Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

“Hospital Real” (Reposição) 10º Episódio

Questões de “Moral”!

Ou

Como chegou um botão do casaco de Dom Daniel ao quarto das enfermeiras?!

 

Andava intrigado com o facto de na estatística do “Top de Páginas “, no Blogue, haver muitas visualizações referentes a esta Série. Mas como há algum tempo não via televisão, e, quando vejo, é quase sempre só à noite, não me apercebera que “Hospital Real” estava em reposição. Ontem, li um jornal em papel e tive curiosidade de ver a programação da RTP2. E aí constatei que a série era retransmitida cerca das 12h 45’. Hora a que raramente vejo TV, nos dias de semana. Questionava-me: Em que episódio já irão?!

E, hoje, decidi ver. Já vão no décimo! Quer dizer que tenho cinco episódios para rever, caso tenha possibilidade.

 

Sobre este décimo episódio, não me sinto tentado a escrever. Remeto para o link do post que publiquei em Setembro (11).

(Fiz algumas pequenas alterações, que havia uns pequenos erros.)

 

Podia intitular este episódio com outra designação?

Questões de “Moral”! Ou “Como chegou um botão do casaco de Dom Daniel ao quarto das enfermeiras?! Ou “A confissão alivia a consciência!” (...) Ou “Os sinais de gravidez eram apenas resultado de um pólipo...”

 

Nesta série também se realça a Música! (Pareceu-me escutar variações sobre o “Concerto de Aranjuez”.) Os Diálogos. E a Representação dos Artistas, essencialmente centrada no rosto e nas mãos, que, dada a indumentária utilizada, são praticamente as únicas partes do corpo que se expressam...

 

S. Tiago In. Andarilho de Andanhos.gif

 

Ilustro com uma foto de S. Tiago, cortesia de “Tâmara Júnior”, in “Andarilho de Andanhos”.

 

 

 

“Hospital Real” – 15º Episódio Television de Galicia - Parte II

Série da RTP2

6ª Feira 18/09/15

Parte II

Cristo en la cruz (Goya) in wikipedia.jpg

“E desde a hora sexta, houve trevas sobre a terra, até à hora nona.

E, perto da hora nona, exclamou Jesus em alta voz, dizendo: Eli, Eli, lama sabactâni; isto é, Deus meu, Deus meu, porque me desamparaste? ”

S. Mateus, 27; 45 e 46.

 

E Dom Andrés, Administrador do Hospital Real de Santiago de Compostela, hospital pejado de doentes e feridos, aleijados e estropiados, moribundos e mortos; porque houvera uma explosão no armazém de pólvora seca da Cidade, que se ouvira no hospital e para onde foram encaminhados todos, na esperança de tratamento; todos os profissionais zelosos e atarefados, numa correria de um lado para o outro…    Pai extremoso de Clara, filha a quem escondera a situação da mãe, para a proteger; mas que não aceitara esse segredo, o ter-lhe escondido a verdade e, que para dele se vingar, triste vingança que contra ela própria se voltou; voltou grávida da casa da sogra, mas não do filho desta, seu marido, que nem sequer sabia, mas grávida do Alcaide, maior inimigo do pai e que à cara lhe atirara essa notícia, como se lhe desse um murro nela ou nela escarrasse, ao chamá-lo de sogro; Pai que, desesperado, confirmou com a filha, tamanha barbaridade, lhe gritou e lhe apeteceu esganá-la, mas depois de troca de palavras sobre verdades e mentiras, omissões e afirmações; diálogos como os que nesta série a tornam tão interessante, lhe disse, verdade absoluta, que consegue a todos reconciliar: “A criatura que tens dentro de ti é inocente!”… Amigo de Dona Irene, porque mais não pode ser, porque é fiel à mulher, Dona Laura, enclausurada, mas assistida e bem tratada; em permanente tensão, carregando nos ombros o peso do Hospital, qual Hércules, segurando o mundo; porque honesto, trabalhador, zeloso e preocupado com o bem-estar de funcionários e doentes, agora ainda mais por causa da explosão, para além da doença que grassava e ainda não haviam debelado…

Pois, Dom Andrés, sentindo-se impotente, desesperado, incapaz de segurar o mundo que trazia sobre os ombros, gritou… gritou… berrou, será melhor e mais forte o termo, com quantas forças tinha, nos corredores do Hospital… que se ouviu mais alto que o som da explosão que se ouvira, provinda do armazém de pólvora seca, dos arrabaldes da Cidade de Compostela, com nome de Santo.

