Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

As duas Quadras…  encontraram dois Tercetos!

Mas não acharam a Paz… ainda!

Um ser inominável…

 

Anda, por aí, ser inominável

Invadindo um País Soberano

Almejando ficar homem notável

Só se tornou ainda mais tirano.

 

Assim ficou por demais execrável

Espelhando seu juízo insano

Entre seus sequazes mor detestável

Perdendo sua condição d’humano!

 

Cinismo, crueldade: indecentes

De quem ordena matar inocentes

Destruir casas, civis estruturas.

 

Por mais que tu te expliques, só mentes

Inda que digas bem fazer… perjuras.

Só na tua paranoia perduras!

 

*******

(Este encontro das 2 quadras com os 2 tercetos deu-se ontem, 3 de Julho. As quadras já vinham de 17 de Maio, publicadas a 12 de Junho! Quando se encontrarão, quadras e tercetos, com a tão almejada PAZ?!)

 

 

A Guerra na Ucrânia!

A inutilidade das guerras!

Se houve guerra que tem mostrado, à saciedade, a inutilidade das guerras, tem sido esta a que assistimos há quase quatro meses, resultante da invasão da Ucrânia, por parte das tropas da Federação Russa. Nada justifica essa invasão, menos ainda a destruição maciça de alvos civis, de localidades inteiras, os atropelos aos mais elementares direitos humanos, o massacre de populações indefesas, as perseguições, as consequências sofridas por toda uma população martirizada. Por todo o Mundo!

Ouvir os dirigentes dos invasores, nomeadamente esse indivíduo inominável que despoletou essa invasão e guerra, provoca-nos tal sentimento de repulsa… De frustração…

Questionamo-nos, com é possível nestes tempos de século XXI, de globalização, em que todos somos interdependentes, haver chefias a pensar que o Mundo se “conquista” aos pedaços de territórios, como se estivéssemos no séc. XIX ou anteriores. Choca-nos e assusta-nos, porque indivíduos assim, com o poder que este tem, são não só um perigo para a Ucrânia, como para todos os países limítrofes. E para todo o mundo!

Vivendo obcecado por uma hipotética invasão do território da Federação, como se algum país se quisesse lançar nessa aventura(!), que a História tem testemunhado como inexequível, pelo menos a partir do Ocidente. Compara-se a Pedro, a que denominaram grande. Vive uma paranoia perigosa, dado o poder de que dispõe. Joga no ataque a um país mais fraco. Destrói! Destrói! Destrói! Chacina! Aniquila! Mata! Destrói! Destrói

Não haverá forma de terminar tal paranoia?!?!

 

Bloqueios de escrita... e guerra (s)!

Aquém-Tejo e Apeadeiro da Mata!

As escritas nos blogues têm andado muito bloqueadas. Dado o contexto, poderíamos dizer "blogueadas"!

Questões de natureza pessoal, outras de ordem logística e técnica.

Também temáticas...

A guerra, esta guerra absurda, atroz, atormenta-nos. Não se vislumbra um final próximo. Como, Quando,  ...conseguirão, ... Quem conseguirá... parar aquela figura inominável, aquele personagem execrável e seus sequazes, que desencadearam tal guerra e invasão de país soberano?! Que, por nenhumas razões plausíveis, lógicas, têm destruído todo um território, massacrado todo um povo inocente!? Que, permanentemente, ameaçam fazer ainda pior! Gente(?!) em que não se vislumbra um olhar, um sorriso, um sinal de Humanidade! 

Como, Quem, Quando, vai terminar essa guerra?!

E a Covid, acha que já acabou?!

Por decreto governamental?!

Votos de Saúde e de Paz!

 

STOP the War! Parem a guerra!

Make Peace, not war! Façam a Paz, não a guerra!

Passados vários dias sem escrever nem publicar… E a guerra ainda sem terminar. Mas é urgente que acabe esta guerra absurda. (Como se alguma fizesse sentido!)

(Em contrapartida, a Primavera trouxe alguma chuva, também voltaram as poeiras do Sahara, e a modos que virá frio. Não entendo nada destes tempos…)

E sobre a guerra?!

Cessar-fogo! Negociações de Paz. Retirada das tropas invasoras.

(Não será fácil, mas é algo que deverá ser feito!)

