Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aquém Tejo

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Há quem do Tejo só veja o além porque é distância. Mas quem de Além Tejo almeja um sabor, uma fragrância, estando aquém ou além verseja, do Alentejo a substância.

Primavera(s) do Outono!

Rosa quintal de cima. Foto original. 20.10.22.

Verão dos Marmelos – Verão de São Martinho

Em campos de Aldeia da Mata!

Neste postal, não vou abordar nenhum dos assuntos que têm estado na berra, nos nossos meios comunicacionais. Nem assuntos da estranja, nem cá do burgo.

Vou apresentar um tema recorrente neste nosso peculiar canto climático. É comum ouvirmos falar, todos os anos, em “Verão dos Marmelos” e em “Verão de São Martinho”. Agora, quando escrevo este postal, estaremos a meio caminho entre os dois. Todavia, certos anos, não se observa uma separação nítida entre estes dois tempos. O nosso Outono é muito marcado por estes contextos meteorológicos. Direi que o “Verão dos Marmelos” ocorre mais em Outubro, o de “São Martinho”, mais em Novembro. Não me perguntem datas precisas, porque não as tenho, nem sei, nem sei se alguém saberá. Também não tenho a pretensão de saber.

Mas deixemo-nos de deambulações verbais e situemo-nos no concreto.

A Natureza também se sujeita a estas características climáticas, não sei se as entende ou não. Interpreta-as a seu modo, a seu jeito.

Apesar de estarmos no Outono, mas como o tempo está primaveril, algumas plantas, arbustos, árvores, agem em conformidade. Florescem! Algumas quase com a mesma exuberância como se estivessem na Primavera.

Neste postal documento com fotos ilustrativas dos factos narrados.

Flores primaveris, em pleno Outono!

Tutelando o postal, uma formosa rosa do “Quintal de Cima” (20/10). Quase todas as roseiras estão floridas. Situação que observo pelos mais diversos locais deste nosso e lindo Portugal!

As duas fotos seguintes são do carapeteiro/espinheiro/pilriteiro, no “Quintal de Baixo” – (17 e 21 de Out.)

Carapeteiro. Quintal de Baixo. Foto original. 17.10.22

Em ambas se observam, em fundo, pequenas bagas, que são os frutos. Outono e Primavera em simultâneo!

Carapeteiro quintal de baixo. Foto original. 21.10.22.

A 4ª foto é da lúcia-lima, de chás deliciosos. No “Quintal de Cima” - (20/10)

Lúcia-lima. Quintal de Cima. Foto original. 20.10.22.

A 5ª é uma flor isolada e ampliada, de uma das ameixoeiras bravas, no “Vale de Baixo” - (23/10). Algumas destas árvores também floresceram bastante!

Flor de ameixoeira. Vale de Baixo. Foto original. 23.10.22.

A 6ª é da romãzeira, que bordeja o “Caminho das Pulhas”, no “Vale de Baixo” – (01/11/22).

Flor de romãzeira. Vale de Baixo. Foto original. 01.11.22.

A 7ª – 16/10 - é de uma árvore, cujo nome desconheço, que, além destas lindas flores, tem de fruto umas pequeninas bagas avermelhadas. Trouxe bagas destas, do Jardim Botânico de Lisboa, certamente há mais de uma vintena de anos. Semeei. Obtive exemplares desta planta que tenho dispostos no “Quintal de Cima”. No início deste ano também já plantei um pequeno exemplar no “Vale de Baixo”.

Árvore no quintal de cima. Foto original. 16.10.22

A oitava e última foto é de um arbusto muito comum junto às ribeiras. Também não sei o nome. Fotografia tirada junto às passadeiras da Ribeira da Vargem. Em 24 de Setembro, deste ano de 2022. Nessa data, a ribeira não corria absolutamente nada nesse local. Havia apenas um pego a montante das passadeiras e outro a jusante.

Arbusto na Ribeira da Vargem. Foto original. 24.09.22.

Caro/a Leitor/a, espero que tenha gostado desta documentação sobre a(s) nossa(s) Primavera(s) do Outono!

 

Sabe que Planta é esta (XVII)?!

Planta XVII Foto Original. 2022.03.28.jpg

Não é uma “partida” do Primeiro de Abril!

Não sei mesmo que planta é esta. Nem esta pergunta tem a ver com o dia um de Abril! Não sei mesmo. Desconheço. Alguém me saberá dizer o nome deste arbusto? O nome vulgar, que é o que identifico melhor, se tiver nome comum. E o científico, em latim, mas que tenho mais dificuldade em conhecer.

