Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Arte Efémera (I)

“Instalação Artística” ao Ar Livre!

Arte Efémera I Quintal de Cima Foto Original Out 22

Caro/a Leitor/a, ficará intrigado/a com este mostruário. Ademais com o atrevimento, certamente.

Ou curioso/a! Quererá saber onde poderá observar tal “ousadia ou picardia estética”!

Questionará. Serralves?! Centro de Arte Moderna?! …?! Noutro local ainda mais emblemático?!

Pois, lamento desiludi-lo/a, mas esta “Obra… talvez de Arte?!” encontra-se bem longe desses Grandes Centros de divulgação da Arte Moderna! E estará apenas muito brevemente em exposição. Por isso efémera.

Já tenho apresentado no blogue “Mostras de Arte”, resultantes de intervenção humana num contexto natural. As que mostrei resultaram de ações aleatórias. Esta também.

De que terá resultado?! (...)

Uma ação provocatória?! Iconoclasta?!

Arte Efémera I Quintal de Cima Foto Original Out 22

A roseira será o item que mais se queixará do atrevimento. Uma roseira que nos dá rosas tão lindas, por várias vezes figurando nos blogues, ser assim destratada.

Mas não será também o que muitas vezes acontece com os museus e certas obras que neles são apresentadas?!

Bem, deixemo-nos de especulações…

Onde está exposta?!

Pois, no meu “Quintal de Cima”! (Um dos poisos dos gatos. Hei-de escrever sobre os ditos.)

Saúde, paz e boa disposição. E boas visitas aos museus.

 

Despedidas do Verão?!

Açucenas ou Despedidas de Verão?!

Despedidas de Verão. Fonte do Salto. Foto Original.

Nós, melhor, eu gostaria de me despedir do Verão. O Verão é que não se quer despedir. Teima em prosseguir com este calor e eu, contrariado, terei de voltar a regar. Na realidade não me apetece muito. Preferia tempo mais fresco, mais outonal, com alguma chuva. E a Natureza, toda ela, precisa de chuva. De muita chuva, diga-se.

Bem, este postal serve para testemunhar a beleza destas lindas açucenas. Há quem assim lhes chame. Inclusive, numa povoação da Madeira, julgo que Campanário, fazem uma romaria, em que estas flores, designadas de açucenas, têm honras de altar.

Eu conheço-as por “Despedidas de Verão”. Só que o dito não se quer mesmo despedir. Fiquemos pelas açucenas.

Estas não estão no meu quintal. Estão perto da Fonte do Salto, num antigo hortejo, ou “canchoço”, mesmo junto à Ribeira. A pequeníssima propriedade, em ambas as margens da Ribeira, a montante da ponte, era pertença da Ti Raposinha. (Nome peculiar, Aquiliniano! Não sei se próprio, se anexim. )

Resquícios de tempos em que qualquer pedaço de terra era uma preciosidade. Para além do mais, com água da Ribeira, à mão de semear. Até aos anos sessenta era cultivado. Lembro-me de ver a senhora ir para a horta. Atualmente está tudo ao abandono. Mas ainda restam pedaços do tanque para acumular água e lavar roupa. E ficaram estas lindas açucenas, testemunhando esses tempos. Que no final de verão, inícios de outono, florescem em todo o seu esplendor.

E, falando na ponte da Ribeira do Salto, uma foto, como não a víamos há muito tempo.

Ponte da Ribeira do Salto. Aldeia da Mata. Foto original.

A Junta mandou limpar as árvores que lhe tapavam a visibilidade e, agora, podemos observar a respetiva arquitetura. Vista de montante, sensivelmente de Leste.

Voltarei a este assunto.

Saúde. Paz. Bons passeios. Visite a Fonte do Salto. A Ponte. A Ribeira.

A localidade?! Aldeia da Mata - Alto Alentejo.

Não deixe lixo, SFF!

(P. S. - As fotos são originais, mas não são de minha autoria. Parabéns à Autora. E, Obrigado.)

 

Um Figo da Índia muito especial!