Não há qualquer justificação para a invasão da Ucrânia, pelas tropas do regime russo.

Fim da guerra. A guerra não faz qualquer sentido.

Reconhecimento, melhor, aceitação da Ucrânia como Estado soberano, independente. Adesão à União Europeia. (Já a hipótese de entrada na NATO, julgo inconveniente.)

Afirmação como Estado neutral, todavia com direito a dispor de Forças Armadas!

Apoio dos vários Países da União Europeia. Dos Estados Unidos da América. Da Turquia. A China deverá agir, efetivamente, na condenação da invasão executada pelo regime russo.

E essa figura inominável que perpetrou a invasão?! Sairá de cena?! Conveniente seria, porque a continuar no poder, não se ficará por aqui.

(Mas, e o que se seguirá?! Lembremos Iraque, após o derrube de Sadam, na sequência dessa malfadada e pérfida guerra, “mãe de todas as guerras” que se seguiram! O derrube dos governos dos países do Norte de África, na sequência das “Primaveras Árabes”!)

Todos temos os olhos postos na invasão da Ucrânia e com toda a razão. Porque assistimos a crueldades sem limite, a crimes de guerra, violações sistemáticas dos mais elementares direitos humanos. Totalmente verdade. Mas proliferam guerras pelo Médio Oriente, África, tão horrorosas quanto a que repudiamos na Ucrânia, com toda a razão e direito. Na Síria, guerra tão criminosa… Na Palestina… há dezenas de anos!

Voltando à Ucrânia. E a definição do espaço territorial?! Por direito, as fronteiras a definir deveriam ser as de 1991. Não será fácil o Kremlin aceitar tal. Todavia, a Crimeia deveria ser desocupada e fazer parte da Ucrânia, como o é legitimamente. Veremos o que acontecerá. Nestas situações a Turquia tem um papel determinante.

(Visita a Kyiv de Personalidades de peso no plano político e religioso será importante!)

Muitos destes aspetos já abordei em anteriores postais.

Muita Saúde e Paz!

 

Finalmente, voltou o Sol!

Fim do “Prenúncio de Inverno Nuclear”?!

Que saudades já tinha de ver o sol. Apesar da seca persistente. Que tarda e teima em não chover! Mas que podemos nós?! Não mandamos, não temos poder!

Nesta semana, houve dias que o sol nunca se viu. Parecíamos estar num “Inverno nuclear”! Desde segunda-feira, catorze de março, com especial incidência na terça e quarta-feira, quinze e dezasseis, uma concentração de persistentes poeiras, provindas do deserto do Saara, tapava completamente o céu. Não eram várias nuvens altas, era uma só nuvem, baixa, contínua, homogénea, impedindo-nos do acesso à visibilidade do azul celestial. Este adquiriu tons de castanho avermelhado, uma luz coada por esse manto de partículas contínuas, de pós, cobrindo casas, carros, territórios. O sol nunca se dignou mostrar aos olhos destes povos peninsulares. Melhor, não nos foi permitido vê-lo! Com maior incidência para o centro da Península, também no interior de Portugal o fenómeno terá sido mais marcante. Uma irritação respiratória constante, dores de garganta, expetoração, alergias…

Ontem quinta-feira, dezassete, ao aproximarmo-nos de Arraiolos, foi com alegria que observámos a luz poente, ainda coada por essa poalha castanho avermelhada, ilustrando o castelo, a escola secundária, o casario da Vila, as Ilhas.

Hoje, 6ª feira, dezoito, na Cidade de Régio, a luminosidade já nos permitiu observar o azul do céu, algumas escassas nuvens destacando-se, libertando-se da submersão desse manto de poeiras, agora já mais cinzentas, alertando-nos para a perigosidade de um “holocausto nuclear”.

Para quê provocar guerras, para quê invadir territórios de povos livres, para quê ameaçar com o botão nuclear, se, periodicamente, a Natureza faz valer as suas próprias leis naturais?!

…São os vulcões, os terramotos, os maremotos, os tsunamis, os ciclones, as cheias, as secas, os fogos naturais, as epidemias… outros tantos desastres, que periodicamente assolam a face da Terra, independentemente da vontade humana.

Para além dos desastres que a Humanidade provoca por desmazelo, inépcia, ganância!

