Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Post 500º - POESIA!

Lírio - Original DAPL 20160124.jpg

Este é o Post Nº 500.

Poderia fazer um balanço do blogue, mas é algo que já fiz noutras situações.

 

Este ano propus-me divulgar, mais ainda, a Poesia.

Por isso, neste quinto-centésimo post, aproveito para dar a conhecer a Agenda da APP – Associação Portuguesa de Poetas, de Março, como tenho feito ao longo destes anos de blogue.

 

AGENDA EVENTOS Março 2017.jpg

 

Não esqueci a divulgação da Poesia da XX Antologia!

 

*******

Anexo dois links, para blogues que subscrevo e sigo sempre com atenção, que nos trazem sempre lindas Poesias, ilustradas por sugestivas e belíssimas imagens:

poetaporkedeusker

rumoaonossosul.

 

E também solpaz, que nos brinda sempre com belos poemas declamados por sócio da APP.

 

*******

E também para Poetas e Poetisas, sócios do CNAP, que também aqui tenho apresentado. 

E de "Momentos de Poesia"!

Pena tenho que ainda não tenha conseguido organizar-me com um tema sobre "Mensageiro da Poesia"!

 

*******

Deixo igualmente ligações para posts em que divulguei Poetas Consagrados:

 

António Gedeão

 

Jorge de Sena

 

José Régio

 

Luís Vaz de Camões

 

E para a Poetisa Florbela Espanca.

 

Penso ir continuando com outros Poetas e Poetisas, à medida que for tendo oportunidade.

 

*******

 

E gostaria de deixar neste Post também dois Poemas de um Poeta e uma Poetisa, que tiveram muita relevância na Associação Portuguesa de Poetas.

Mas ainda tenho que fazer pesquisa documental sobre o assunto.

 

*******

E sobre o 500º Post, e, por agora, é tudo!

Se for clicando pode navegar pelo Blogue e pela Poesia! Acredite, que não se arrependerá!

 

A foto ilustrativa é de D.A.P.L. – 2016.

XIII Antologia de Poesia do CNAP – Poema: “Dois Dias”

Círculo Nacional D’Arte e Poesia

 

Antologia

 

E, no Post nº 304, lançamos on line o Poema “Dois Dias”, de Carlos Chagas Ramos, de Luanda.

E o que é a Vida?! Apenas dois dias...

 

 

“Dois Dias”

 

“A vida são dois dias!

No primeiro nascemos

No segundo morremos

Entre os dois erguias

O destino que queremos

Ou nos deixam pelo menos.

 

Agarramos a vida

Com unhas e dentes

Na oportunidade perdida

Ganhamos o desgosto que sentes.

 

São tantas as voltas que dás

E acabamos sempre no mesmo

São dois dias que assaz

Acabam sempre em abismo.

 

Há quem tenha fé

Na ilusão de felicidade

Mas a caminhada a pé

Não nos retira a idade.

 

Assim temos por destino

Dois caminhos predestinados

Um nascimento divino

E uns finais indesejados.”

 

Carlos Chagas Ramos, Luanda.

 

 

 

De Chagas Ramos, ficaria muito apelativo, como ilustração, um desenho do próprio. Que desenha muito bem! Não tendo eu nada disponível, terei que me socorrer de alguma imagem da net. (...)

 

"A Ponte...entre cá e lá!" Foto original de DAPL 2015.jpg

 

Mas não!

Lembrei-me de uma foto de D.A.P.L. Uma ponte, que é um caminho e uma metáfora da Vida, entre cá...e lá! E um corrimão sempre aberto... ao Destino.

"... Assim temos por destino/Dois caminhos predestinados..."

XIII Antologia de Poesia do CNAP – Poema: “Pinhão”

Círculo Nacional D’Arte e Poesia

 

Antologia

 

 

Hoje, neste Post Nº 303, divulgamos o Poema “Pinhão”, de Carvalho Marques, de Santarém.

 

 “Pinhão”

 

“Arreganhando os dentes

Cachopas e rapazolas

Salpicam os morros

Que encurralam

As águas

Do rio Douro

 

Eles podam vimes

Eles sacham vinhas

Eles sulfatam bagos

 

As uvas

São o seu ouro

O seu tesouro

 

Tesouro

Douro...”