Votos de saúde, e bons frutos.

Figo da Índia. Foto original.  2022.09.07. jpg

Habitualmente os figos inserem-se no tronco através de um pequeno pecíolo. Mas estão separados dos ramos a que estão ligados.

Neste, o ramo e o figo estão incorporados um no outro.

Mais uma particularidade desta planta já de si por demais peculiar.

Bons frutos!

Figos, figos da índia, uvas, amêndoas de casca. Não me lembro de alguma vez ter comido tantos frutos colhidos diretamente da Natureza. E muitos de plantas e árvores que eu próprio semeei, abacelei, plantei, arranjei, reguei, protegi das ovelhas… Eu sei lá!

E amoras silvestres!

Votos de um bom Setembro!

 

Bicentenário da Independência do Brasil

A Nação Brasileira comemorou ontem os 200 anos da sua independência.

Rosa branca. Foto Original. 2022.08.23.jpg

Dar os parabéns ao País Irmão nesta comemoração, que se prolongará provavelmente por mais dias e lugares do Brasil.

O nosso Presidente da República esteve, estará ainda certamente, como representante de Portugal, em diversas cerimónias evocativas do acontecimento. Vimos imagens dessa celebração, mais parecendo um comício, lá estava o nosso Presidente, mas não nos pareceu visualizar mais nenhum representante de outros Estados.

Mas não faria sentido que num evento desta natureza, houvesse delegações representativas de outros países?! Estranho!

Ilustro este postal com uma rosa branca. De Paz! Que o Brasil o que mais precisa é de paz interna. Que haja serenidade, tolerância, nos tempos conturbados que estão vivendo.

Estes regimes presidencialistas têm levado com relativa facilidade a profundas divisões nos estados, nos países onde vigoram, nas nações que regimentam.

E os Estados Unidos da América do Sul parecem querer imitar os Estados Unidos da América do Norte!

Paz! Tolerância! Serenidade!

São os meus votos para a Nação Brasileira. Para  este grande País Irmão!

 

Parabéns, Senhor Professor Adriano Moreira

O Senhor Professor Adriano Moreira faz, hoje, 100 anos

Muitos Parabéns!

Foi meu Professor, no distante ano de 1973, no antigo ISCSPU – Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Ultramarinas – Universidade Técnica de Lisboa. À Junqueira.

Já referi esse facto em dois postais, a propósito de “Laranja Mecânica”.

Durante a minha frequência escolar, enquanto aluno, tive vários professores, nos diversos níveis de ensino, a quem devo bastante, alguns, e outros que me “tocaram” especialmente. No ensino superior também, nos diversos institutos que frequentei.

Neste nível de ensino, entre vários, em disciplinas bastante diferentes, o Professor Adriano Moreira merece um destaque especial.

Praticamente estava no meu primeiro ano de faculdade. Vindo da “província”, de uma Aldeia “perdida” no recôndito Alto Alentejo, as aulas deste Professor eram como uma fonte fresca de Sabedoria. Concretizavam o que considerava efetivamente de Ensino Superior! Eram fascinantes!

Os meus Agradecimentos e renovadas Felicitações.

*******

(P.S. – Ficava bem, no postal, uma citação, um excerto, de aula do Professor, como fiz nos anteriormente referidos. Só que não tenho, agora, na minha posse, a “sebenta” com os textos das respetivas aulas. Quando me for possível, tentarei disponibilizar.)

Visualizei parte da entrevista, realizada em 2012, ao Professor, por Fátima Campos Ferreira. Notável a frescura intelectual, a continuada Sabedoria dimanada das suas palavras.

Parabéns, também à Jornalista de quem aprecio bastante o trabalho realizado, também nestes moldes com outros entrevistados, na “Primeira Pessoa”. Talvez um dia escreva sobre algumas das entrevistas.)

 

Lá se foi Agosto… (I) – Fogos!

Um balanço de desalento (I)...

É algo que me assusta e aflige neste nosso País. Tantos fogos! E, ademais, em locais emblemáticos deste nosso querido Portugal. Até na Serra da Estrela!

