Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

"Uma Aldeia Francesa” - T. 7 - Amores e Desamores

"Un Village Français” - Temporada 7 – Episódios 1 e 2

Reconstrução de Vidas – Amores e Desamores

(Episódios Globais nº 61 e 62)

(18 e 19 de Janeiro de 2018) 

RTP 2

Rosas numa Aldeia. Original DAPL 2016.jpg

 

Abordando, agora, a situação de alguns personagens.

 

Gustave Larcher, filho de Marcel, resistente comunista, executado em 13 de Novembro de 1943, (temporada 5, episódio 12); sobrinho de Daniel e Hortense é, em 1945, um adolescente, órfão de mãe e pai.

Vive com um grupo de meliantes, que se dedicam ao mercado negro, traficando os mais diversos produtos, nomeadamente os que os americanos trouxeram como novidades, para uma França depauperada pela guerra e mais atrasada, industrial, económica e socialmente. Contrabandeia com os gringos, rouba. É apanhado por Raymond Schwartz a extorquir dinheiro à sua secretária, na fábrica de serração, ameaçando-a com uma arma.

É preso pela polícia, cuja delegação é chefiada por Loriot.

Vale-lhe, que este viva com Suzanne Richard, militante comunista, que fora a namorada de Marcel, seu pai e que, a pedido dela, Loriot o tenha libertado.

Fica uns dias com Suzanne, esta aproveita para lhe dar a conhecer aspetos do seu progenitor, tal como o local onde ele está sepultado e entrega-lhe um famoso caderno, título do 2º episódio.

Nesse caderno de manuscritos, vai ele lendo o que o pai fora apontando: seus pensamentos, seu ideário, suas reflexões…

Terão essas ideias alguma influência no jovem?

(O futuro o dirá…)

Apenas sabemos que nessa estadia em casa de Suzanne teve oportunidade de conhecer a respetiva filha, Leonor, que terá regressado da Bretanha e que entre outras possíveis e hipotéticas afinidades, a miúda denota especial interesse pelo rapaz, apesar dele aparentar algum alheamento.

Acaba por fugir para junto dos meliantes, não sem antes prometer encontro com a rapariga na igreja.

Os capangas mandam-no matar Tom, o americano.

 

Antoine, afamado resistente, organizador do célebre desfile do onze de Novembro de 1943, comandante de guerrilheiros, participante da guerra, como soldado, na expulsão dos boches, regressa a Villeneuve, esperançado em encontrar a sua Geneviéve, a quem prometera casamento, quando regressasse no fim das hostilidades.

Encontrada esta, que vivia na quinta com a avó, saldam contas em atraso de um ano, mas ele não se adapta ao viver na quinta, nem consegue arranjar uma ocupação satisfatória, apesar do seu excelente currículo.

Procura trabalho na polícia e o que Loriot lhe oferece, por especial favor, é entregar jornais de porta em porta.

Vagueia pela cidade, encontra um outro resistente como ele, Anselme, ainda mais desesperançado, a dormir em banco de jardim, sem eira nem beira, que este, Anselme, quando retornou ao lar, já nem a mulher encontrou, que, fartando-se de esperar, se acomodara com outro.

Conversam como antigos camaradas de armas, bebem uns copos, fazem desacatos, que já ninguém se lembra do seu papel enquanto resistentes… são presos.

Mais tarde, libertos, não sei se também a pedido de Suzanne, regressam ambos à quinta, onde, apesar da penúria, a velhota ainda faz umas sopas quentinhas!

Anselme oferece-se para trabalhar no campo, que a velha até acha que seria com ele que a neta deveria casar. Amanhava-lhe o prado, à idosa.

Antoine fica a saber que a camponesa, que se queixa de dores nas costas, como se fosse reumatismo, o que tem é um cancro, que deveria ir a Besançon tratar-se no hospital, mas não tem dinheiro para pagar os tratamentos.

Antoine resolve ir pedir dinheiro aonde supõe ele existir e vai à serração de Raymond Schwartz, aonde já trabalhara em quarenta e três, quando sua irmã era segunda esposa de Raymond.

Este aceita emprestar-lhe a massa, oferece-lhe trabalho, um pouco melhor remunerado até que anteriormente e o empréstimo dos dez mil, pagando em dois anos.

Será que, deste modo, Antoine e Geneviéve conseguem as condições para se casarem?

 

Prosseguindo nesta narrativa, perseguindo personagens e seus amores…

 

Jules Bériot e Lucienne Borderie!

Professores primários, casados, mal amados. Jules ama a esposa loucamente, mas esta não o ama, vive ainda acorrentada a um amor, que jaz no cemitério, sepultado como Étienne Charron, falso nome, do antigo namorado, soldado alemão, de nome Kurt e pai biológico de sua filha Françoise.

Bériot, chefe da resistência na cidade, presidente da câmara, em exercício desde quarenta e quatro, ainda em quarente e cinco, no início desta 3ª temporada, vê a sua eleição contestada pelos comunistas, devido a erros eleitorais.

Ainda no exercício das suas funções, discutem alguns dos problemas fundamentais da gestão camarária, com destaque para o problema crucial à época e comum a todas as épocas, que é o do alojamento/habitação. Naturalmente acrescido após uma guerra, em que muita habitação foi destruída pelos bombardeamentos.

Bombardeamentos que não pouparam o cemitério, onde foi descoberto um obus, que necessita remoção. Que nem os mortos têm o merecido e eterno descanso!

Para tal, há que remover campas, nem mais, e uma delas será a de um desconhecido Étienne Charron, de que não se sabem familiares, mas onde se sabe que Lucienne deposita flores, de manhã bem cedinho! Afinal, um seu primo afastado, como Bériot esclareceu Loriot.

 

E neste remover e remexer e relembrar o passado, alguém, anonimamente, lembrou a Bériot em carta sem assinatura, com palavras escritas com letras tiradas de jornais que: Lucienne era amante de boches e Étienne Charron era Kurt. Outra bomba na vida do ex presidente e, de momento, um dos candidatos a futuro exercício camarário.

Bomba que leva a desmentido na imprensa.

Caso para se dizer que, ‘pior a emenda que o soneto’!

Mas a vontade de exercer as funções de presidente…

 

Este assunto azeda completamente o relacionamento Bériot – Lucienne, marido e mulher, que, frisa ele, ter-lhe perdoado Kurt, até Marguerite, o socorrer-se de Madame Berthe, mas não lhe perdoará se, por causa dela, perder a eleição da câmara. E em todo este relacionamento, estes esposos ainda se tratam por você!

 

Que no fundo e essencialmente, eles são, antes de tudo, colegas de trabalho.

E preparam o próximo ano letivo. Consultam os manuais e naturalmente o de História, nomeadamente o exemplar recente em que as problemáticas da ocupação, do colaboracionismo e da resistência são branqueadas, apresentando a resistência à ocupação, como se todos os franceses nela tivessem participado. O que não corresponde de todo à Verdade, mas é um caso típico de revisionismo da História e da realidade.

Situação que incomoda especialmente Lucienne Borderie que afirma ‘que lhe pedem para participar numa grande mentira’. (Mas talvez fosse melhor estar calada!)

E não só se calou, como se afastou, ao chegar um inspetor armado em bom, ufanado de prosápia e ameaças veladas, porque um exemplar da carta anónima também chegara ao ministério.

Para além de vir desenterrar acontecimentos passados há anos, especificamente as crianças mortas no piquenique do primeiro episódio, na temporada inicial, quando ocorreu a invasão alemã!

Bériot, na sua frontalidade e/ou honestidade, acutilância sem dúvida, ainda manifestou surpresa, por tal personagem vir investido de funções tão importantes, (Inspetor), quando fora apenas um “resistente tardio”.

Mas não lhe terá valido de muito, que o outro ficou na dele.

Jules Bériot, verdadeiro resistente, vê-se, assim, cada vez mais encurralado.

Veremos o que lhe acontecerá…

 

Esta é uma característica deste iniciar desta sétima temporada.

Os cidadãos que realmente foram resistentes a sério, desde a primeira hora, que enfrentaram os “boches”, os que foram verdadeiramente honestos consigo mesmos e com a França Livre, veem-se em palpos de aranha para poderem singrar normalmente na vida e se reintegrarem. Contrariamente, os oportunistas, que aderiram à causa da Liberdade na última hora, estão na mó de cima, prontos a pisarem todos os outros!

 

Mas retomemos com outros amores, nestes casos, mais desamores…

 

Jeannine, já constatámos, foi praticamente ilibada da sua condição de “colaboracionista”!

Costuma-se se dizer que uma mão lava a outra.

Ela fartou-se de colaborar, de toda a forma e feitio, com os ocupantes, sob todos os aspetos e mais um.

Mas como ela também ajudou a resistência, não só financeiramente, mas também como informante, e, segundo se observa, continua a ter muito dinheiro… atribuíram-lhe aquela sentença. “Admoestação simples”!

 

E agora que o exército americano se encontra em França, há que negociar com eles.

E tem em mente um grande negócio, que oferece compartilhar com o antigo marido, Raymond Schwartz, que também continua com a sua serração.

O negócio que ela tem em vista com o ex., com quem foi casada dez anos, é mais abrangente do que apenas dólares americanos.

Mas Raymond, ainda que lhe desse jeito um grande negócio, lembra-se da sua Marie Germain, e diz-lhe que não.

Mas não é essa recusa que detém Jeannine.

E é vê-la a brindar com o general americano!

 

Os últimos personagens a abordar nesta crónica sobre este reiniciar da série, perspetivando-os pelo lado romanesco, não formam um par, mas um triângulo. Um célebre triângulo amoroso. O elementar: marido, mulher e amante.

 

Daniel Larcher, personagem ímpar neste seriado, constatámos que está a ser julgado como colaboracionista.

O próprio não se sente muito confiante num veredicto auspicioso.

As testemunhas, arroladas para sua defesa, ainda que tenham falado a verdade, não diremos que sejam muito confiáveis, perante o júri e os juízes.

(Mas disso viremos a saber…)

 

Mas o que importa, agora, nesta análise, é constatar o lado romanesco da situação.

 

Daniel detém um amor incondicional pela mulher, a ruiva e fogosa Hortense. Tão incondicional, que raia quase o descomedimento. Em linguagem vulgar e vernácula, como se diz na ‘minha e nossa terra’, diríamos que ele é um “corno manso”!