 

Carvalho Marques, Santarém

 

Vindimadeira In Andarilho de Andanhos.jpeg

 

Ilustramos com uma foto original, cortesia de “Tâmara Júnior”, in blogue: “Andarilho de Andanhos”. Imagem de uma vindimadeira, em azulejo, de J. Oliveira, na estação ferroviária do Pinhão. Numa linha de caminho de ferro que é um Monumento!

 

 

 

XIII Antologia de Poesia do CNAP

Círculo Nacional D’Arte e Poesia

 

Antologia

 

Neste Post Nº 294, dando seguimento à divulgação de Poemas da Antologia, deveria publicar um dos meus Poemas.

 

Estando eles já publicados no Blogue, respetivamente:

 

Sussurra-me ao ouvido”, no Post Nº 250, juntamente com a Ficha Técnica, a 13/12/2015.

 

Cacela Velha”, no Post Nº 251, a 15/12/2015.

 

Pelo que, se quiser ter a amabilidade de os consultar, remeto para os links seguintes:

Aqui! E Aqui! (S.F.F.)

 

Ilustro com uma foto, também original de D.A.P.L., de Cacela Velha, com placa indicativa do nome de rua atribuída à Poetisa Sophia de Mello Breyner.

Cacela Velha Foto original de DAPL 2014.jpg

 

Nesta localidade, Cacela, também nasceu um Poeta, na época muçulmana, de cujo nome não me lembro, mas de que também há referência na localidade.

Um lugar mágico e inspirador!

 

E este post segue na sequência do que foi dedicado, ontem, ao Romance, “O Príncipe com Orelhas de Burro” de José Régio, Poeta que muito aprecio. Talvez, noutro dia, a ele volte novamente. Quem sabe?!

 

 

XIII Antologia de Poesia do CNAP – Poema: “Homenagem aos Idosos"

Círculo Nacional D’Arte e Poesia

 

Antologia

 

Depois de um interregno na divulgação de Poemas da Antologia, regressamos, no cumprimento do objetivo que nos propusemos. Divulgar um Poema de cada um dos Antologiados.

Neste Post Nº 291, damos a conhecer no blogue, “Homenagem aos Idosos”, de Joaquina da Conceição Martins Semedo, de Urra, Portalegre.

 

“Homenagem aos Idosos”

 

"Ser idoso é ter coragem

Para a realidade enfrentar

Eu lhe mando minha mensagem

Não se esquecem de rezar.

 

Não esqueçam a oração

Que nos ajuda a viver

Para na mesa haver pão

Temos que a Deus agradecer.

 

Ninguém esqueça o valor

Da arma de São José

A dor é o grande amor

A oração e a fé.

 

Que o amor seja igual

Eu peço na minha oração

Não seja só no Natal

Mas sim em toda a junção.

 

Que haja uma luz divinal

Que haja mais compreensão

Que em todo o mundo em geral

Que nunca faltasse o pão.

 

Em letras venho mandar

Numa linda florinha

Para todos saudar

Seja idoso ou idosinha.

 

Para todo o idosinho

Que se fartou com trabalhar

Mando-lhe um beijo em pergaminho

Para todos homenagear."

 

 

Joaquina da Conceição Martins Semedo, Urra (Portalegre)

 

E ilustra-se o Poema, com uma imagem com que também já ilustrei uma Quadra sobre o Natal!

 

estrelas-brilhantes (www.MuitasImagens.com).jpg

 

“Que haja uma luz divinal”

 

 

“A Família Krupp” (Reposição) - Teil III - Parte II

Série Alemã na RTP 2 

Episódio III

Parte II

 

Destino Final?

 

Alfried 1945 in skulbach.de.jpg

A estruturação narrativa dos episódios desta série centra-se, temporalmente, em 1957, o tempo presente.

A ação decorre em Essen, na Villa Huguell, onde Bertha Krupp convalesce, de um AVC (?), na sequência de discussão com o filho Alfried, novamente por causa da possível sucessão na Firma, neste caso face ao neto, filho de Alfried e Anneliese, Arndt de nome.