Eu, muito sinceramente e muitas vezes, penso que este país não merece o País que tem!

Quanto aos fogos, tantos rios de dinheiro que se gastam, tantas energias despendidas com os fogos e tanto, mas tanto se pouparia se a prevenção fosse devidamente realizada.

 A Prevenção que exige trabalho, trabalho e trabalho. Ao mesmo tempo que daria trabalho a muito boa e santa gente que quisesse realmente trabalhar. Tenho defendido muito esta tese deste modo de prevenção. E qualquer cidadão, observador e interessado, pode sempre em qualquer viagem que faça, por este nosso e lindo país, verificar como essa prevenção é totalmente descuidada. Nos mais diferentes lugares. Desde logo nas bermas das mais variadas estradas e autoestradas, linhas férreas… nos parques naturais… Nos Parques Naturais, então nem se fala! Nas próprias Cidades…!

É só olhar e ver, com olhos de ver!

Tenho gastado a minha saliva, o meu verbo, o meu latim, que, aliás, é pouco e cansado.

Mas também as minhas forças e energias. Porque onde posso, com os meios de que disponho, e as minhas capacidades, faço alguma coisa, pouca, frise-se, na prevenção.

Mas comparativamente com muito boa e santa gente que tem meios e tecnologias e recursos muito superiores aos meus e não faz nada…!?

É o país que temos! Mas a responsabilidade é de todos! Desde as hierarquias superiores até às bases. E antes de todos e ainda mais, dos particulares, dos proprietários, que não agem devidamente. Das entidades públicas que, nas localidades, nas respetivas circunscrições, muitas vezes não atuam.  E, neste plano, é precisamente nos níveis mais de base que as intervenções devem ser realizadas, porque são essas pessoas que estão no terreno, que melhor conhecem a realidade. Autarquias Locais, Proteção Civil, Bombeiros, GNR…

Porque é que, nas estações do ano em que se pode intervir prevenindo, alguns destes profissionais, por ex. Bombeiros, não são canalizados para as limpezas necessárias?! Ou um corpo especializado de intervenção, com gente capaz, com vontade de trabalhar e de fazer bem feito?

Lá se foi Agosto… Também o calor abrandou. Chuva, nada! Está tudo seco, seco. Os campos alentejanos, onde não há regas, metem dó.

Que não haja mais fogos e venha alguma chuva, é o que mais desejo.

 

Dia dos blogues 31 de Agosto 2022

Uma Rosa de Cheiro, do meu Quintal – Jardim! 

Rosa de Cheiro. Foto Original. 2022.08.28.jpg

Lá se vai Agosto, deixando no rosto, marcas do mar e raios do sol, que ao nascer e ao pôr, pode até ter, ao seu dispor, um ar de arrebol!

E pra comemorar “Dia dos blogues” e pra que não te afogues, se fores nadar… deixo-te uma rosa, por demais formosa, para que sempre sorrias nesse teu olhar!

*******

Parabéns e Obrigado a todo o Pessoal Blogueiro que (Com)partilha as suas expressões criativas neste Universo SAPO.

E Parabéns e Obrigado à respetiva Equipa.

 

 

Despedidas de Verão - Agosto 22

Não há bela sem senão!

Despedidas de Verão. Foto original. 2022.08.30.jpg

Está-se a findar Agosto

Com ele vai indo o Verão

Tanto calor a contragosto

Toda a bela tem seu senão!

 

Senão veja-se a senhora

Que não aguentou a pressão

Ministra e até doutora…

Abalou. Foi pena?! Sim? Não?

 

Este postal ilustra a chegada das “Despedidas de Verão”. Este ano, a modos que chegaram mais cedo! Nascidas no “Quintal de Cima” estas plantas, exóticas, são por demais peculiares. As folhas só são visíveis praticamente no Inverno e na Primavera. Ao chegarem estes calores desalmados do Verão, as folhas secam, as plantas como que desaparecem do solo. Mas ao anunciarem o quase findar do verão, o primeiro sinal de vida é o nascimento destas lindas flores, umas mais rosadas que outras. Também com um odor levemente adocicado. Renascem assim, nos locais mais regados do Quintal – Jardim. Talvez, por isso, este ano parece que apareceram mais cedo.