Hortense destrata-o e ele perdoa-lhe e recebe-a sempre de braços abertos!

Ela, por sua vez, aproveita-se desta fraqueza completa do marido e faz o que muito bem entende. É completamente louca pelo alemão, o “boche”, Heinrich Muller!

 

No julgamento de Daniel, Hortense foi chamada como testemunha de defesa e estas cenas foram antológicas, sob todos os aspetos.

Apesar da veracidade das suas afirmações, mas contrapondo todos os factos inerentes à situação, nomeadamente a sua condição invocada de amante de Muller e mulher de Daniel, terão deitado por terra todos os seus argumentos, ainda que verdadeiros.

Foi e sentiu-se completamente humilhada, para além da ignomínia sobre o próprio marido.

Aí também se soube que Heinrich, o amante, terá morrido.

 

Após esta participação no julgamento, a que não terá sido alheia a notícia da morte do amante, Hortense foi-se ‘ausentando’ da realidade, tendo comportamentos completamente alienados em casa e afirmando-se permanentemente perseguida por estranhos, que da própria rua a vilipendiavam.

Num momento crucial em que ela, com o estetoscópio do marido, auscultava as paredes da sala, para ouvir o que se passava na casa ao lado, toca o telefone.

Daniel atende.

E informa que localizaram Heinrich Muller na Alemanha, afinal não morreu, e que é funcionário dos americanos.

Uma luz clareou as ideias de Hortense!

 

E foi vê-la a embonecar-se, para a próxima sessão do julgamento do marido, em que Muller iria testemunhar, e ainda pedir opinião a Daniel sobre que vestido trajar.

 

No julgamento esteve num permanente deslumbramento perante o desejado amante, Heinrich, que raiava a quase loucura, tão embasbacada estava.

Aquele pouco lhe ligou, frio e impertinente perante o próprio tribunal, mas perspicaz e acutilante, sempre superior, a típica arrogância dos iluminados nazis perante as outras raças.

Mas não só, também sobre aquela condição de tribunal e respetivos magistrados, como já referi.

Mas foi verdadeiro no seu testemunho e deu a volta a tudo e todos!

(Também saberemos mais tarde, que tem as costas quentes…

Não sabemos é se as suas verdades, partindo de quem partiram, terão algum efeito nas decisões do tribunal.)

 

Mas Hortense não é mulher para desistir de amores, e foi-se pespegar no hotel.

 

(Interessante esta “village français” / “aldeia francesa”, que tem todas as comodidades de uma cidade, e não uma qualquer cidade!)

 

Heinrich chegaria mais tarde, agarrado a uma flausina americana, toda apegadiça ao galã, mas que ele, com maestria, mandou subir para o quarto, quando reparou em Hortense.

Censurando-a por ela ali estar e dando conhecimento que a americana é sua mulher, apesar de tudo, concordou em arranjar um tempo para ir falar com Hortense, às 22h, a um restaurante, onde habitualmente se encontravam e que agora mudou de nome e se chama ‘Em Casa do Rogério’! (…)

 

E aí chegado, já Hortense o esperava sentada a uma mesa, bebendo champanhe!

Acomodando-se ele também, bebericando igualmente, que champagne é champagne, ela de tudo se lembra, ele tudo quer esquecer, que tem um currículo enorme de crimes de guerra, em França e na Europa de Leste.

Agora trabalha para a Inteligência Americana, a celebérrima CIA, casado com Linda, a beldade flausina a quem vimos abraçado, no hall do hotel, que é filha do nº 2 da referida agência. Brevemente será “american citizen”! Nem mais, nem a propósito!

Mas estes foram preliminares de conversa, que sabemos ao que Hortense ia, e a fogosa amante não esteve com meios termos, explicitou o desejo preto no branco, que ‘fosse ter com ela aos lavados para possuí-la uma última vez’!

E como desejos de Hortense eram ordens, ele nem esperou e foi logo atrás da amante.

Tão desejosos estavam, que quase nem se aperceberam da chegada das autoridades francesas que vieram prendê-lo, que nem fizeram nada de mais, pois que haviam de esperar e desperdiçar oportunidade única para acorrentar este verdadeiro criminoso, a pavonear-se de superior e intocável.

Mas não esqueçamos que ele tem as costas quentes dos americanos!

(…)

Hortense, pareceu-me sorrir, naquele seu jeito de raposa matreira e dengosa.

E, por aqui ficamos, aguardando próximos episódios.

 

 *******

 

Fotografia Original DAPL - 2017 - Flores de Aldeia - Rosas por detrás do muro!

 

(Temporada-6

Início-da-5ª-temporada.

Temporada-4

“Uma Aldeia Francesa” - T. 7 - Tópicos do Enredo

Un Village Français

Temporada 7

Episódios 1 e2

(Episódios Globais nº 61 e 62)

(18 e 19 de Janeiro de 2018) 

RTP 2

 

Enredo. Original DAPL. 2017.jpg

 

Caro/a Leitor/a

 

A RTP2 iniciou a 7ª Temporada desta excelente série francesa, na passada 5ª feira, dia 19/01/18.

Tomo a liberdade de sugerir que faça uma leitura sobre os últimos episódios da 6ª temporada, que passaram no mesmo canal, em Junho de 2016. Bem como os posts referentes a personagensepisódiosenquadramento espacial.

(Assim poderá equacionar melhor os episódios atualmente em curso.)

 

*******

 

Nesta 7ª temporada, a ação continua a decorrer na localidade de Villeneuve, subprefeitura francesa fictícia, do departamento do “Jura”, situada no “Franco Condado”. No Nordeste de França, junto da fronteira com a Suíça.

E próximo da zona de demarcação, definida pelo exército alemão, durante a ocupação de França, de 1940 a 1944.

Só que no ‘tempo atual’ da narrativa, finais de 1945, a França já não está ‘ocupada’ pelo exército alemão.

 

O 1º episódio reporta-se a 7 de Novembro de 1945 e intitula-se “Atrás do Muro – Derriére le Mur”.

O 2º episódio designa-se “O Caderno – Le Carnet”.

 

Nestes dois episódios, um dos temas do enredo incide sobre os julgamentos a que foram sujeitos alguns dos principais “colaboracionistas” com os “boches”: Servier, subprefeito; Daniel Larcher, médico, presidente da Câmara, marido de Hortense; Jeannine, empresária, mulher de Raymond Schwartz e de Philippe Chassagne.

 

Outra das temáticas da narrativa, reporta-se ao modo e à forma como cada personagem vai tentando reconstruir a sua própria vida, agora no novo enquadramento institucional, com a ‘desocupação’ alemã, mas com a presença do exército americano.

Nesta reconstrução, há sempre, em momentos cruciais, um relembrar de acontecimentos, situações passadas, ocorridas nos anos recentes da “ocupação”. Um recordar de pessoas, sentimentos, perceções da realidade vividas nesses tempos…

 

Assim também nós, espetadores, podemos comparar o momento, o agora, com o transato, o passado, e formularmos, também nós, o nosso próprio juízo crítico.

Porque esta série e os assuntos abordados e o tempo e as vivências a que se refere, não nos deixa indiferentes!

 

Outro tema, sempre presente neste seriado, desde o início, ou não funcionasse também a série como um enredo novelístico, é o Amor. Cada personagem procura sempre o seu par, o/a seu/sua Outro/a, que o/a preenche e o/a complementa.

 

*******

 

No que aos julgamentos se refere o assunto e o modo de abordagem são sintomáticos.

A começar pelos Juízes, que a melhor análise sobre os mesmos foi o questionar pertinente de um estrangeiro, que foi chamado a testemunhar sobre Daniel Larcher.

Nem mais nem menos que um alemão, um boche, chefe da SD, ademais amante da mulher do médico… Pois, precisamente, Heinrich Muller!

E o que questionou ele?! …

 

De entre os “colaboracionistas” sujeitos a julgamento, quem se safou melhor, e desde logo, foi Jeannine

Pois, precisamente! O Comité condenou-a a uma “admoestação simples”. Simplesmente.

A razão, a justiça ou a força do dinheiro?!

 

Servier, subprefeito pétanista de Villeneuve e Daniel Larcher são casos que suscitam mais polémica.

Foram autoridades, representantes do governo francês de Pétain, sujeitos à ocupação estrangeira, colaborando com essas mesmas forças ocupantes, tal como Jeannine, diga-se.

 

Sobre Larcher incidem casos problemáticos.

Na qualidade de médico e cidadão, insinuam a morte da mãe de Tequiero, o envio do respetivo pai, Alberto Rodriguez, também para o ‘homem da gadanha’…

Enquanto presidente da câmara: a “deportação dos judeus”.

Também o acusam de ter sido colaborador – informador dos alemães (SD), a partir de um documento engendrado por Muller, a pedido da amante Hortense, para os oficiais alemães o libertarem da prisão, quando nela permanecia com o irmão Marcel

 

(Nós sabemos como esse documento é falso. E as insinuações e acusações insidiosas.

Veja episódio 9 - Temporada 5…, SFF.)

 

Que testemunhas são arroladas em sua defesa?!

Nem mais, que a mulher, Hortense, que fora a amante de Muller e o próprio Heinrich.

 

(Cenas antológicas estas, da série!)

 

E foi na interpelação a Heinrich Muller, que este interpelou os próprios juízes sobre a sua própria legitimidade em julgarem um homem honesto como Daniel, face ao papel que eles mesmos haviam desempenhado durante a ocupação.

Qual deles se opôs à ocupação e qual deles não foi colaborador com o regime de Vichy?

(É caso para dizer e constatou-se nas cenas apresentadas, que eles puseram o dito cujo, entre as pernas…)

Será ele condenado?!

Merece ele estar sujeito a toda aquela ignomínia de julgamento?!

Será sujeito à pena de morte, como ele tanto teme?!

 

Será que se recusam a ver, a percecionar, o seu lado bom, de resistente, que também foi, de como ajudou no que pôde e como pôde, naquele contexto de ocupação?!

 

Ajuíze, avalie, teça o seu próprio juízo de valor, caro/a leitor/a!

 

Sobre Servier, o caso fia bem mais fino.

Entre as muitas atividades de colaboração, que não fez outra coisa, apontam-se-lhe o envio de cidadãos franceses para fuzilamento, à ordem dos dirigentes alemães.