Também em Essen, mas na casa de Alfried, este e o irmão Harald também fazem o respetivo balanço das suas vidas. Do passado e do futuro. Lembrando Harald o sofrimento do irmão, por ter desistido de Anneliese.

 

Enquanto convalesce, Berha aguarda que o filho primogénito, Alfried, a venha visitar e pedir perdão, ignora Harald, que não é Krupp, e vai desfiando as suas memórias, em conversa com a criada de quarto.

 

Através da sua peculiar visão do mundo, ficámos a conhecer episódios da sua vida pessoal e familiar, entrosados na História da sua Pátria, a Alemanha e da sua Mátria, a Empresa Krupp, de que ela era a herdeira universal e que ela considerava, de algum modo, também a sua Família, estruturando este conceito de forma alargada a todos os trabalhadores da Empresa: os Kruppianos. 

Faz essa análise e retrospetiva, de certa forma, distanciada no tempo, mas também com uma certa distância quase autista, como se os acontecimentos em que a sua Família esteve diretamente envolvida, foi participante ativa, teve um papel decisivo, fossem isentos de juízos de valor. Estivessem para além da realidade Ética, do Bem e do Mal.

Alguma vez se observa nesta mulher um olhar crítico, reprovador ou de arrependimento face aos atos e barbaridades a que a sua ação, enquanto dona da Firma Krupp, a possa ter levado direta ou indiretamente?!

Seja no plano da sua família nuclear, a relação com o filho primogénito; quer avaliando as consequências dos seus atos face à sua Pátria e ao Mundo, na sequência das trágicas duas Guerras Mundiais, em que as empresas Krupp tiveram um papel decisivo no fornecimento de armas. Ao regime nazi, na Segunda e aos vários beligerantes da Primeira, mesmo que estivessem em lados opostos das trincheiras.

 

É algo que me impressiona, questão que já levantei num post, é se estas Personagens que têm um papel crucial nas Guerras, as atuais também, se estas pessoas que produzem, financiam, fornecem as armas, alimentando as Guerras, não se interrogam sobre este seu papel tão cruel e destruidor da Humanidade!

 

E parafraseando as produções da Krupp, fabricar tanques de guerra ou tratores agrícolas será a mesma coisa?! Produzir eletrodomésticos ou bombas terá o mesmo efeito?!

 

E aqui faço um intervalo musical, imaginando, e lembrando como o som vai acompanhando a narrativa, seja com um solo de piano, uma orquestra melodiosa ou quando o realizador nos quer alertar para a carnificina das guerras, em que se ouvem os corvos a grasnar.

A Música, repito, tem um papel fundamental na condução da narrativa!

 

O realizador é também o narrador, melhor, o narrador principal, porque mesmo colocando a narração centrada em Bertha e Alfried, é ele, com o argumentista, que conduzem a narrativa pelas vias que pretendem. E, já frisei. Acho que ele(s) deram um determinado rumo à História, não relevando ou omitindo aspetos parcelares.

 

Por ex. a questão dos “Crimes de Guerra”. Esta questão é aflorada pela voz de Harald, considerando-se injustiçado por ter pago doze anos de prisão na União Soviética, por ser um Krupp, quando a própria mãe não o reconhece como tal!

Mas é alguma coisa mencionada relativamente a Alfried e ao pai Gustav, neste também no respeitante à 1ª Grande Guerra?!

E, relativamente a Bertha, esteve ela acima e para além de todas essas coisas?!

 

A ação de Bertha centra-se principalmente na continuidade sucessória da Firma, encaminhando Alfried para a assunção destas funções. Tanto mais que o pai, Gustav, ia ficando mais velho e doente.

E, nos finais de trinta e princípios de quarenta, era essa a primordial preocupação de ambos os progenitores.

 

A relação com o Poder Político é sempre um dos leit-motiv do enredo. Esta Família esteve sempre umbilicalmente ligada ao Poder. Ao Político, nomeadamente. Nesses conturbados anos, encabeçando Hitler esse Poder, esse relacionamento nem sempre foi linear.