Sejam bem-vindas. Anunciando Setembro. Aproximando o Outono.

Quem também se despediu, ainda no Verão, foi a Senhora Ministra da Saúde, Drª Marta Temido. Já se temia que isso acontecesse ou que não acontecesse?! Sei lá! Não acredito nada neste pessoal da política. Nem acredito que vindo outro ou outra as coisas mudem realmente.

Mas que têm de mudar lá isso têm! Também não tenho a pretensão de saber como, quando, em que contextos, mas quem para lá vai tem a obrigação de saber os quês e os porquês, as linhas com que se cose a Saúde. E como o SNS está a ser cozido em lume brando!

A nível dos utentes / doentes, que somos todos nós. Efetiva ou potencialmente nessa condição.

A nível dos Profissionais de Saúde, especialmente sobrecarregados os que têm de trabalhar neste mês. Porque são menos os que estão em serviço, mas o serviço não diminui, provavelmente até aumenta, pois há muito mais gente por aí a cirandar. Turistas e “turistame” por tudo quanto é sítio. Sempre numa boa, mas quando as coisas dão para o torto… onde vão parar?! Às urgências dos hospitais públicos, claro!

Não sei. Mas quem vier para o ministério, que venha com conhecimento de causa e com vontade de pôr alguma ordem na Saúde em Portugal.

Mas não é fácil, não.

Termino com o slogan habitual: Saúde e Paz!

E que nos dirija gente capaz!

 

Frutos de Agosto

Composição de vários frutos, colheitas de Agosto.

Frutos de Agosto. Foto original. 2022.08.22.jpg

De plantas, de árvores, dispostas, plantadas por mim ou por antepassados meus.

De frutos colhidos também em Agosto e já em Julho e até em Junho, só faltam nesta composição as amoras silvestres, de que já falei no blogue. Mas essas, frutos das silvas, como nascem espontaneamente não constam desta cornucópia. Ademais, porque as colhidas neste mês já estão congeladas, para Alguém muito especial fazer compota, tal como no ano passado. E que ficou uma delícia!

O/A Caro/a Leitor/a, consegue, certamente, identificar todas as variedades apresentadas.

Dirá: Figos, figos e mais figos. Algumas uvas e amêndoas de casca! Não há qualquer dificuldade.

É verdade. Mas ele há figos e figos! Desde logo, os figos "autóctones", de que também já falei e sobre que disse “Colher figos não é roubar”! Que prometi desenvolver o tema e ainda não consegui organizar-me para tal.

Para além dos autóctones, também figuram os figos da Índia, mas que não são originários desse subcontinente. Por engano de Cristóvão Colombo e seguidores… Adiante…

Já estão descascados, prontos a degustar. E a trabalheira que dão! Especialmente a colher. Devido aos picos, que afinal são folhas e o que parece folha, afinal é tronco. Que esta planta é toda ela uma confusão! Mas que os frutos são deliciosos, lá isso são! Arranjadinhos, guardados no frigorífico, são mais saborosos que ananás.

Dos figos autóctones apresentam-se várias qualidades. Também não sei todas as designações. Uns são brancos, outros pretos, que aqui não há racismo. Por fora. Por dentro, vão dar quase à mesma cor, pérola, amarelo, esbranquiçado, uns a tender mais para o avermelhado, rosado.

Consegue identificar alguma das variedades?!

Figos-reis, figuram alguns. Pequeninos este ano, que a chuva tem sido escassíssima. Embora, por vezes, regue as figueiras, nada como alguma chuva, menos calor e menos vento suão. A Natureza, apesar de todas as adversidades, continua a ser pródiga e Mãe para todos nós!