Prolifera no “Caminho da Fonte das Pulhas e do Porcozunho”, que no sentido Leste – Oeste, se inicia na “Azinhaga do Poço dos Cães”. Propaga-se com imensa facilidade, através do raizame, uma espécie de rizoma, que vai avançando pelo caminho, aparentemente no sentido referido. Junto ao portal do “Vale do Meio”, lado sul do caminho, uma colónia que vai crescendo, inclusive nas vetustas paredes e pelo balsedo. Alguns exemplares esparsos, no lado oposto, junto e nas próprias paredes velhas do “Chão da Atafona”. Mais a Oeste, nas bermas do dito caminho / azinhaga centenária, uma verdadeira colónia destas plantas, não sei se autóctones, se invasoras. Ultrapassam o espaço da ETAR, a modos que querendo alcançar a Fonte das Pulhas, a Horta do Porcozunho. Digo eu!...

Já galgaram as paredes e já começaram a colonizar parte do Vale de Baixo, o respetivo lado Sul, frente ao canal de saída de emergência da ETAR.

Pois!... Nos últimos dias de Março, lancei-me no corte e desbaste de todos os ramos iniciando floração, como o da foto documental. Todos os do caminho, bem como os do Vale. A propagação através das sementes será ainda a forma mais eficaz de ela se espalhar. Deste modo, cortando os ramos espigados, iniciando a floração, supostamente impedirei uma maior disseminação da planta invasora. Penso eu…!

Tenho plena consciência que será remar contra a maré. Que a planta continuará a propagar-se sempre mais.

A Autarquia limpará as bermas do caminho, como habitualmente faz todos os anos. Só que essa tarefa será executada mais tarde, lá para Maio, quando o arbusto já terá sementes e assim a sementeira será ainda maior. O trabalho está feito. Veremos se haverá resultados. O ramo documental, após a respetiva foto, também foi cortado. A ver vamos!

Saúde e Paz!

(P.S. – Coloquei foto, mas entretanto diminui várias de postais anteriores. Obrigado, SAPO!)

Amoreira da Barca D’Alva (I)

A Sabedoria da Natureza!

(Árvore com História?!)

Amoreira I. Foto Original. 2021.12.09.jpg

No último postal sobre a temática “Covid”, finalizei com uma foto de uma Amoreira. Que designo por “Amoreira da Barca D’Alva”. Precisamente porque é originária dessa localidade, no recôndito “Douro Interior”, quando o majestoso Rio entra completamente em terras portuguesas.

Já falei no blogue sobre esta região, o célebre comboio, a emblemática "Linha do Douro" que do Porto seguia até esta vila, prosseguindo por terras de Espanha até Salamanca. E daí para as mais diversas regiões espanholas e Franças e Araganças.

Amoreira plantada em pleno Alentejo!

Amoreira II. Foto original. 2021.10.05. jpg

E a viagem que ela fez?!

A razão de escolha da foto, com a Árvore despida de folhagem, quase, quase no Inverno, foi precisamente para testemunhar a “Sabedoria da Natureza”! Aproximando-se o Inverno, com os seus rigores previsíveis e habituais, a planta reduz a sua atividade aos mínimos possíveis. Que lhe permitam viver e sobreviver às inclemências do tempo. Não morre, mas protege-se.

(Foi também uma mensagem indireta e metafórica para os Humanos: que se resguardassem mais no Inverno!....)

Ressuscitará… a Amoreira, mal provenha a Primavera.

Amoreira III. Foto original. 2021.04.02.jpg

Atingirá a respetiva plenitude...

... em finais de Maio.

Amoreira V. Foto Original. 2021.05.22.jpg

(As diversas fotos documentam o facto.)

São também os meus votos para 2022! Para Si, Caro/a Leitor/a,

Para todo o Mundo:

Um Ano, de 2022, pleno de Realizações Positivas. De Felicidade! De Excelência e Otimismo!

A Primavera chegará, tal como esperamos também na Amoreira.

(Cuja saga continuará em próximo postal!)

Com muita Saúde!

 

Encontro Literário no Cinco de Outubro!

Onde?! …Na Cinco de Outubro?!

…Não!

No cruzamento da “Azinhaga do Poço dos Cães” com a “Azinhaga da Fonte das Pulhas” ou do “Porcosunho”

Entroncamento de Azinhagas. Foto original. 2021.02.21.jpg

Encontro Literário com a Escritora Lénia Rufino.

Querem dióspiros?! (…)

Dióspiro. Foto Original. 2021.10.07.jpg

Ao final da tarde de cinco de Outubro, mais um dia de vaidades lá para Lisboa, vinha eu de um dos meus “escritórios”, quando estou na Aldeia. Neste caso, do “Vale de Baixo”. Não trazia as “canetas”, pois já deixara a ferramentaria e as colheitas, no “Quintal do Chão”.

Observei um casal descendo a “Azinhaga do Poço dos Cães”.

Azinhaga do Poço dos Cães. Foto original. 2021.05.22.jpg

Parei, porque pareceu-me conhecer a rapariga, apesar da distância e de nunca a ter visto pessoalmente.

O casal também parou, hesitando na continuação da marcha.

Instei-os que prosseguissem, pois gostaria de falar com eles.

Ao aproximarem-se, tomei a liberdade de perguntar o nome à rapariga.