Qual Cristo no Gólgota, sentindo-se abandonado por Deus!

 

Basílica_de_Santiago in wikipedia.JPG

 

E, quase poderíamos ficar por aqui, e não escrevermos mais, mas julgo que seríamos injustos para com outras personagens até porque o 15º episódio, tendo deixado muitas questões em aberto, é certo, também respondeu a outras.

 

Não posso deixar de referir que:

Clara queixou-se do pai, culpabilizou-o e quis fazê-lo sofrer, talvez por sentir-se desamada pelo marido, mas foi ela que escolheu o seu próprio Caminho, que quis carregar a sua própria Cruz…

 

E, ainda haverá mais?...

 

 

 

Série RTP2 – “Hospital Real”

 Episódio 3

Portal Hospital. in wikipédia.jpg

 

E o enredo vai-se desenrolando, desvendando…

 

Realmente o assassino é Duarte, o jovem (?) mudo que circula pelo Hospital e faz favores à enfermeira-chefe, prestando-se aos trabalhos sujos e criminosos. Ainda não consegui perceber bem qual é a sua função no contexto da Instituição!

 

O mandante é, de facto, o fidalgo falido, Dom Leopoldo Castro, homem sem escrúpulos, que não olha a meios para atingir os seus fins.

Já encomendou outra morte… A de Dona Irene, a fornecedora de víveres para o Hospital.

 

Por sua vez ele também “trabalha” a mando de outros: o Alcaide e demais poderosos da cidade compostelana.

O móbil dos crimes também já está explícito. Tomarem conta do fornecimento dos víveres para o Hospital Real!

Para isso há que afastar todos os obstáculos à concretização de tal fim.

O Hospital, devido ao Real Patronato e às rendas que possuía e aos serviços que prestava, seria, à época, um grande consumidor de bens essenciais e um excelente pagador. Pelo que havia interessados em serem seus fornecedores, pois essa atividade seria altamente lucrativa!

O "encosto ao Estado". tal como agora. Interessses privados a "mamarem" do Estado!

 

A enfermeira-chefe continua com a sua “agência de adoção”, recolhendo os expostos, comprando-os até e entregando-os a quem lhe pagasse. Isto é, vendendo-os.

Sempre chantageando. “O meu silêncio tem um preço!”

 

www.rtp.pt.jpg

 

Termino com uma frase dita por Doutor Devesa, cirurgião-mor do Hospital, que já fora médico do Rei Dom Carlos IV, para o seu assistente e novel médico, Dom Daniel, o herói do romance que perpassa na narrativa:

“As normas ainda que pareçam injustas, têm o seu sentido!”

Esta frase foi proferida na sequência de o jovem médico, puerilmente, ter admitido a entrada de uma mulher, contrariamente a todas as instruções e ordens estabelecidas no Hospital e que, posteriormente, se verificou ser portadora de varíola, o que, à data, era sentença de morte e risco de contágio para todos os outros utentes da Instituição.

 

E o herói e a mocinha continuam namoriscando…

…   ...   ...

 

 Ver também, se quiser ter essa amabilidade, claro!     2º Episódio

“Hospital Real” – 2º Episódio

Nova Série Europeia na RTP2 

Hostal dos Reis Católicos. Santiago. in wikipedia

 

E desenrolou-se, ontem, 3ª feira, 1 de Setembro, o segundo episódio da supra citada nova série. Presumo que seja uma mini série, dado o tempo de duração de cada um dos episódios e a continuidade na narrativa, de modo a estruturar uma conclusão ao fim de alguns episódios.