Também há figos verdeais e figos de pingo mel.  São brancos. Consegue distingui-los? Uma qualidade, cujo nome desconheço e figos “abebos”, que também já figuraram no blogue. Estes são pretos por fora, tal como os figos-reis.

Para além dos figos também se documentam as amêndoas de casca, doces. E as uvas. Penso que Dona Maria!

Trabalhos do bicho tem a amiga do padre”. Enquanto eu fazia a composição dos frutos para a fotografia, a minha Mãe fez o comentário anterior. Assim como uma espécie de provérbio, aforismo, dito popular. Algo que se diz sobre trabalho, tarefa, talvez um pouco sem jeito, despropositada ou cujo labor não tem proveito nenhum. Digo eu.

Sobre algumas histórias mais, sobre as árvores que produziram estes frutos, escreverei no outro blogue.

Saúde, Paz e bons frutos de Verão.

Que acabem os fogos e as guerras!

 

Sankt Maik – Série divertidíssima. T1 – Ep.6

Série Alemã - RTP 2 - 22h

E o que tinha de acontecer, na casa paroquial, entre o padre que não é padre e a comissária de polícia, na qualidade de homem e de mulher… foi acontecido! Não que nós, factualmente, tenhamos visto, com olhos de ver, que esta série não é propriamente para mostrar essas cenas assim claramente, de forma explícita. Observámos os sinais exteriores do caso. E, na verdade, vimos, sim, vimos, através da imaginação da comissária, que ela nos mostrou, para que víssemos e não houvesse dúvidas sobre o caso havido entre ela, mulher, e o padre que não é padre, enquanto homem. Quando no autocarro seguiam para Berlim, mais o coro da povoação, o padre que também ia, supostamente a um encontro com o bispo e a avó da comissária, uma velhota meia talharola.

E as cenas que a velhota proporcionou neste episódio mais o padre, que não é padre, mas que toda a paróquia julga que é!...

E quando se descobrir que ele não o é na realidade?!

E quando se souber que ele e a comissária têm um caso?!

O que os guionistas desvendarão primeiro, o caso entre os dois ou o facto de ele aparentemente sendo padre não o ser realmente?!

Pois os guionistas que se desenrasquem, até lá vamos seguindo o desenrolar deste novelo do enredo.

Este sexto episódio, mais uma vez superinteressante!

 

O jovem padre, cujo nome ainda não retive, mais uma vez se envolveu nos meandros da sua vida de carteirista, agora, em Berlim. A pagar a dívida ao grupo criminoso, prevalecente na cidade, que sequestrara o compincha, de que falei no postal anterior e que, afinal, é seu irmão.

Essas cenas na capital deram pano para mangas e, me perdoem, mas não posso narrar todos os assuntos.

Digo apenas que o chefe desse gang, julgo que se chama Jurek, tem um infiltrado na polícia central e a “nossa” comissária, por meios pouco ortodoxos, acabou por descobrir quem ele é. E, por acaso, é um seu antigo conhecimento, que se arma em superior face à jovem, pelo facto de ter subido na carreira de investigador policial, enquanto ela foi remetida para um postozito de província, numa vilória do interior: Lautenberg(?), que nem sabemos onde fica.

 

(Não há meio de fixar os nomes dos personagens, se o seriado continuar e a modos que continuará, “Perspectivas e Olhares” falou-me em três temporadas, face a tantos episódios terei de os nomear.)

 

O jovem entra nessas cenas de habilidoso carteirista, mais o irmão, mas parece querer afastar-se desses maus caminhos. Efeitos celestiais…

 

E, abreviando…

acaba, mais uma vez, por protagonizar um extraordinário episódio de salvamento ou salvação, concretamente da velhota talharola, por acaso, avó da comissária.

 

Não! Não vou contar todas as peripécias, que elas foram narradas na RTP 2 e, em Berlim, tiveram direito a serem passadas nos écrans espalhados pela cidade. A modos que lá é moda divulgarem imagens da vida real nos outdoors eletrónicos!

 

Logo, 22h, na RTP2, aguarda-nos o 7º Episódio.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D