Ainda provocar as guerras… De vez em quando, solta-se um louco do manicómio do poder e põe o mundo em polvorosa.  Prendam-no, a esse louco que quer abrir a caixa de pandora da guerra nuclear. Já basta que abrisse a da guerra!

O problema é prendê-lo!

 (Dirá o/a Caro/a Leitor/a)

Saúde e Paz!

 

 

"Somos todos Ucranianos!"

O Povo Ucraniano quer a Paz! O Povo Russo quer a Paz! Todos os Povos querem a Paz!

Nesta “guerra da Ucrânia”, decorrente da invasão das tropas do regime russo, cuja fase recente se iniciou no mês passado, 24/02, que ela já dura há quase dez anos (!), não há como não estar solidário com os Ucranianos!

"Somos todos Ucranianos!"

(Digo eu, embora sabendo que muito boa e santa gente tem opinião contrária ou assim-assim, ou nem não, nem sim, isto é, nim!)

Que haja outras e variadas guerras por aí, todas condenáveis, porque o são, por várias vezes repudiadas no blogue, tanto em prosa como em verso, também esta repudio.

É preciso terminar a invasão. As tropas do regime russo devem sair da Ucrânia, país que deve ser independente e ser reconhecido como tal, sob todos os aspetos, pelo regime russo!

É preciso que o regime russo termine o que começou e desenvolvam conversações de Paz, sempre tendo na base a independência da Ucrânia. (E da sua integridade territorial, o que já será mais complicado, digo eu…)

Os Povos querem Paz! Não querem guerra. Todos os Povos.

(Os defensores da guerra são uma minoria, só que detêm o poder, como no vertente caso. E, depois, utilizam-no mal.)

 Não fazem sentido guerras, por disputas territoriais. Somos todos interdependentes, todos os países, todas as nações, todos os povos. Vivemos num mundo à escala global. Ele há tanta desgraça, calamidade, catástrofe natural; tanta degradação provocada pelo ser humano, nomeadamente no ambiente… para quê ainda buscar a guerra?! Ainda nem saímos da pandemia da Covid!

Senhores da guerra, desta e de outras: Buscai a Paz!

P.S. – Há muitas questões que poderiam ser analisadas sobre este assunto, nomeadamente as formas de se alcançar a Paz. Qual o papel ou papéis que deveriam desempenhar a União Europeia, os Estados Unidos, a NATO, a China, outros Países, outras Entidades, o Papa Francisco, por ex.

Mas há uma questão que é mais no domínio dos se…se… E se a Srª Merkel ainda chefiasse o governo alemão, quiçá, com papel determinante na União Europeia, as coisas teriam ocorrido assim?!

(Uma pergunta que fica no ar…)

Entretanto, resta-me apelar à Paz.

Negociações. Retirada das tropas. Acordos de Paz. O Povo Ucraniano não merece estar a sofrer esta calamidade.

(Que a guerra é a mãe de todas as desgraças!

As consequências projetam-se por todo o mundo.)

 

 

“Rota Histórica de Flor da Rosa” (I)

Percurso Pedestre de Flor da Rosa  a Aldeia da Mata, passando pelo Crato.

Evocação de “Alminhas” em tempos de guerra!

Alminhas Novas Aldeia da Mata. Foto Original. 2022.02.02.jpg

Tenho consciência que os dias não estão muito para passeios. A chuva finalmente chegou. Tímida, é certo, mas desde o dia sete tem caído alguma água. Na Grande Lisboa, que lá para os Alentejo(s) nem por isso. Bendita água pluviosa! Tanta falta faz!

De qualquer modo, haverá tempo para voltar às caminhadas. No ano passado, tivemos oportunidade de realizar várias. Este ano, não tantas!

Todavia, aproveito para alertar para alguns aspetos sobre o percurso pedestre citado. Iniciando-se em Flor da Rosa, junto ao Mosteiro, segue na direção do Crato, posteriormente para Aldeia da Mata, terminando na Anta do Tapadão. Em Aldeia, que é a parte que conheço, integra, devidamente assinaladas, as Fontes do Boneco, da Ordem e da Bica, desde 2021, quando este trajeto foi estruturado no terreno.