As visitas dos poderosos à Villa Huguell eram uma das formas de se criarem ou estreitarem esses laços de interdependência.

Com o Kaiser Guilherme II essas visitas eram frequentes, tendo este até um quarto específico na Villa. O Quarto do Kaiser! Que era um local de refúgio para Alfried!

 

Hitler não tinha esse privilégio, evidentemente. Não tinha condição Real.

Na 1ª visita, em 1937, Bertha nem se dignou recebê-lo e aos seus apaniguados.

“Não vou receber esses campónios! Diz que estou com uma enxaqueca.” Recomendou ao marido, Gustav. E ficou a espreitá-los e ouvi-los nos corredores.

 

Mas em 1938 já foi diferente.

Entretanto Alfried assumira a direção produtiva do armamento nas fábricas e, na frente ocidental, as tropas alemãs posicionavam-se perto das fronteiras.

Nesse ano houve nova receção ao Fuhrer.

Aí, já Bertha esteve presente.

Quem não teve direito a participar foi a nora Anneliese. Que, coitada, até chorou e se embebedou! Valia a pena!...

Mas aqueles ainda eram os anos dourados pré guerra, em que os alemães, na sua maioria, efabulavam Hitler e o seu poderio.

Mas também foi narrado que Fritz Thyssen havia sido enviado para um campo de concentração, na sequência de carta contestatária enviada ao Ditador.

Que, em contrapartida, ofereceu o emblema dourado do partido, a Gustav, envaidecendo Bertha!

Pelos vistos já não seria campónio...

 

E na estrutura narrativa, a distância entre o tempo presente, 1957, e as lembranças do passado vão-se aproximando.

Anos quarenta. A guerra no auge. Os irmãos, Harald e Eckbert, nela participantes. O último aí morreria. Carl morrera antes, num voo de treino.

1943, ano crucial no desenvolvimento da guerra.

Da Villa Huguell, Bertha avistava os sinais dos bombardeamentos, ao longe. Aviões sobrevoavam os céus.

Alfried, finalmente, assume a direção completa da Firma, que, por decisão de Hitler, passara a ser sua propriedade.

E foi no correspondente conselho de administração que, até Bertha fez a celebérrima saudação verbal e com o braço estendido.

Mas, foi também nesse ano que a Gestapo prendeu os tios Tilo e Bárbara!

 

1945: As fábricas destruídas; Alfried deambulando entre os escombros; o conselho avisado de um funcionário kruppiano, para fugir... as jovens judias aparecendo e escapulindo-se novamente para as ruínas... os aviões aliados sobrevoando os ares... e, na música, os corvos grasnando.

 

E o tempo narrativo salta novamente para 1957. Conversa ou debate entre irmãos, Harald e Alfried, que acentua: “Sou um Krupp. Foi para isso que me preparei desde criança!”

Como se fora um Rei, preparado pela Rainha – Mãe, Bertha Krupp, direi eu.

 

E o tempo retorna novamente a 1945, em que Alfried, assumindo essa condição de Krupp, na Villa Huguell, pelos vistos poupada aos bombardeamentos, dá uma última volta pelos salões austeros e, impecavelmente trajado, desce a escadaria para ser levado num jipe aliado, li que das tropas canadenses, para ser preso.

 

E, em termos de imagens, assim termina este episódio, não sem que a Música, extraordinária e maravilhosamente, nos embale na leitura do genérico.

 Episódio III - Parte I

 

E a minha dúvida se haverá ou não outro episódio, reside precisamente se na estrutura narrativa há ou não essa junção dos tempos narrados.

Se esse hiato, entre 1945 e 1957, vai ou não ser-nos contado em termos de acontecimentos destes personagens. Ou se fica em aberto...

Não sei, pois que na 1ª apresentação da série não tive oportunidade de ver e no próximo domingo haverá eleições.

Aguardemos!

E, Obrigado por ter lido esta narração, um pouco enviesada, da narrativa original.

Volte sempre, S.F.F.

Nota Final / Musical: A Música, com um papel tão relevante na construção narrativa, é de Christian Brandauer.