Confirmava-se a minha perceção. Era Lénia Rufino, sobre cujo livro “O Lugar das Árvores Tristes” teci algumas considerações neste blogue.

No breve colóquio encetado, referi que conhecia os pais, que a mãe era da minha idade e fizéramos a 4ª classe no mesmo ano. Que lera o livro de Lénia e de que gostara.

Lénia agradeceu e tive oportunidade de abordar mais alguns aspetos da narrativa.

(Aliás, a Escritora, conforme frisou, vinha explicando ao companheiro, sobre as ambiências do livro e aqueles espaços inspiradores para o enquadramento do enredo, que faziam parte das suas memórias de infância, quando vinha para a Aldeia com os pais.)

Peculiar e simbólico, que tenha encontrado a Escritora, num espaço de contexto da história e não em qualquer salão literário ou livraria!

Quanto à “Fonte dos Pulos”, a fonte inspiradora foi a “Fonte do Salto” e não a “Fonte das Pulhas”. Contrariamente ao que eu, inicialmente, supusera.

Sobre a continuidade da condição de escritora, mencionou estar a escrever outro livro.

Face à questão que lhe coloquei se seria saga do primeiro, referiu que não. A continuar, se o fizesse, seria sobre o filho de Lurdes, o João.

Questionada sobre o “violador”, explicitou que a ele se refere na página duzentos. Não tendo eu, de momento, o exemplar do livro na minha posse, vou continuar na dúvida, sem saber se a minha suspeita do possível autor do crime será quem eu penso ou não.

A conversa foi breve, que ainda iam para Lisboa. Não sei que Lisboa. Que para nós, quando estamos no Interior, Lisboa é toda a Grande Lisboa!

Querem dióspiros?! Finalizei quase em remate de conversa. Recusaram e engelharam a cara. Pelos vistos não gostarão. Eu, pelo contrário, este ano tenho-me lambuzado com os dióspiros.

Diospireiro. Foto Original. 2021.10.07.jpg

Tinha colhido alguns e, caso gostassem, faria gosto em oferecer-lhes.

Continue a saga… ainda lembrei.

(P.S. - As fotos não se reportam ao dia referido. Foram tiradas em momentos diferentes. Fazem parte do acervo, vasto, que tenho. Os locais são os mencionados. Os dióspiros... bem, também já se foram.

Lá para Óbidos também estão a decorrer "Encontros Literários". )

Frutos do meu Vale!

Rimando, em sotaque alentejano, com as “Flores do meu Quintal”!

(De Árvores com História!)

Amoras silvestres. Foto original. 2021.09.06.jpg

Estes frutos são maioritariamente de árvores que plantamos no Vale de Baixo, a partir de finais dos anos setenta. Muitas na década de oitenta. Eu, e meu Pai.

Mas resolvo titular o postal com frutos de uma planta silvestre: Amoras! Das silvas, balsas, balsedo...Quem não gosta de amoras silvestres?! “Minha amora negra…”

 

Figos de Pingo Mel.

Figos pingo mel. Foto Original. 2021.09.06.jpg

Ainda na figueira. É só colhê-los, Caro/a Leitor/a.

Mas para que não precise de se esforçar muito, ofereço este cesto de figos já colhidos. De pingo mel, verdeais, figo-rei...

Figos. Foto original. 2021.09.03.jpg

Saborosíssimos. À sua disposição. (Os figos são também de figueiras no Chão.)

 

Romã, ainda verde. Estarão boas lá para Novembro. Mês dos Santos.

Romã. Foto original. 2021.09.06.jpg

Romãzeira.

Romãzeira. Foto original. 2021.09.23.jpg

De um ramo de árvore do quintal da minha Avó Carita.

 

Marmelos

Marmelos. Foto original. 2021.09.23.jpg

De marmeleiro que veio de Peso de Régua. Um colega me trouxe uns bacelos, quando trabalhei no Cartaxo, em 84/85.

 

Gamboas

Gamboas. Foto original. 2021.09.06.jpg

Dióspiros

Dióspiros. Foto original. 2021.09.23.jpg

De árvore que comprei em feira, no Cartaxo, 82/83/84 (?), que trouxe, de comboio, até ao Apeadeiro da Mata e posteriormente plantei no local onde ainda permanece. Muito produtiva, habitualmente. Agora, ainda não estão maduros. Mas dentro de uma ou duas semanas, alguns já estarão prontos a saborear. Vão amadurecendo gradualmente durante Outubro e Novembro.

 

Imagem final e global de parte do Vale de Baixo.

Vale de Baixo. Foto original. 2021.09.23.jpg

Bem no centro, ao fundo, meio escondida, a torre da Igreja Matriz. As árvores: lado esquerdo, ramos de salgueiro; ao centro e fundo, marmeleiros e freixo. À direita, figueira de pingo mel, diospireiro e romãzeira. O poço que o Pai mandou construir e em que também trabalhou, juntamente com Ti Marcelino e Padrinho Joaquim. Talvez mais alguém que não sei. Nos finais dos anos setenta.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D