Temos consciência que não foram situações lineares, preto no branco, e os contextos em que viviam não eram de decisões livres, mas também não isentas de responsabilidades…

Em sua defesa invocou que o número de condenados à morte pelos boches era muito maior que os que foram fuzilados e que essa diminuição resultou das negociações que ele foi realizando com os ocupantes.

Pelo que, na sua ótica e lógica, ele não enviou dez homens para a morte, mas sim, livrou dez homens da morte!

Porque as ordens não partiam dele!

 

Mas assumiu que foi ele, sozinho, quem redigiu as listas dos indivíduos a serem executados!

Veremos no que dá o julgamento.

Merece a pena de morte ou não?

(…)

 (Fotografia original DAPL - 2017 - "Enredo".)

*******

Sobre “Amores e Desamores”, publicarei outro post.

“Gomorra” - 3ª Temporada: ‘Quem com ferros mata…’

Série Italiana

 

Episódios 2, 3 e 4 e mais alguns episódios… E final!

 

 

(Notas Iniciais:

 

Caro/a Leitor/a

Estive vários dias com dificuldades de aceder ao trabalho com o computador.

Também não pude visualizar todos os episódios.

Todavia sobre alguns deles escrevi.

Por isso não pude deixar de publicar, apesar de tarde…

Espero que venha a gostar!)

 

*******

 

2º Episódio: Negócios…

 

Em Roma, Genaro trabalha de perto com Gégé, contabilista, gestor financeiro, motorista, seu braço direito e pau para toda a obra. Investe no imobiliário.

Com o sogro na prisão trata-lhe dos negócios.

 

E por negócios, sempre se lançou no mundo e encetou negociatas com um hondurenho, Joaquin, que se deslocou de jato privado a Roma, com a mercadoria, que se calcula o que será!

Face aos obstáculos colocados por outros negociantes, Genaro e esse tal de Joaquin não estiveram com meias medidas. Armam-lhes uma cilada num supermercado, onde os fazem matar a tiro, por uns capangas que se ausentam, após o trabalho efetuado.

Genaro e Joaquin encarregam-se de os arrastar para o açougue, onde os cortam aos bocados, como se fossem porcos ou vitelos, colocando os pedaços em sacos de plástico. Gégé faz as limpezas do chão e vomita na casa-de-banho, que ele é uma alma sensível e não é pessoa para carnificinas. Ainda tem que filmar Joaquin ameaçando possíveis concorrentes e mostrando a cabeça de um dos assassinados num saco plástico. (!!!)

Em seguida, ensacam esta nova ‘mercadoria’ em malas de viagem que irão lançar para o fundo de um lago.

 

Enquanto o sogro esteve na prisão, Genaro foi-lhe tratando dos negócios. Ao seu jeito, com a ajuda de Gégé.

Saído o pai de Azurra para prisão domiciliária, teve o genro que lhe prestar contas, não sem antes avisar Gegé, como gestor financeiro, de que ele deveria engrandecer a riqueza acumulada, omitindo o que Geny terá lucrado para si mesmo.

Mas o velho não é nada parvo e ficou desconfiado desde o início, naquele universo ninguém confia em ninguém e nem ele sabe da missa metade. Apertou com Gégé, após ter ameaçado o respetivo namorado e a filha e o contabilista vomitou novamente, desta vez que Genaro enganava o pai da mulher, seu sogro e avô do seu rebento.

E, por enquanto, para Genaro estas são duas garantias de que dispõe: a mulher, Azurra e o filho, Pietro, seus seguros de vida. Que, de contrário, a vida dele não valia um chavo!

Mas o sogro já está a par de tudo, das transferências que faz e de como os anda a enganar a todos: napolitanos e romanos.

 

Em Nápoles, Patrizia é contactada por um apaniguado de Scianel, que está presa, (afinal o Estado sempre intervém, digo); é-lhe pedida ajuda para ela procurar e interceder junto de Marinela, a ex-nora da antiga traficante de bairro, para que a jovem intervenha com um depoimento para libertarem a ex-sogra.

Patrizia que vive pobre como sempre, e o que quer é uma vida honesta para si e para os irmãos, com quem não pode contatar, informa Genaro que irá interceder, na condição de este arranjar emprego decente para o seu mano, que cuida das irmãs e que desempregado corre o risco de as crianças lhe serem retiradas pela assistência social e ela nunca mais as ver. (Repito, afinal o Estado age, contrariamente ao que eu tinha mencionado no 1º episódio. E também naquele meio há pessoas que o que querem é viver honestamente e não se iludem com riquezas e grandezas.)

Apesar de todos os pruridos e com o apoio e ajuda de Genaro, Patrizia vai à procura de Marinela, que acha num cabeleiro e que agora se chama Irene e tenta seduzi-la com uma mala com trinta mil, agora, trinta mil futuros, quando se concretizar o desfecho.

Veremos no que darão estes desfechos, e de como os entrementes se transformarão em tantos e quantos!

 

3º Episódio: Libertação

Culpa, Expiação, Arrependimento

 

Este 3º episódio, de 5ª feira, dia 4, foi fundamentalmente dedicado a Ciro de Marzio.

 

Não ‘vive’ nem “trabalha” em Itália, nem quer negócios com italianos, ademais napolitanos. Pelo desenrolar da narrativa vai-se percebendo que ‘trabalha’ num País de Leste, dos Balcãs. Ainda pensei na Bulgária, mas deduzo que seja na Macedónia.

Dedica-se aos negócios mais problemáticos e horrendos: tráfico de mulheres, melhor, raparigas albanesas e heroína. Pelo meio, dinheiro falso.

Os esquemas hediondos e habituais: confiscação dos passaportes às moças; completo isolamento, na verdade, prisão domiciliária em casas degradadas, de onde expulsaram os moradores; exercício de ‘atividades’ em discotecas…

Ele, cada vez mais transfigurado, aquela cara de fuinha barbuda; cumpre e expia a sua pena fora da prisão, que, como disse a Genaro, não tem perdão.

 

Mladen, certamente um natural do país, é o seu sócio neste negócio, que perante o seu comportamento tão inabitual face ao contexto, lhe diz não o perceber. “Não bebes, não fornicas, vives numa pocilga que até enoja putas albanesas, tens medo dos teus conterrâneos. Desaparece! Não consigo ver o que o meu pai vê em ti!”

E este comportamento de Ciro, cada vez mais desesperado e fora de si, leva-o sempre mais fundo na sua expiação, que só lava com sangue.

 

Face a um negócio gorado em que se percebeu traído e tramado pelo sócio, não se ficou no meio termo.

 

Com atos de maestria, face ao ambiente criminoso em que sempre viveu, cada vez mais tresloucado, dirige-se ao ginásio do pai de Mladen, após uma conversa sem sentido, mata este, os outros adultos presentes e em seguida dirige-se ao apartamento do filho, onde ele se snifa e se prepara para ‘desfrutar’ de uma albanesa, mata-o também e aos seguranças que o guardavam.

Uma carnificina! Sem dó nem piedade.

 

Para exercer um supremo ato de redenção, de ‘justiça’, a seu modo, que de outra maneira a Justiça não funciona, ademais naqueles territórios e naqueles contextos e enquadramentos!

 

Retirado o passaporte da rapariga, de entre os que estavam confiscados, pouco importa que ela seja Ana e que o que ele tenha trazido seja de Elvana, ou o contrário; pega nela, mesmo nua com as roupitas debaixo do braço, entretanto ela veste-se, empresta-lhe o casaco, passam a fronteira da Macedónia para a Albânia, assenta num restaurante de comida rápida, contempla-a a comer com gosto, que muita fome há de ter passado, dá-lhe um maço de notas e um telemóvel e deixa-a no seu país, cumprindo assim talvez uma promessa a si mesmo.

 

A seu ver, tê-la-á libertado, ter-se-á sentido, de certa maneira, algo redimido, menos culpabilizado!

 

Que não pode esquecer-se que ele se acha culpado da morte da filha e aquelas raparigas, tão novas, só lhe poderão lembrar a sua, morta na segunda temporada às mãos de Mallamore, vice de Dom Pietro Savastano.

Mas por sua culpa, por seu pecado!

 

4º Episódio

'Quem com ferros mata…'

Os filhos que regressam a casa.

 

(Neste episódio a narrativa estruturou-se de forma mais complexa.)

 

Marinela sujeitou-se a alterar o depoimento de que resultou a libertação de Scianel, aliás Dona Annalisa.

Patrizia serviu de intermediária, entregando-lhe o dinheiro restante.

Annalisa vem afogueada da prisão, desejosa de retomar o negócio de bairro que detinha, às ordens de Genaro, com quem volta a negociar, estabelecendo-se a quota e a percentagem de cada um. Nenhum confia no outro. Patrizia intermedeia e aconselha, novamente.

 

Ciro regressa encapotado, afinal sempre esteve na Bulgária, como me pareceu, pela Igreja Ortodoxa que surgiu nalgumas imagens.

Também quer recomeçar o negócio. Contacta o napolitano que fora à Bulgária, mas cujo trato ficara sem efeito, devido a terem levado dinheiro falso. Este é o neto do “Santo”, pelos vistos um emérito contrabandista de outros tempos. Enzo, assim se chama o neto, compõe uma trupe de jovens “esfarrapados”, cheios de genica para se lançarem no mercado, mas falta-lhes uma cabeça, um chefe que os comande, um ‘condottieri’ que os oriente nas batalhas. A oferta/pedido foi feita a Ciro.

Este é um general que precisa de um exército. Para entrar na guerra.

A ver vamos, que no final do episódio ele aparece naquela sua pose de desesperado…

 

Genaro está na mó de cima. Poderoso, mas sempre inseguro que estes ‘generais’ vivem em constante sobressalto, como no antigo Império.

Tem plena consciência que o sogro, agora solto, o quer apanhar.

Espera o célebre carregamento do hondurenho, que virá de barco.

Informa Gégé do facto, do onde e do quando. Barco “Esperanza”, bonito nome. Bandeira do Panamá.

Como veremos, dá-lhe informação falsa, pois uns quantos ‘soldados’, a soldo de Avitabile, este é o nome do sogro, vão ao molhe mencionado, hora e local determinado, mas nada de droga!

Entretanto já Genaro, com outros dois rapazes do seu bairro natal, recolhia o material no alto mar, entrando terra adentro por um braço de rio ou canal.

Acondicionado o produto em local isolado, depressa negoceia com calabreses desconfiados, mas com quem chega a acordo.

 

Quando Gégé regressa, de noite, a casa, nela à espera tem Genaro.