 

 

Adivinha II

Conveniências… Ou Impertinências?!

 

Após dois posts a formular perguntas ou questões, não sei se pertinentes, se impertinentes, se ingénuas, se inconvenientes, lanço mais uma “Adivinha”, ou charada, chamemos-lhe o que acharmos mais conveniente… Ou impertinente!

Uma vez que nestes últimos posts nos temos dedicado a questionar, continuamos neste, na mesma onda de fazer perguntas.

Reformulo e repito. Não sei se estas são pertinentes, se inconvenientes, quiçá ingénuas, talvez insólitas.

Vejamos…

 

Limão Foto original de DAPL 2015.jpg

 

 

Perante esta estranha criatura, ocorre-me perguntar, o que será.

 

- Um protótipo para um novo modelo de telemóvel, de cariz orgânico?

 

- Um alienígena proveniente do espaço sideral?

 

- Um ovni acabado de pousar numa pista de aterragem terrestre?

 

- Algum sujeito que anda por aí perdido à procura de protagonismo na comunicação social?

 

- Um fenómeno do Entroncamento?

 

- Uma pomba disfarçada de molusco?

 

- Uma granada de mão, de caráter ecológico?

 

- Alguém interessado em participar no próximo espetáculo da realidade?

 

- Um disfarçado de Carnaval?

 

- Um novo modelo de bola para um novo tipo de jogo?

 

- (…)

 

- O que será?!

 

- (…)

 

Sugira-nos a sua ideia, como se fosse uma "tempestade mental"! S.F.F.

 

- Realce-se que a foto é um original de D.A.P.L., 2015.

 

 

 

XIII Antologia de Poesia do CNAP – Poema: “Idílios Amorosos”

Círculo Nacional D’Arte e Poesia

 

Antologia

 

Neste Post Nº 282, publicamos online o Poema “Idílios Amorosos”, de José Eliseu, de Mexilhoeira Grande – Algarve.

 

“Idílios Amorosos”

 

“O teu sorriso

tão puro e doce

lembrava-me sabores de guloseima.

Favos de mel

ou girassóis

abrindo em madrugadas

de estios abafados

enquanto ao longe

o rouxinol chilreava

a um sol preguiçoso…

 

Como é bom sentir

o teu doce calor de Primavera

como rosas ou rosmaninhos

a desabrochar…

Como é bom sonhar

os nossos idílios amorosos

enquanto a lua se esconde

entre nuvens cobreadas…

 

Sonhei contigo

num campo de cerejeiras bravas

entre odores inebriantes…

 

Quando acordei

rebolávamo-nos

em trigais enrubescidos

de papoilas

soltas ao vento…”

 

 

José Eliseu, Mexilhoeira Grande – Algarve

 

Ilustramos esta Poesia com  “… doce calor de Primavera/como rosas…”

 

"Rosas..." Foto original de DAPL 2014 .jpg

 

José Eliseu também desenha muito bem. No exemplar da Antologia que guardo autografado pelos confrades, de quem já tive a possibilidade de obter autógrafo, José Eliseu teve a amabilidade de me ilustrar o seu trabalho poético com um bonito e peculiar desenho, que executou de forma rápida e espontânea, deste modo valorizando ainda mais o poema e o livro.

Se, eventualmente, um dia, tiver a possibilidade de criar um desenho para este poema, terei muito gosto em divulgá-lo.

 

A foto é um original de D.A.P.L., 2014.

Leia, também, se faz favor!

XIII Antologia de Poesia do CNAP – “Poema (incompleto)… do Amor”

Círculo Nacional D’Arte e Poesia

 

Antologia

 

Ponto Prévio: Interrompemos a divulgação de Poesia da “Nossa” Antologia, para abordarmos um “tema quente”, que nos diz respeito a Todos, enquanto Cidadãos, embora possamos ter opiniões diversas, mas com Direito a expô-las, que é por isso que vivemos em Democracia. E também porque a “internet”, permite-nos precisamente usar essa Liberdade de Expressão de forma universal, procurando sempre respeitar a Liberdade dos Outros.