Valeu a pena ter visto! A temática está a ser apelativa.

E quando aparece um crime para desvendar, no decurso do enredo, mais interessante se torna. Tornamo-nos um pouco “poirots”, pretensiosos, é certo!

Mas gosto da intriga que se processa, da incerteza, do jogo de probabilidades e conjeturas sobre as hipotéticas análises e descobertas.

 

Se são dois crimes, então!... Dose dupla de emoção policial!

Já se formou uma equipa de investigação, que se auto nomeou. O cirurgião-mor, Doutor Devesa e o herói, Dom Daniel, médico recentemente admitido no  Hospital Real e a mocinha, a aprendiz de enfermeira, Olalla! Segredo absoluto, que no Hospital as paredes têm ouvidos.

Se têm!...

 

Para já, descobriram, graças à perspicácia do cirurgião-mor, que houve crime e não apenas um, mas dois.

E que estão interrelacionados. O modus operandi nas mortes, do fornecedor de víveres do Hospital e do capelão-mor, foi idêntico.

Logo, é o mesmo criminoso. Quem?

Na sequência da morte do Padre Damião, o criminoso tirou a máscara e pareceu uma cara conhecida. Seria?! Ou enganei-me? Julguei ser o rapaz mudo que circula silencioso pelas galerias do edifício, que é pau mandado da enfermeira-chefe, Úrsula, de nome. Seria, ou vi mal? Seria o Duarte?!

 

A equipa de investigação não sabe … Pssst! O segredo é a alma do negócio.

Sim, porque tudo parece indicar que há negócios por trás. O Dinheiro, sempre o Dinheiro!

Também já deduziram, isso sim, que os crimes, porque disso se trata, têm algo em comum: o Hospital Real!

Dedução também do nosso cirurgião-mor. O verdadeiro Hercule Poirot!

Interessante a sua figura física, a sua personalidade, as suas ideias, num mundo obscurantista, ainda dominado pela Inquisição. Personagem com que facilmente se simpatiza, pela sua lucidez e modo de atuação, face às barreiras que tolhem a sua ação no exercício da prática médica, num ambiente tão castrador.

Goya, in Los Caprichos, retratou muito bem essa Espanha de finais do século XVIII!

Capricho 23 detalle1Goya wikipedia.jpg

 

E ficamos por aqui, não vou contar a história toda.

Visualizar a série proporciona momentos emocionantes. Que não quero que percais.

 

Mas não vou deixar de questionar.

E quem serão os mandantes?!

Porque, de facto, a forma como todo o enredo se desenrola aponta para mandantes.

 

O nobre falido, Castro, sempre à procura de esquemas de sobrevivência para ganhar dinheiro sem trabalhar?! À época, Antigo Regime, os nobres não trabalhavam.

Às mulheres, senhoras, mesmo que não fossem nobres, também estava vedado o exercício de determinadas atividades. Atividades comerciais, por ex., especialmente se fossem altamente lucrativas e houvesse outro interessado no negócio, para proveito próprio e de quem o favorecesse.

 

Ou a irmã Úrsula, o Dragão, enfermeira-chefe e eminência parda em toda aquela instituição, movendo-se prepotente por todo o seu espaço de ação, manipulando, exercendo com crueldade e despotismo a sua autoridade sobre os mais fracos e desvalidos; fazendo pretensos favores, especialmente a poderosos, cobrando e lembrando juros futuros. Invocando, em vão, o nome de Deus, a sua pertença a uma Irmandade e Igreja, atribuindo aos seus atos, mesmo que criminosos, uma orientação divina! Denunciando…  portando-se com falsa humildade perante os seus superiores.

 

Ou ambos: o “representante” da Nobreza e uma das “representantes” do Clero?!

E qual o papel da Inquisição em todo o processo?

 

Bem, para desvendarmos o enredo… basta segui-lo.

 

Patio de San Juan Hospital Real. in wikipedia.jpg

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D