! Tanto pinheiral… O respetivo corte não renderá uma boa pipa de massa para os donos?!

 

Pinheiros bravos. Foto original. 2021.01.jpg

 

E para quando criar, por esse País afora, centrais de produção de energia ou outras unidades industriais, que utilizem toda a biomassa obtida com a limpeza de terrenos, matas e matagais?!

 

(Será conveniente re-industrializar o País, respeitando o Ambiente. Difícil?!)

Adiante…

 

Quis escrever sobre um passeio pedestre, acessível a muito boa e santa gente, como alternativa ao amesendar nas esplanadas. Sem ofensa ou algo contra. Mas temos paisagens tão bonitas em redor das nossa Localidades, pelo País fora.

Aventure-se! Atreva-se!

(As fotos, originais, são de alguns dos locais referidos, mas não do dia a que me refiro. Quando puder, elaborarei postal com fotos específicas.

Se as utilizar, noutro contexto, faça favor de citar a origem!)

 

Óbidos: Vila Medieval

Uma visita para depois de Covid?

Castelo. Óbidos. Foto original. 2019. 04. jpg

Este postal, inspirado pelo anterior, retrata alguns aspetos da bonita vila de Óbidos.

Situada na Estremadura, no distrito de Leiria, a menos de cem quilómetros de Lisboa - Portugal. (Tem cidade homónima  no País Irmão, também bem interessante.)

Campos de Óbidos. Foto original. 2019. 04. pg

Uma visita agradável, aliás, a Vila é (era?) visitadíssima.

Agora, com isto da Covid, não sei.

As fotos ilustrativas resultam de um passeio que realizámos em Abril de 2019. A léguas desta confusão dos confinamentos.

A primeira imagem é do castelo. A segunda, dos campos e povoados circundantes.

Igreja Stª Maria. Óbidos. Foto original. 2019. 04.jpg

A foto anterior é da Igreja de Santa Maria, o respetivo Largo e imagem de malvas sardinhas ou sardinheiras.

Casario, telhados. Óbidos. Foto original. 2019. 04. jpg

O casario, os telhados e uma nesga da rua principal. Durante o dia esta artéria da povoação é um corrupio de gente, para lá e para cá, mas que, ao sol posto, desanda para as camionetas que os deixaram fora de portas e os levam certamente para a capital. Gente de toda a raça, credo, cor e nação. Pondo-se o sol, pára o movimento e a vila fica como que dormente até próximo raiar do dia.

Recordações. Óbidos. Foto original. 2019. 04. jpg

O negócio da localidade funciona muito para “turistame”: ginjas, chocolate, bolos, recordações… Mas o pessoal vai e vem, tanto a correr… que não sei se compra muito (nem pouco).

 

Mas também tem outros interesses. Visitámos duas livrarias bem peculiares.

Uma instalada numa antiga igreja católica dessacralizada. Aí comprei o livro “Fado” de José Régio. No respetivo coro, trabalha a “Poeta Rendeira”. Executando os seus trabalhos em renda e a sua Poesia.

Outra livraria situa-se num antigo armazém, onde, para além de livros, também se vendem artigos diversos, nomeadamente hortícolas. As estantes dos livros são constituídas a partir de paletes dos produtos, conforme a imagem seguinte documenta.

Óbidos. Livraria. Foto original. 2019. 04. jpg

Quando tiver oportunidade, a Covid deixar, o confinamento acabar… visite, SFF.

(Em anos transatos, nestas alturas da Páscoa, eram enchentes… Agora, será tudo mais leve.)

Óbidos. Glicínia. Foto original. 2019. 04. jpg

A última imagem é da glicínia ilustrativa do anterior postal. Mais em pormenor, observando a ancestralidade do tronco, os cachos de flores e as folhas ainda algo incipientes.

O-milagre-das-rosas I

O -milagre-das-rosas-II

O-milagre-das-rosas-III-epilogo

Outros Passeios por Castelos!

Adiafa de Poesia – 1986 (II)

Sala Experimental do Teatro D. Maria II – Lisboa - Portugal

«O momento mais divertido…

Vitor Perdigão (à esquerda) e Zé Manel protagonizaram o momento talvez mais divertido desta primeira série de sessões da adiafa. Enquanto Zé Manel se fez eco das preocupações do homem que busca um sentido para a vida, Vitor Perdigão assumiu uma visão mais superficial da existência. O confronto de opiniões deu origem a algumas respostas curiosas, revelando, sobretudo no seixalense, um feliz repentista. O frente-a-frente ocorreu na sexta-feira.»

In. Diário de Notícias, de 23/12/1986. Transcrição de parte da notícia sobre o acontecimento, citando Manuel Dias, Jornalista do referido Diário matutino e autor da reportagem.

(Este “momento mais divertido” terá sido assim como que uma espécie de dueto entre palhaço pobre e palhaço rico, digo eu, que não estive de fora para observar.

Zé Manel”, um dos personagens desse dueto, era o pseudónimo que usava, à data, e sob cuja identidade publiquei alguns textos no DN Jovem, nesses meados da década de oitenta do século XX.)

Este texto do “momento mais divertido” é a legenda de uma foto do Jornal, em que no centro da fotografia está uma mesa com folhas A4, com vários poemas escritos. À direita da foto está “Zé Manel” e à esquerda estão João d’Ávila, o “condutor / promotor” das sessões e Vitor Perdigão, o outro interveniente do “confronto de opiniões”.

 

Pisa Poemas SCALA. Foto Original. 20190921.jpg

(Agora e olhando para a foto do Jornal e para os poemas na mesa e lembrando-me dos trabalhos poéticos que produzi, a partir dessa segunda metade de oitenta, e que continuei mais tarde, faltariam sobre as folhas com os poemas alguns dos que estruturei no enquadramento da Poesia Visual. Os designados “Pisa Poemas”. Fotos que ilustram o postal. Alguns destes trabalhos figuraram em exposições que realizei em 2018, na sede da APP e em 2019, na sede da SCALA.)

Pisa Poemas SCALA. Foto Original. 20190921.jpg

 

Interessante a ideia que o jornalista recolheu sobre a minha perspetiva face à Poesia.

“…Zé Manel se fez eco das preocupações do homem que busca um sentido para a vida…”

De facto, nessa época, muita da poesia que escrevia enquadrava-se nessa preocupação/perspetiva, nesse modo de encarar a realidade e a construção poética.

Muitos dos meus poemas, dessa data e alguns publicados no blogue, vão de encontro a esse foco existencial.

Atualmente, embora focado nesse desiderato, o olhar o Outro, a realidade que me cerca, nomeadamente a social, é um dos objetivos, uma das temáticas dos textos poéticos e de prosa que escrevo.

(Os nossos focos sobre a realidade vão mudando…)

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D