Não é preciso dizer ao que o chefe ali estava, nem como foi a admoestação do patronato.

Entregue o relógio, penhor de confiança familiar que Dom Pietro dera a Gégé, quando este se formara, foi com ele no punho, a fazer de soqueira, que Genaro deu em Gégé até lhe desfazer completamente a cara.

Não sabemos se o deixou morto, se quase.

Um verdadeiro mastim, este Genaro.

Lavadas as mãos, segue a sua vida, triunfante, rumo ao negócio combinado com os calabreses.

Mal sabe ao que irá!

 

Entretanto o sogro, Avitabile, já quase sufocara a própria filha, que, de facto, a raptara da casa do genro antes que ela fugisse, conforme Genaro lhe recomendara.

Genaro foi ao negócio, sim, foi ao negócio…

Mas também foi ao engano, com os seus dois jovens amigos.

No local do encontro combinado, mais uma vez se fez cemitério, local de morte. Os dois amigos aí ficaram estendidos.

E Genaro não ficou, porque tem os seguros de vida de que falei no capítulo anterior: Azurra, a mulher e Pietro, o filho.

Mas foi raptado, levado sob ameaça de arma, para outro local, julgo que uma propriedade isolada do sogro, onde uns seus capangas dele fizeram saco de pancada, nada que ele não tivesse já feito a outros.

Ficou um monte de carne amassada, ouviu ainda do sogro, que não suja mãos nem pés com sangue, que não o queria ver nem pintado fora de Nápoles, apenas no seu bairro natal, Secondliano, que todo o negócio da droga pertencia ao grupo de Avitabile, que ao hondurenho executaram com a mesma sentença que ele a outros fizera, cabeça cortada, e, a ele, Genaro, só não lho faziam, por causa dos seguros de vida!

E que o havia denunciado às finanças, anonimamente, sobre as empresas falsas e testas de ferro, para que fique sem um tostão.

(Tem sido assim que, apesar de tudo, a justiça italiana tem conseguido entrar nalguns destes esquemas criminais.)

E foram mesmo depositá-lo ao seu bairro natal.

 

Aonde também já chegara, desterrado e desiludido, Ciro.

Recomeço e nova parceria?!

 

(Entretanto já Avitabile ameaçara a própria filha, Azurra, sobre a hipotética e eventual possibilidade de Genaro a procurar. Que a tal acontecer e jurou “pela Virgem Maria”, mais uma vez a tal religiosidade exacerbada e supersticiosa, jurou que cortaria a cabeça ao genro.)

 

Como se depreende, a carnificina irá continuar.

 

(E eu que nas duas temporadas anteriores não me propusera de escrever…)

 

 

*******

Restantes Episódios…

 

A série nesta fase está quase a acabar a 3ª temporada. Na passada 6ª feira, dia 12/01, já decorreu o nono episódio. Presumo que sejam dez.

Destes episódios anteriores não vi vários.

Apenas visualizei o sétimo e o nono.

Com base no que observei, alguns dos aspetos sugestionados em episódios anteriores verificaram-se.

 

Ciro tomou conta daqueles jovens em busca de um chefe e conduziu-os a um mundo em que se sentem uns senhores.

Organizados e dirigidos por Enzo, estruturaram todo um negócio de distribuição do ‘material’, um exército de lambretas, levando o ‘produto’ ao domicílio dos clientes, como se fosse uma qualquer telepiza.

Intitulam-se “Sangue Azul”, não sei se por alguns dos chefes estarem ligados a uma qualquer nobreza italiana.

Mas entram em choque com outros traficantes já instalados, “Os Confederados” e a coisa deu para o torto.

 

O esquema habitual: ameaças, agressões, negociatas, mortes, assassinatos pelo meio.

 

Genaro chegou ao seu bairro napolitano feito num trapo. Voltou-se para Ciro, foi fazendo dupla com este seu compincha e reergueu-se, pronto a enfrentar o sogro, Avitabile.

 

Encontra apoio na mulher, Azurra, com quem quer recomeçar, encontra-se secretamente com ela, numa cave dum cinema. Pretende reatar os laços familiares e criar o filho.

E criá-lo para quê?!

 

E a propósito de criação…

A irmã de Enzo, também com um filho, Casimiro, um adolescente, desejoso de copiar o tio e os amigos, mas ela não quer que ele siga as pisadas do irmão. "Que ele sairá do bairro e irá estudar…"

Mas foi assassinada, enquanto experimentava um vestido e telefonava para o filho, preocupada com o que ele andaria a fazer.

Enzo, numa de vingança, é este o modus operandi desta gente, acaba por ser ele também ferido, enquanto atirava sobre um dos capangas principais dum grupo rival e dominante na zona em que concorriam no tráfico. (Don Edoardo, “O Charmoso”.)

Casimiro, ele também ferido, psicologicamente, por estes golpes de morte, resolve lançar-se também na aventura do crime.

E é vê-lo, na motoreta com outro amigo, ambos de pistolas aos tiros, pelas ruas da cidade, no final do 9º episódio.

 

E é assim a série.

Morrem uns. Renascem outros. A violência é como uma hidra de sete cabeças.

Cortam uma, nascem sete.

 

Aguardemos o décimo episódio.

 

(Mas ou eu esteja enganado ou acho que a série, apesar do investimento nela feito, não teve assim um impacto tão forte como teriam esperado.

Digo eu!

E eu também sou sincero. Gostei, mas não foi das minhas preferidas. Embora ache que ela é super, demasiado, realista.

E a propósito…

Quando se equacionarão políticas realistas para tratar estas problemáticas das drogas de um modo diferente?!

Que a forma como o assunto é tratado, deveras complexo, é certo, não tem resolvido de nada o problema.)

 

*******

 

Afinal a Série teve 12 episódios.

 

Nos três episódios finais, 10º, 11º e 12º, ocorridos dias 13, 14 e 15 de Janeiro, concluíram-se alguns aspetos que vinham sendo aflorados anteriormente.

Ciro afirmou-se como verdadeiro chefe e mentor do grupo de jovens criminosos dirigidos por Enzo,Sangue Azul”. Sempre irmanado com Genaro.

Os conflitos com os grupos já instalados “Os Confederados” são permanentes.

A mão vingadora de Avitabile, sogro de Genaro, pai de Azurra, avô de Pietro, está sempre presente. Os crimes de todos e de cada um são mais que muitos, mortes e mais mortes.

Guerreiam-se, fazem acordos, cobram e pagam dívidas uns aos outros. Traem-se, na primeira oportunidade!

Patrizia intermedeia entre os vários grupos.

Scianel, Dona Annalisa, aspira a ser “Rainha de Secondliano” e fazer de Patrizia a sua Princesa. Denuncia, bajula, trai, na mira de alcançar os seus objetivos. (Acabei por não perceber o que lhe aconteceu.)

Azurra e o filho, Pietro, são negociados e trocados, para que Genaro fique com eles, após entregar vultuosíssima maquia em dinheiro.

Em todas estas trocas e baldrocas entre os vários grupos e interesses em confronto, sempre o papel de Patrizia.

A desconfiança, a traição, o ódio, os sentimentos maus, sempre presentes.

Os interesses, que os sentimentos bons não contam.

Dividem territórios para exploração dos negócios das drogas.

Teoricamente, chegaram a um acordo que satisfaria todas as partes.

Mas, mal puderam, todos traíram esse suposto e selado acordo.

 

No final, Ciro cumpriu o seu destino intuído.

Praticamente ofereceu-se como vítima, como cordeiro a ser imolado, sacrificado, em vez do seu alter-ego, Genaro. E foi este que, perante a ordem de Enzo, ainda que contrariado, disparou sobre Ciro e o matou, concluindo assim a respetiva expiação que ele vinha vivendo, desde que matara a própria mulher e deixara que lhe matassem a filha querida.

 

E a série terminou assim com a imagem de Ciro, baleado, e a escorrer sangue, a afundar-se e a descer nas águas para o lodo da baía de Nápoles!

…   ...   ...   ...   ...   ...   ...

 

E fica muito por contar?! Muitíssimo?!

 

Ora se fica!

 

*******

 

Como grupos dominantes, para uma futura, eventual e hipotética 4ª temporada, que não sei se haverá ou valerá a pena equacionar, que não sou visto nem achado, também não digo que me entusiasmaria muito, pois não foi de todo uma das minhas séries preferidas…

 

Mas não deixo de sintetizar que, do que observei, Genaro voltou à mó de cima, apesar de debilitado, digo eu, pela morte do verdadeiro amigo, Ciro. A mulher, Azurra, também o colocou de espada à parede, que ou ele abandonava aquela vida e se iam embora dali, Nápoles, ou ela o abandonava a ele. (Seria um ponto interessante a explorar, futuramente.)

 

O gangue “Sangue Azul” conquistou a independência e também ficou como um grupo relevante.

 

De entre “Os Confederados” as cabeças foram todas cortadas, Don Rudgero, de forma macabra, por dois irmãos, que ocupavam lugares subalternos naquelas hierarquias criminais, mas, desse modo, terão ascendido às cúpulas. (Não lhes fixei os nomes.)

 

(Não me apercebi bem o que aconteceu a Patrizia nem a Scianel, nem outros personagens menores.

Também não se perde nada com isso!

 

E volto ao que já frisei anteriormente.

 

Quando se equacionarão, oficialmente, políticas realistas para tratar estas problemáticas das drogas de um modo diferente?!

Que a forma como o assunto é tratado, deveras complexo, é certo, não tem resolvido de nada o problema.)

 

 *******

(Nota Final:

Caro/a Leitor/a

Espero que tenha gostado!

Ah! E não se esqueça que recomeçaram "Uma Aldeia Francesa".)

gomorra-3a-t-veneno-que-mata

gomorra-o-ressurgimento

gomorra-serie-rtp2-reposicao

serie-italiana-na-rtp2

 

“Gomorra” - 3ª T. - 'Veneno que mata'

 

3ª Temporada

Séries Europeias

Série Italiana

Nápoles e Vesúvio in. pt.dreamstime.com

A RTP 2 inicia este novo ano de 2018, logo no segundo dia, com uma série que entra na sua 3ª temporada: Gomorra.

 

(No dia um, também apresentaram um excelente filme cuja ação também decorre em Nápoles: “Reality”. Também do realizador do filme “Gomorra”: Matteo Garrone.