Já me congratulei com esse facto, que corresponde, parcialmente, ao que venho defendendo. Isto é, organização de um Percurso Pedestre pelos arredores da Aldeia, incluindo as várias Fontes já divulgadas nos blogues e as Pontes da Ribeira do Salto e da Ribeira das Pedras.

As Passadeiras: da Ribeira das Pedras, do Porcozunho e da Lavandeira. No acesso a esta Ribeira, a respetiva calçada.

Percurso que tenho designado: Por Fontes, Passadeiras e Pontes.

Voltando ao Percurso Histórico referido, atentando no que constatei e respetivos monumentos locais assinalados, verifiquei que as Alminhas de Aldeia da Mata, tanto as Alminhas Novas como as Alminhas Velhas não estão referenciadas.

Um contrassenso! Porque estes monumentos, singelos é certo, estão associados, por tradição oral, a um combate, trágico como todos os combates, ocorrido precisamente à entrada de Aldeia da Mata, em 1801, na designada “Guerra das Laranjas”. E que se iniciou, pasme-se(!) precisamente em Flor da Rosa, junto ao Mosteiro.

A ocorrência desse combate, historicamente designado “O Combate de Flor da Rosa”, está documentada. Consultei documentos sobre o facto, no Arquivo Histórico Militar, em Lisboa e tenho cópia em CD da respetiva descrição.

Para saber um pouco mais sobre o assunto, consulte, SFF, para melhor esclarecimento!

De modo que o que pretendo é lançar um apelo aos Organizadores destes percursos.

SR.s Organizadores, façam favor de assinalar devidamente as “Alminhas de Aldeia da Mata”, como parte integrante e estruturante desse Percurso Histórico!

Como?! Saberão melhor que eu.

Uma sinalefa condizente com a respetiva situação no percurso?!

Hei-de comunicar, nomeadamente a CIMAA.

Grato pela atenção.

*******

E a propósito de “Alminhas” e de guerras…

Que a guerra da Ucrânia termine!

Que o regime russo retire as tropas invasoras!

Ucrânia reconhecida, sob todos os aspetos, como Nação e Estado Independente.

Que haja Paz!

 

Na guerra, o preconceito racial.

Direito à compaixão e Amor!

 

Apelo às guardas ucranianas!

Sejam mais empáticas e humanas

Que também há gentes alentejanas

Parecendo pessoas africanas!

 

Mesmo que africanas elas sejam

Se a Liberdade elas almejam

Lhes concedam o que elas desejam.

Que as defendam! E até protejam!

 

Não protelem direito de sair

Não discriminem! Autorizem ir

Procurar futuro, outro porvir!

 

Todos temos sangue da mesma cor

Todos sofremos, todos temos dor

Direito à compaixão e Amor!

 

Um poema de denúncia do atropelo aos direitos de seres humanos que, por serem “negros”, estão a ser impedidos de sair da Ucrânia, sendo preteridos face a outros que são “brancos”.

(Este postal não segue necessariamente os cânones do considerado “politicamente correto”!)

A guerra leva aos maiores flagelos da Humanidade e a desumanidade vem ao de cima, pelas mais diversas razões e por variadas formas.

O racismo é bem expresso nestas atitudes dos guardas.

Há jovens portugueses, estudantes de Erasmus, de Medicina. Um até é alentejano, de Évora e até viveu em Portalegre. Distrito onde até temos Médicos ucranianos, que muito estimamos!

E também há cidadãos de outros países a sofrerem pela mesma razão discriminatória!

 

A Paz, não a guerra!

Um "pedido" sem destino?!

 

Povos não querem guerra, querem paz!

Tu, que mandas, reflete, sê audaz

Manda retroceder, volver atrás

Tropas invasoras, que és capaz!

 

Tens poder e dever de emendar

Mal que fizeste ao despoletar

Guerra, que levaste a tanto lar                                                                                                                

Por terra, céu e até pelo mar!

 

Ucrânia é país independente

Não poderá ficar eternamente

Submetida a ambição prepotente!

 

Fazer cada dia a Paz, não a guerra

Que só destruição ela encerra.

Queremos Paz e concórdia na Terra!

 

Ataques-e-mais-ataques!

Futsal - Geografia - História - Geopolítica!

Na-guerra-o-preconceito-racial

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D