 

Mas, hoje, neste Post Nº 278, divulgamos, novamente, Poesia.

 

Damos a conhecer, ao Mundo de Internautas, o Poema intitulado: “Poema (incompleto)… do Amor”, de José Narciso, de Trafaria.

 

 

Poema (incompleto)… do Amor

 

O Amor… é um doce condão

…é um olhar que brilha

Na diferença da rotina

… é um cheiro inesquecível

De uma mensagem divina

É um sonho vivo

Eterno enquanto dura

O Amor é… música de embalar

Numa prenda de natal

É a entrega dos corpos

No dar as mãos ao ventre

É um coração aconchegado

No crescimento por dentro

O Amor é… Um solidário beijo

Na palavra de um poeta

É sensualidade e ternura

Sentimento e loucura

O Amor é… a lágrima da felicidade

Como o sol que nos ilumina

O Amor… É a lua que cura a ferida

No caminho para o Amor…

 

Jnarciso

 

O AMOR É UMA CAUSA MAIOR!!

 

MANDELA, UM EXEMPLO DE AMOR A UMA CAUSA…!!

 

 

José Narciso, Trafaria

 

Os Poemas deste antologiado estão ambos ilustrados com sugestivos e originais desenhos do próprio. Não me sendo possível digitalizá-los, apresento uma reprodução de um Cartão de A. P. B. P.., de “…prenda de natal…”.

Pai Natal. Cartão de natal de A.P.B.P. Caldas da Rainha jpg

 

Caso o Autor me venha a disponibilizar um original, em suporte digital, terei muito gosto em divulgá-lo neste blogue “aquem-tejo...

 

 

 

XIII Antologia de Poesia do CNAP – Poema: “A Reforma”

Círculo Nacional D’Arte e Poesia

 

Antologia

 

Neste Post nº 276, remetemo-nos novamente para a divulgação de Poesias da 13ª Antologia, 2015.

Neste caso, divulgamos a Poesia “A Reforma”, de José da Silva Máximo, de Ponte Velha, Marvão.

No procedimento até aqui seguido, não referimos a idade de nenhum dos antologiados, mesmo quando a data de nascimento estava explicitada.

No respeitante a este Poeta, tomo a liberdade de contrariar esse procedimento, mencionando que nasceu em 1925. Será certamente o decano dos vinte e nove antologiados, pois tem a venerável idade de noventa anos!

 

“A Reforma”

 

“Mote:

 

A vida dum reformado

Se não há ocupação…

É meio caminho andado

Na rota da solidão.

 

Nunca mais chega até mim…

Dizemos com ironia

No trabalho dia-a-dia

Em constante frenesim

Aliviando-se assim

O desespero tomado,

Ao ver um aposentado

Invejando essa pessoa,

Julgando ser coisa boa

A vida dum reformado.

 

Só quando nos reformamos

Temos tempo p’ra pensar…

Vemos os anos passar

Para mais novos não vamos!

P’rà velhice caminhamos

Sem lhe podermos ter mão,

Há também a perceção

Que o descanso é merecido

Mas é tão aborrecido

Se não há ocupação…

 

A quem pode e nada faz

Lhe chamamos preguiçoso,

Ou então de ocioso

Rotulado de incapaz!

É consequência que traz

De um ou doutro ser chamado…

Bom é não estar parado

Se é que ainda vigor tem,

Que isso é rumar p´ro além,

É meio caminho andado.

 

Eu já sei avaliar

Tudo quanto escrevo e digo;

Se outra coisa não consigo

Vou teimando em versejar…

Procurando improvisar

Sem ter jeito, mas então…

Cá vou indo em contramão

Movendo as pernas e os braços,

Caminhando a largos passos

Na rota da solidão.”

 

 

José da Silva Máximo, Ponte Velha (Marvão)

 

 

A sugestiva fotografia, também original de D.A.P.L. e de 2015, que acompanha este post, remete-nos para a temática desta Poesia e para uma forma de não entrar “…Na rota da solidão”.

 

 

" Jardim de D. Vanda" Foto original de DAPL 2015.jpg

 

Para se entender melhor, deverá consultar: Aqui!

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D