Uma metáfora da vida real e de como um aspirante à participação no “Big Brother” italiano, “Gran Fratello”, de nome Luciano, frustrado pela sua não seleção, mas sempre convicto que iria participar mais tarde ou mais cedo, molda e adapta toda a sua vida segundo essa expectativa, a ponto de se alienar da realidade e viver em função dessa aspiração e sonho. Que, pelo que li, se baseia num facto real. Ironias do Destino em que a ficção e o mundo virtual comandam o real!)

 

Em Gomorra também realidade e ficção parecem não se distinguir.

Todo um veneno que corrói cada personagem. E é o veneno que os leva a matar mesmo os familiares mais chegados.

 

No final da 2ª temporada, Dom Pietro Savastano fora morto por Ciro de Marzio, a mando do filho daquele, Genaro Savastano, Genny, numa ação muito para além da assunção do controle do “território” do pai. O príncipe que quer o poder do rei, assumir o seu papel, um vinho envenenado bebido duma tragédia grega ou dum drama shakespeareano.

Personagens transfigurados, Ciro e Genny, aliados, vestidos de negro, barbas crescidas de luto por Dom Ciro, como corvos buscando carniça, irão dividir entre si o território dos negócios associados às drogas?

Ciro “agarrado” a Nápoles?

Genny, de visão mais alargada, prepara-se para se lançar em mais aventuras além de Roma.

Outros mais poderosos, que não sujarão tanto as mãos na carniça, Dom Anillo, acompanhado dos netos e Dom Eduardo Arenella, negoceiam com Genaro a divisão territorial.

Lembram a emergência do controle da zona norte de Nápoles, agora desguarnecida da autoridade de Dom Pietro e do seu clã: um exército dedicado ao crime, subitamente sem chefe.

Comentam os bairros mais rentáveis…

Todo um clã sediado num território que “governa” a seu bel-prazer, segundo leis e regras próprias, como se fossem os antigos príncipes dos reinos italianos.

 

Das autoridades estaduais, do Estado Italiano, nem vislumbre de ação!

 

Ambiente de ação da narrativa: os bairros degradados ou as modernas construções sem qualidade onde moram os cidadãos, todos vivendo à volta do mundo dos negócios ilícitos, consumidos no vício das várias drogas, que querem espalhar e alargar a outros horizontes.

De parte da população, pelo menos na série, não se percebe um qualquer contestar da situação. Pelo contrário, ainda agradecem quando os “Dons …” arranjam “trabalho” para os maridos ou filhos.

Aceitam como natural um modo de vida em que sempre se terão encontrado.

 

Os chefões da droga, pelo menos os que vivem em Nápoles fazem questão de viver nesses mesmos bairros, aonde também estão mais protegidos, como no seu feudo; em casas exteriormente tão ou mais degradadas que as dos seus soldados, clientes e apaniguados, mas interiormente extremamente luxuosas. De um luxo mais ou menos sofisticado ou cabotino, conforme a sua ascendência social e cultural.

 

Genaro faz questão de viver em Roma, também em luxuosa moradia, mas moderna, sofisticada e bem situada na capital. De onde controla os seus negócios, que pretende expandir e alargar, a partir do porto de Nápoles.

Agora, pai de um recém-nascido, aliás supremamente extremoso, marido exemplar, preocupado com a família e apaixonado, dialoga com a esposa sobre as suas ações, o ser mandante da morte do próprio pai. A mulher aceita com calma naturalidade a situação.

(A prisão do seu próprio pai, por denúncia de Genaro, o marido, já víramos que por ela também fora facilmente incorporada no seu modo de vida habitual. Como se fosse a coisa mais natural deste mundo.)

E responde-lhe a moça, que ainda não lhe fixei o nome: “Agora somos só nós, Genaro. É isso que importa!!”

 

E o que importa também realçar é que o seriado, pelos vistos, tem tido sucesso, que os produtores se arriscaram numa nova temporada. Estes enredos sobre crimes são quase sempre bastante apelativos!

 

Ainda e para terminar os comentários sobre o conteúdo genérico da trama, frisar a típica religiosidade dos personagens.

Uma prática supersticiosa, cheia de fausto e aparato, em que se destacam os funerais e as procissões. Estas são oportunidades para ver e ser-se visto, encenações de expiação pública dos pecados assumidos, de maceração dos corpos, mas também ocasião para ajustes de contas, trágicos e aterradores. Estes são lições, exemplos e mensagens, para a comunidade!

Sempre presente o Culto da Morte, oportunidade para exacerbar esse modo de cultivar a religião!

 

Gomorra-serie-rtp2-reposicão

Imagem - in. pt.dreamstime.com

"Modus / A Teia" – Série Sueca

Temporada 2

RTP2

 

Modus Temporada 2  in. www.cineytele.com

 

Neste final de Dezembro, a RTP2 apresentou a segunda temporada desta Série Sueca.

 

O tempo da narrativa reporta-se à atualidade.

(Tão atual, que, inclusivamente, esta segunda temporada foi estreada este ano e, pelos vistos, a RTP2 conseguiu transmiti-la quase ao mesmo tempo que no país de origem. Também neste ano a findar haviam transmitido a primeira temporada.)

 

Interessante que esta 2ª temporada se desenrole em torno do desaparecimento de uma suposta Presidente dos EUA. (Opção quase concretizável recentemente e que muitos analistas reportam como possível a breve trecho. Hillary não conseguiu. Há quem refira como provável, futuramente, Michelle.)

Como teoria dominante dos investigadores americanos para a causa desse desaparecimento é apontado o Daesh, excluída a Rússia ou outros países…

 

A ação decorre maioritariamente em Estocolmo, durante uma breve visita, de fim-de-semana, a caminho da Alemanha, da Presidente dos Estados Unidos da América, que vivera na capital da Suécia, há quase vinte anos, quando o marido fora leitor na Universidade de Estocolmo.

Aí também teria sido concebida a filha de ambos…

Pressupostos para uma breve visita idílica, de sonhos cor-de-rosa, a serem devidamente explorados pelas revistas da especialidade…

 

Só que o enredo é de todo menos colorido. E os sonhos foram pesadelos.

E porquê?

Porque a presidente esconde um passado traumático, e algumas dessas situações perturbantes ocorreram precisamente na cidade de Estocolmo.

E é a exploração desse passado escondido da Presidente que terá sido o imbróglio primordial para o seu desaparecimento, apesar das teorias de conspiração dos organismos oficiais apontarem para as “Forças do Mal” habituais da atualidade, como já mencionado.

 

Alguns dos momentos chaves da ação ocorrem numa antiga fábrica de cimento, situada numa zona de florestas, já desativada e em vias de ser implodida. Espaços sombrios, pós-industriais, degradados…

 

Particularidades “modernas” desta série: a personagem principal, o núcleo primordial da narrativa, a centralização do enredo, situam-se e giram à volta de mulheres.

Mulheres com poder!

Mulheres que agem e controlam esse poder que possuem, tal qual os homens: com a mesma força, igual determinação e persistência, focalização nos objetivos…  também, por vezes, não olhando a meios para atingirem os fins. E tanto para o bem, como para o mal. Carne da mesma carne!

A personagem principal, Inger Johanne, já com duas filhas, de um casamento anterior, psicóloga comportamental, gravidíssima, do seu companheiro atual de vida e de profissão: Ingvar Nyman.

Inger trabalhou nos EUA, integrando o FBI como colaboradora.

Para este caso complicado, foi novamente chamada para trabalhar com a polícia de investigação sueca, tal como na 1ª temporada, para ajudar na descoberta do paradeiro da Presidente dos EUA, Helen Tyler, que de forma surpreendente desapareceu do “alojamento” onde estava super guardada, no Almirantado sueco, junto ao porto.

E este é o móbil da trama: descobrir, localizar a presidente, que, supostamente de livre vontade, conseguiu escapulir-se do Almirantado, sem ser detetada, através de um túnel desconhecido, disfarçado atrás de uma porta falsa, incrustada numa pintura de uma antiga princesa sueca.

Nessa busca agem os serviços policiais da Suécia, Polícia Nacional, e dos EUA, FBI, relativamente em convergência, também de forma paralela, e até em rivalidade e algum ressabiamento, dado o típico complexo de superioridade do poderio americano.

Em ambos os serviços policiais também se observam profundas divergências e conflitos de personalidades narcisistas e super egóticas.

 

Uma dessas personagens que tudo faz para alcançar os seus objetivos é Warren Schifford, atualmente assessor da presidente e que, nos EUA, supervisionara o trabalho de Inger, como seu mentor, quando esta lá estivera, quatro anos atrás. E que a destratara física e psicologicamente.

Situação que nos foi apresentada no início da temporada, ao longo da mesma e no final, quando, cara a cara, Inger lhe referiu que apresentara queixa contra ele na Suécia. De algum modo, esta atitude libertou-a do trauma vivido e que ao longo dos episódios foi sempre surgindo no desvendar do enredo e foi contaminando a investigação.

Intencional e propositadamente da parte do americano, figura execrável, apesar de muito inteligente e perspicaz.

 

Não vou, propositadamente, dizer que situação foi essa, nem como a presidente foi encontrada, nem as peripécias envolvidas.

Apenas digo que vale a pena ver a série, da qual foram passados oito episódios. Não sei se já terminou, pois ficaram muitos aspetos por desvendar. (Mas acho que terminou!)

 

O que fez a presidente sair da sua “toca”, sem que os “mastins” que a guardavam se apercebessem… percebemos. Tinha a ver com uma mensagem manuscrita, sobre a sua própria filha, Zoe.

Mas a onde se dirigia? E para falar ou se encontrar com quem?!

Sabemos que foi um dos seus guarda-costas mais experientes, que a levou secretamente. Mas porque a colocou na fábrica de cimento à beira de ser destruída?!

E como irá reagir a filha Zoé, após saber que não é filha da mãe, Helen?!

Virá a relacionar-se com a avó?

 

(Estas e outras dúvidas ficarão para serem esclarecidas em futura temporada?!)

 

Também sabemos quem foi o mentor, o mandante à distância, dos crimes envolvendo indiretamente a Presidente e o “Primeiro Cavalheiro”!

Um árabe, vivendo em Londres, também na América, e mais americano que os americanos: Troy, como o designava Warren.

Também percebemos as suas motivações.

Também sabemos que foi ele que teceu o desaparecimento temporário da Presidente dos USA!

 

Também muito fica por contar…

 

E um convite à visualização da Série. Logo que possa.

E que haja uma 3ª Temporada.

 

(E também acrescento que na política sueca, no contexto do seriado, também uma mulher, a Ministra da Justiça, jogou no xadrez governamental com o Primeiro-Ministro, e deu-lhe xeque. Mate?! Só saberemos se houver outra temporada.

E a nível da Polícia Nacional também as mulheres teceram as urdiduras da “Teia”, para o Bem e para o Mal, conforme já frisado.)

 

Outras Séries:

 Jordskott-serie-sueca-na-rtp-2

O-gerente-da-noite-the-night-manager

Serangoon-road-tv-serie

Gomorra: o Ressurgimento

Série Italiana - 2ª Temporada 

Séries Europeias na RTP2

vesúvio adormecido in. romeportshuttle.com

 

Há algum tempo que não escrevo sobre séries. Tenho visto algumas que a RTP2 tem transmitido, originárias de vários países europeus, mas não tenho escrito sobre elas.

 

Agora retorno. Com o retornar de “GOMORRA” na segunda temporada, iniciada na passada sexta-feira.

 

Novamente uma série italiana, após a transmissão de “1993” e anteriormente “1992”.

Em ambas, os assuntos fulcrais da vida italiana, nesses dois anos carismáticos.

A política, a baixa política, o surgimento de novos partidos e pretensos novos políticos; os negócios obscuros, as negociatas políticas, económicas e financeiras, a corrupção a todos os níveis; o mundo do crime tão presente em Itália, a sua ligação ao mundo político; questões sociais prementes na altura, caso da SIDA, o sangue contaminado importado e negociado; o julgamento de políticos e mafiosos, a luta de magistrados honestos para os levarem a Tribunal e cadeia… a publicidade e sua importância na criação de factos e políticos, o mundo do espetáculo, e dos media, especialmente a televisão, como forma de manipulação das massas… a célebre “Operação Mãos Limpas”…

 

Em Gomorra”, essas mesmas problemáticas estão presentes ou latentes, mas destacadíssimas e exacerbadas as questões referentes ao mundo do crime e das drogas. A criminalidade violenta elevada ao seu clímax máximo!

 

Ciro, na sua ânsia de poder, dinheiro, notoriedade, de ambição e grandeza de menino pobre, alia-se a Dom Salvatore, no controle do negócio da droga e espalha o medo aterrador, mesmo entre os seus mais próximos e num ato tresloucado de desespero, mata a própria esposa, mulher que ama e mãe de sua filha que adora!

A sua luta contra o clã dos “Savastano” mergulha Nápoles no terror!

Genaro e Dom Pietro irão voltar…

 

vesúvio erupção in. pisanieprac.info.jpg

Sobre esta série já escrevi sobre a primeira temporada. Dada a loucura assassina que irá certamente caraterizar o seriado, não sei se voltarei a escrever sobre o mesmo.

De qualquer modo, em princípio, irei acompanhando.

 

*******

Já que voltei a falar de Séries, lembrar algumas das que passaram na RTP2, que visualizei, apesar de não ter escrito sobre elas.

 

A mais recente, uma série sueca: “A Teia”.

 

A 2ª temporada de “Fortitude”.

 

Duas interessantes séries alemãs, sobre a História recente da Alemanha:

Amor em Berlim” e “Irmãos e Rivais”. Reflexões pertinentes da Alemanha sobre a sua própria História de algum modo, um “esconjurar e libertar” do seu passado! Um apaziguamento necessário e imprescindível!

 

E houve também a reposição de “El Princípe”.

 

(…)

 

Ah! E está também a ser transmitida, semanalmente, uma série histórica sobre Maximiliano de Áustria. Não perco os episódios aos domingos, no horário habitual, após o Jornal Dois, pouco depois das 22h. 

 Gomorra-veneno-que-mata-

 

(Imagens: In. romeportshuttle.com

In. pisanieprac.info)

“O Gerente da Noite” - “The Night Manager”

Série Britânica

RTP 2

 

Night manager in. amc.com

(Imagem: in. amc.com) 

 

A RTP2 continua na senda de apresentação de boas séries.

 

A atual, “O Gerente da Noite”, uma mini série de raiz anglo-saxónica, igualmente enquadrada no mundo da espionagem atual.

Como a anterior: “Agência Clandestina”, série francesa, concluída 2ª feira, 04/09, a 3ª temporada. Com o lendário agente Malatrou / Paul Lefebvre que, mais uma vez, se escapou das redes das prisões em que se enredou, perdendo-se no nevoeiro de uma madrugada ainda por nascer, acompanhado apenas do seu cão, fiel amigo.

Reportando-nos, sugestionando-nos, uma 4ª temporada?

Antes, apresentara-nos também duas excelentes séries, essas alemãs: “Amor em Berlim” e “Irmãos e Rivais”.

 

Como tenho andado numa de pouco escrever, por variadas razões, não publiquei nada sobre elas.

Retorno, debitando sobre esta nova série, que promete.

Título original: The Night Manager”, baseada em novela de John le Carré. Com atores muito conceituados. E da BBC One (UK), em parceria com AMC (US).

 

Alguns personagens:

Mrº Pine, Jonathan, o gerente da noite, em hotéis super estrelados e locais internacionalmente relevantes. O herói. Antigo soldado no Iraque, onde presenciou horrores; atualmente, candidato a espião ao serviço de Sua Majestade (?), sob o disfarce de gerente da noite em hotéis de luxo. Ator: Tom Hiddleston.

Mrº Richard Roper, ator Hugh Laurie, no papel de um “senhor da guerra”, personagem representativa de figuras reais, que, na sombra e a coberto de capas impolutamente honestas, “vendem destruição, dor e morte”. “E gostam”.

 

Estas últimas palavras, realçadas, são da personagem Miss Sophie Alekam, de nome verdadeiro Samira, tragicamente assassinada no final do 1º episódio, por ter sábia e corajosamente denunciado o conluio entre o senhor das armas e os senhores do poder!

Atriz: Aure Atika, que, na série “Les Hommes de l’ombre”, representou o papel de secretária do Presidente francês.

 

Ação

Temporalmente, no 1º episódio, reportou-se a 2011.

No final do episódio, situou-nos quatro anos depois: 2015.

 

Espacialmente:

Para além de Inglaterra, Londres, a maioria das cenas ocorreram no Egipto, Cairo. Predominantemente no Hotel Nefertiti, onde Mrº Pine desempenhou as funções de gerente dos serviços noturnos, como convém a um candidato a espião. Um dos seus muitos eus, como lhe frisou Miss Sophie Alekam.

 

A narrativa contextualizou-se no âmbito da designada “Primavera Árabe”, na queda do regime de Mubarak, o povo lutando nas ruas da cidade.

(E no que deram as “primaveras árabes”?!)

 

Por detrás ou pela frente, sempre, os “senhores da guerra”, amancebados com os “senhores do poder”.

 

E, no final do episódio, quatro anos após, a ação já localizada na Suíça, Zermatt, hotel por demais luxuoso, Mrº Pine em funções noturnas. E para se hospedar, com adequada e certamente impoluta comitiva, Mrº Richard Roper.

 

“Sou Mrº Pine. Sou o gerente da noite!”

 

Mrº Roper franziu as sobrancelhas e a testa. Atestou! Que a memória terá começado a processar a informação…

 

(…)

 

A mini série promete! Já o disse.

 

*******

 

Promete e vale a pena, como temos observado nos episódios subsequentes.

 

(Este post era para ter sido publicado logo após o 1º episódio, mas questões técnicas impediram tal facto. Entretanto passaram os quatro primeiros episódios, não tendo visto o último.

O 2º e o 3º corresponderam plenamente às expectativas.

Mrº Pine, Pinheiro, está em vias de se infiltrar na comitiva e entourage de Mrº Roper.

Prossigamos na visualização…)

Serangoon Road (TV Serie) 10º Episódio (Final)

Série Australiana – Singapuriana

(Epílogo)

serangoon.jpg

 

RTP2

Prólogo:

 

Terminou ontem a série “Serangoon Road” no décimo episódio. Não se prevê continuação. Não posso dizer que tenha sido desinteressante, que não foi, via-se com bastante agrado, mas era uma narrativa algo previsível, sem grandes rasgos de novidade, estruturando-se em esquemas narrativos habituais, neste modelo de seriado. Mas era de um conteúdo fresco e claro, não desnecessariamente rebuscado e de fácil leitura e entendimento.

 

Não foi, todavia, ou por isso mesmo, que não sei, uma série que tenha caído no goto dos espetadores. Na habitual estatística dos blogues do SAPO, nos dados dos últimos trinta dias, aparece apenas em 13º lugar, atrás de outros temas e de outras séries que já passaram há mais tempo na RTP2: "Código do Crime", "Hospital Real", "El Princípe", "A Mafiosa", "A Fraude". (Interessante: parece que as séries giram todas à volta de crimes!!!)

 

(Nas estatísticas destes últimos 30 dias, verifica-se uma relevância nos posts de Poesia dedicados à "Mãe". O que é óptimo, com p! E também “Follow Friday”.)

 

Desenvolvimento:

 

Mas vamos então ao conteúdo do episódio e da série.

 

Neste, talvez por ser o derradeiro, a estruturação dos casos, em caso particular / específico e caso geral, coincidiu.

O objetivo foi dar-nos a conhecer sobre o assassinato de Mrº Winston Cheng, de que já sabíamos algo.

 

O homem de mão foi efectivamente Lee Kim Fong.

 

Mas quem foi o mandante? Às ordens de quem trabalhava este jovem assassino? E o serviço que Mrº Cheng estava a realizar era encomendado por quem? (…)

 

Foi um descascar de cebola. A tríade de detetives, Sam, Dona Patrícia, Sue Ling, ajudada por Kang, que já reatou a amizade com Sam e pela jovem namorada de Winston, última pessoa conhecida que o vira vivo, esta trindade, transformada em quinteto, foi descobrindo, pouco a pouco, como as coisas se passaram.

Por detrás do assassino de mão, estava o célebre empresário dos amores frustrados, James Lim e coadjuvante ou acima deste, o jovem chefe da sociedade secreta “Dragões Vermelhos”, Kay Song, sendo que ambos eram sócios. Paralelamente ou mexendo os cordelinhos também, ainda que não diretamente relacionado com o assassinato, estavam os serviços secretos da nova potência em ascensão, aproveitando o vazio a surgir, pela abalada dos britânicos, isto é, a CIA, na pessoa do respetivo chefe, Wild Bill.

 

Desconhecedor de toda esta tramoia estava “O Tigre”, o velho chefão da sociedade secreta dos “Dragões”, “O Avô”.

 

A este foram apelar, reverenciosamente, Sam e Patrícia, na ânsia de descobrirem a verdade, de ser feita “justiça”, ainda que à moda de Chinatown e face às ameaças simbólicas e factuais a que Dona Patrícia fora sujeita.

 

Foi uma macabra oportunidade para presenciarem, observarem e aprenderem, sobre o funcionamento, as regras, as leis, o modus operandi daquela sociedade secreta e sobre quem efetivamente manda e irá continuar a mandar, naquele submundo e concomitantemente na própria superfície da Cidade.

 

Kay Song, o neto obediente e extremoso, face à oposição do Avô, relativamente ao seu comportamento e atitudes, e à sentença que este lhe ditara, não esteve com meias medidas e, na frente de todos, não teve pejo em sufocar, lentamente, o progenitor com uma almofada, assassinando-o, conquistando-lhe o poder e mostrando, aos presentes e testemunhas, do que é e será capaz futuramente.

Para todos os efeitos declarou solenemente que o Avô sofreu um ataque cardíaco e que os presentes são disso testemunhas! Pediu-lhes para saírem, que queria fazer o luto, enquanto queimava os documentos comprometedores que os detetives levavam e o incriminavam.

 

Sabemos quem matou, direta ou indiretamente, o dono da “Agência de Detetives Cheng”. Herança para Dona Patrícia e seus colaboradores que, a darem-lhe continuidade, também saberão que regra de ouro será não aceitarem casos que envolvam sociedades secretas.

 

E, no final, ficámos a ver Dona Patrícia e Sam a contemplarem o fogo-de-artifício comemorativo do “Festival da Lua”. Antes houvera a “Festa de Celebração da Família” e todos se divertiram também, evocando Winston, que era assim que ele gostaria. Sue e Conrad também se alegraram, como jovens que são, e futura família a constituir. E Kang e a mulher também deram azo à sua expansão comemorativa.

Sam lembrava a sua amada Claire, que se preparava para partir.

Por ordem de Dona Patrícia, foi despedir-se dela, na esperança de a trazer para o seu quartinho de Chinatown.

 

Ilusão a dele, que a moça, apesar das juras de amor eterno de ambos, face às expectáveis mordomias do marido, Frank, não teve dificuldade em escolher, apesar de algumas hesitações dos guionistas, para nos deixarem nalgum suspense.

Já o carrão do marido a seguir viagem e ela planta-se na sua frente. Parado este, seguem ambos a caminho do barco que os levará para a Europa.

Boa viagem!

 

Quem também estará de viagem será Mrº Miller, do M16, que com a ajuda preciosa, mas traiçoeira, de Harrison Conrad, que lhe terá fornecido dados sobre o Vietname, conseguiu ser transferido para Washington. Certamente também promovido, pelo menos para melhor posto!

 

Em contrapartida, que isto são os alcatruzes da nora, uns sobem, outros descem e o chefe da CIA, Wild Bill, também foi chamado para os EUA, mas não me pareceu que pelas melhores razões. Que ele apercebeu-se da “traição” de Conrad, provavelmente não a podendo provar, mas deixou-lhe profecia: “Quem semeia ventos, colhe tempestades…” e interpelação: “O que vê quando se olha ao espelho, Harrison?”

 

Mas deixemo-nos desta considerações proféticas e interpelativas, que ainda nos falta dizer que quem contratou Mrº Winston Cheng no trabalho de investigação foi o irmão do empresário de amores frustrados, o professor, ligado aos sindicatos e que está preso por esse motivo, mas que foi uma ajuda preciosa para os investigadores da Agência. Indicou que só o irmão saberia exatamente quem matara e porque mandara matar Mrº Winston.

E Sam e Kang souberam e também assistiram à morte macabra do empresário, que foi decapitado, na frente de ambos, pelo assassino cruel e sanguinário, Lee Kim Fong.

 

(...)

 

E por aqui me fico. Que fica muito por contar.

Porque a narrativa era muito mais complexa do que aparentava.

Porque reescrever, sobre o que outros contaram, não é assim tão fácil.

Porque eu não estou nem pretendo fazer, ou refazer, o romance.

Porque, apesar de aparentemente leve, o conteúdo, por vezes, era pesado.

E porque isto é apenas um post, num blogue…

E porque quero publicar e tratar de outros assuntos que preciso.

(…) – (…)

 

Mais uma vez, que nunca é demais, o meu Muito Obrigado, se me acompanhou até aqui!

 

 

 

Serangoon Road (TV Serie) - Episódios 8 e 9

Série Australiana – Singapuriana

 

RTP2

 Serangoon road in. frontrowfeatures.com

 

Nestes dois episódios, antepenúltimo e penúltimo, prossegue a narrativa da série, estruturando-se no modo habitual.

 

O caso particular do episódio oito assentou em duas meninas australianas que resolveram sair do continente-ilha, almejando chegarem a Londres pelos seus próprios meios, a bordo de um navio, “Orion Star”, inconscientes dos perigos desnecessários a que se sujeitavam.

Pelo meio, foram ameaçadas pelo comandante, raptadas por um “Falcão” tatuado no braço de um ladrão de rua, puseram-se em perigo na sua leviandade, houve recurso aos serviços da “Agência Cheng”, cooperação de Sam, e, no final, uma das moças, conivente no seu pretenso rapto para obter dinheiro, chantageando o pai da amiga, acabou por ser encontrada no jardim zoológico de Singapura a contemplar a verdura do arvoredo!

 

No caso geral, busca de pistas sobre o assassinato de Winston Cheng, a viúva, Dona Patrícia, acabou por se cruzar com a rapariga de vestido claro, que lhe fora deixar o relógio de bolso numa sacola, junto à porta da Agência e ao falar com ela, veio a saber que a jovem fora mais que amiga do marido, de quem tinha um filho de quatro anos, função maternal que cumprira a contento de Winston, que Dona Patrícia é estéril.

A moça apenas quer ajuda para criar a criança, não sei se Dona Patrícia se comoveu e irá auxiliar e sobre novas pistas acerca do assassinato também não se adiantou muito.

 

Sam andou, como sempre, numa fona a desatar os nós dos enredos dos casos peculiares, pouca assistência deu a Claire Simpson, nem lhe pode oferecer qualquer futuro estável. Isso mesmo lhe diz ele, após ter saído da curtição no opiário e também Lady Tuckworth alertará a rapariga para esse futuro sem saída com o detetive de Chinatown.

No episódio nove, a Lady reforçará esse facto junto do rapaz, quando este se dirige à recepção da Delegação Australiana, que, afinal, o edifício luxuoso é da representação austral e não americana, como eu julgava.

 

Pelos vistos, Claire seguiu os conselhos de Lady, não é qualquer uma que tem a sorte de ouvir bons conselhos de uma Lady, e, já no final do episódio nove, como chamariz para o décimo, ouviremos Frank, marido de Claire, a dar conhecimento a Sam de que o casal iria viajar junto, para a Europa.

O marido fez muito bem em dar conhecimento ao detetive, não só porque compartilharam a mesma mulher, como, sendo ele detetive, nunca se sabe não iria Sam andar a vasculhar do paradeiro de sua amada. Assim já ficou a saber, não precisa de procurar!

 

E sobre americanos e paixonetas, lembramos Conrad, jovem agente da CIA e apaixonado por Sue Ling, que por esse enlace se deixou enlaçar nos novelos e chantagens do M16, na personagem de Mrº Miller, a quem ficou de fornecer informações dos serviços secretos americanos, o que ele cumpriu.

No episódio nove, já farto das exigências e caprichos daquela raposa matreira, praticamente mandou-o às urtigas, deixando o último envelope, supostamente sobre o Vietname, no chão.

 

E já que falei várias vezes sobre o nono e penúltimo episódio, falta-me abordar a especificidade do caso habitual.

 

Também desta vez envolveu australianos.

Uma jovem e promissora jornalista australiana foi achada esfaqueada na cama com um amigo de Sam, um aborígene herói da segunda guerra, Robert Collier, Robbo, sem que este se lembrasse de nada.

Acusado e preso, o assunto deu pano para mangas, chamou a atenção do jornalista Macca, do chefe da Delegação Australiana, certamente embaixador e lá esteve Sam e a firma detectivesca a resolverem o caso.

Só a paciência, crença e confiança absoluta de Sam no amigo e salvador do tempo da ocupação japonesa, possibilitou ao ex-soldado herói salvar-se da forca. Que muitas forças ocultas, em que os preconceitos racistas dominavam, o ex–soldado é negro aborígene, direcionavam-no para morte certa.

Afinal, o verdadeiro assassino da jovem fora um Lee Kim Fong, que assim impossibilitou a concretização dos sonhos de uma talentosa jornalista, que não chegou a sê-lo nem demonstrá-lo.

 

E também se deduziu que esse mesmo destrambelhado pode ter sido o assassino de Mrº Winston Cheng.

 

E por aqui me fico, nesta estória, contada de modo tão parcelar. Por hoje! Que está para começar o décimo e último episódio, que quero acompanhar.

Não foi um seriado muito interessante, mas viu-se com agrado.

 

 

Serangoon Road (TV Serie) - Ep.s 3 … 5, 6, 7

Série Australiana – Singapuriana

 

RTP2

 

Serangoon road in. tvwise.co.uk.jpg

 

A série continua na sua saga, que não é assim tão longa, pois as produtoras, pelos vistos, só lançaram uma temporada, na dimensão mais estandardizada, que são dez episódios!

A ação decorre, quase exclusivamente, espacialmente em Singapura e, de facto, temporalmente em 1964, quando aconteceram os célebres conflitos raciais e religiosos.

O episódio três enquadrou-se, na sua narrativa, no âmbito e no meio dessas ocorrências de conflitos entre as comunidades malaia e chinesa.

 

Sam Callaghan, de origem australiana, mas vivendo na Cidade, à data, ainda em vias de se separar da Federação Malaia, é um de entre os milhares de cidadãos de múltiplas origens, a viverem em Singapura e que irão constituir a base do “melting-pot”, que estruturá a nacionalidade da futura Cidade Estado e é, atualmente, a base da sua identidade.

É o personagem principal, herói da narrativa, sempre em busca de “boas” realizações, membro ativo da firma de detetives,  “Cheng Detective Agency”, dirigida por Dona Patrícia Cheng. (Dona é a forma de tratamento que acho dever atribuir-lhe.)

Su Ling, sobrinha de Dona Patrícia, não sei se de sangue, se por afinidade, é outro dos elementos ativos e imprescindíveis da equipa.

Constituem uma trilogia fundamental e peculiar, irmanada na resolução de casos mais ou menos difíceis, em que se empenham como almas de anjos de bondade e altruísmo, aspergindo um pouco de harmonia num mundo tão desencontrado. Fazem a sua parte no extinguir dos fogos, tal qual o colibri! Sempre na defesa dos mais fracos e dos que “tiveram algum azar na vida”!

Kang, de quem Sam é sócio na firma de import/export, de garrafas de uísque, galinhas, discos dos Beatles e dos Rolling Stones, e do que vier à mão e possa ser transportado no barco da “empresa”, acaba por ser também envolvido nas pesquisas detetivescas, ainda que não seja da sua especial  apetência.

Mas Sam, emparelhado com as suas parceiras, consegue, com a sua bonomia, envolver nas suas pesquisas as personagens mais improváveis.

 

Em cada episódio, empenham-se construtivamente na resolução, pelo lado mais optimista de entre os possíveis, de casos que lhes vão indo parar às mãos na Agência.

Paralelamente, vão progredindo nas pistas sobre a morte de Winston Cheng. Preocupa-os o último caso em que ele estava a trabalhar, questionam-se sobre a eventualidade do envolvimento de sociedades secretas, que era uma premissa que Winston equacionava sempre, não aceitando casos em que elas estivessem enquadradas.

 

Uma das recentes pistas, ou sinal eventual, apresenta-se num relógio de bolso, com foto de um casal, (Winston e Patrícia ?) que uma moça mostra a uma colega, num bar em Chinatown, no final do episódio três.

Ao findar o episódio seis, esse mesmo relógio será deixado, num envelope, à porta da Agência, por uma senhora, encoberta por lenço e sombrinha, um vestido claro, alegre e vistoso, que Dona Patrícia apenas conseguiu ver ao longe, no dealbar da esquina da Rua.

 

Assim se vai desenvolvendo o enredo: resolução de caso peculiar, em cada episódio e avanços, mais ou menos significativos, no caso mais geral.

 

No episódio três, o pano de fundo da temática enquadrou-se nos tristemente célebres conflitos raciais e religiosos, “racial roots”.

O caso particular incidiu nos novelos de um amor impossível, documentado fotograficamente por Winston Cheng, entre um rico empresário chinês, viúvo, James Lin (?) e uma senhora casada, Susana Chong (?), da alta sociedade singapuriana, mulher de um político proeminente.

 

Dona Patrícia Cheng, na sua ânsia de descobrir pistas sobre o assassinato do marido, Winston, e na posse dessas fotografias enigmáticas e parcelares, destemida e serenamente, não receou avançar, num riqueshaw, por entre a turba multa…

E foi mais um conjunto de situações rocambolescas em que os detetives particulares se envolveram… e resolveram.

 

Sempre à espreita, a espionar e espiolhar, estiveram as agências oficiais, CIA e o M16, este na pessoa da raposa matreira, Mrº Miller, que tudo espia e manda documentar fotograficamente.

Mais disfarçadamente, que até agora ainda os não vimos, estarão também os serviços secretos dos russos, dos chineses…

(…)

 

No episódio cinco o assunto principal incidiu sobre a falsificação de um remédio de combate à malária, cujo componente principal era traficado e posteriormente diluído, de modo a surtir menos efeito debelador da doença. Paralelamente, era transacionado no mercado negro, a preços elevados, o remédio original e eficaz, a que só podiam aceder os que tinham posses.

Nesta falcatrua estavam envolvidas, uma empresa farmacêutica de marca e renome, a empresa do marido de Claire Simpson, a West Pacific e todas as empresas a ela ligadas, australianas, americanas, inglesas; um gangue de criminosos, a própria polícia e o M16, central de espionagem inglesa.

O papel de cada um deles era diferenciado e contextualizado, mas estavam todos enrolados no mesmo esquema de falcatrua e corrupção, mais direta ou indiretamente.

 

Para atacar esta tramóia, mais uma vez, esteve a equipa da firma “Cheng Detective Agency”, que, neste caso, teve a colaboração de Claire Simpson, pela primeira vez contactando com a verdadeira realidade de miséria em que viviam os aldeãos que trabalhavam na firma do marido. E para os interesses escondidos em que se moviam os seus detentores.

(…)

“- A senhora expõe-me e eu exponho-a a si.” Disse Mrº Miller, o chefão do M16, para Claire Simpson, quando esta se dispunha a divulgar esses interesses conluiados.

(…)

 

No episódio seis a temática envolveu diretamente a sociedade secreta “Dragões Negros”.

Uma jovem, Hue Lin, neta do ancião do clã e irmã do atual chefe operacional, Kay Song, após dada como desaparecida e as consequentes preocupações dos interessados, foi localizada morta, a boiar num braço de rio.

Paralelamente, junto à porta da Agência, Dona Patrícia encontrou uma caixa de madeira, de transporte de mercadorias, contendo uma criança recém nascida, vivinha da costa.

Terão os dois factos algo em comum?!

(…)

Após Sam ter conhecimento pelo chefe da polícia, Amran, um funcionário chinês, que, apesar da sua condição de policial, sempre consegue ser prestável com Sam, de que a rapariga não morrera afogada, que a morte ocorrera antes, resultante de complicações de parto… os dois factos são ligados pelos detetives e todo um processo de investigação entrou em curso.

E, uma vez mais, a “nossa” “Agência de Detetives Cheng”, resolve o caso o mais satisfatoriamente possível.

(…)

Habitualmente, cada episódio enquadra-se num contexto cultural específico da Cidade e da narrativa e, neste, contextualizava-se em China Town, bairro dos chineses e numa sua festividade, o “Festival Chinês do Espírito Esfomeado”.

E uma criança jurou a pés juntos à sua mãe que vira esse “Espírito Esfomeado” na pessoa de Sam.

(Não admira, pois é mesmo esse ar que ele muitas vezes aparenta. Na cultura ocidental chamar-lhe-íamos “Alma Penada” / “Alma Perdida”!)

 

O episódio sete enquadra-se nas lutas políticas e partidárias, desta fase crucial de Singapura e no papel dos vários agentes e interesses envolvidos. (Não necessária, nem apenas ideológicos, mas também nesta perspetiva e nas lutas geoestratégicas subjacentes, pelo contolo de uma cidade charneira, num espaço em convulsão geopolítica internacional, em plena guerra fria. Confronto entre ideologias e interesses: económicos, financeiros, … envolvendo britânicos, americanos, australianos, russos, chineses, malaios...)

A luta dos independentistas, o papel dos sindicatos, a perseguição aos comunistas, …

 

Neste episódio reaparece o personagem do empresário chinês, do amor impossível pela dama da alta sociedade, James Lim, que pretende que a “Agência Cheng” encontre o irmão, o Professor Lim Chee Kit, acusado de ser o mandante de uma ação bombista, que apenas destruiu, simbolicamente, um brasão da Cidade e cujo efeito mais devastador foi o de ter impedido a ida ao cinema, do parzinho amoroso Conrad - agente da CIA e Sue Ling - agente de “Cheng Agency”.

(…)

Pelo meio vários nós se atam e se desatam, de amores e de amizades.

(…)

 

Aguardemos o episódio oito!

 

*******

 

No esquema central da narrativa, no respeitante ao enredo romanesco, perpassa o namoro entre Claire e Sam, tomando ela, no episódio seis, a decisão de abandonar o marido, para ir viver com Sam, com a sua concordância.

No episódio sete, deu conhecimento do facto ao marido, Frank Simpson, à entrada para uma das habituais festividades na Embaixada Americana (?).

Abandonou todas as suas mordomias, em troca de uma verdade sentimental, dirigindo-se para a casa do amante, Sam. Mal sabia ela, onde ele se encontrava.

Calcorreou o seu calvário, da casa de Sam, para a de Patrícia, da desta para o barco de Kang e do tugúrio deste, para outro ainda mais marginal. Nem mais nem menos, que um opiário, onde Sam jazia adormecido e entorpecido pela droga.

Veremos como ela e ele irão lidar com a nova realidade em que se  envolveram, passando da de amantes clandestinos para hipotético casal de noivos, a viverem à luz do dia e com as mordomias de Sam.

 

Outro romance que se foi delineando, muito timidamente, cheio de incertezas e dúvidas, foi o de Conrad, agente da CIA e Sue Ling, agente de “Cheng Detective Agency”.

No episódio sete essa concretização foi confirmada pelas partes envolvidas, personagens a quem e só a quem deveria interessar e deveria ser selada com uma ida ao cinema.  Deveria, digo eu, porque não chegou a ser…

Que esse namoro mal nasce e já está sentenciado pela ação e prepotência da agência de espionagem inglesa, M16, na pessoa de Mrº Miller

Que chantageia Conrad com o conhecimento comprovativo do passado estudantil falseado de Sue e as ações do jovem namorado, Conrad, para apagar esse passado forjado por um amigo despeitado da rapariga.

 

Veremos no que dá essa chantagem para que Conrad vigie a sua própria agência, CIA e dê informações ao M16!

 

Singapura, pela sua situação geográfica, pelo momento histórico que se vivia, pelos conflitos que no mundo se digladiavam na designada “guerra fria”, ocupava à data, no espaço e no tempo, uma posição de charneira, no contexto geo político, económico e financeiro e era, por isso, um ninho de vespas de espionagem e contra espionagem.

 

*******

 

Para finalizar, abordo a estrutura técnica da narrativa.

 

A sequência técnica da narrativa fílmica assenta sempre no mesmo esquema estrutural.

 

Inicia-se cada episódio com um resumo dos anteriores, apresentando excertos breves, pequenos trechos fundamentais, relevantes para o que será abordado e desenvolvido.

 

Em seguida, um brevíssimo prólogo do episódio a ser apresentado.

 

Posteriormente, surge  o “Genérico” da Série.

 

Inicia-se, então, o “Desenvolvimento” da narrativa do episódio em causa.

 

No final, deixam sempre um prenúncio do que surgirá em episódio posterior.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D